A verdade do ser e o simbolismo da cruz na individuação em Edith Stein

Ocir de Paula Andreata

Resumo


A individuação é o tema central da ontologia que abrange toda a história da formação do pensamento ocidental, desde a filosofia clássica, que tem relação com a constituição do indivíduo e de sua individualidade e chega ao Séc. XX renovada pela via da fenomenologia, e em especial como uma reflexão ontológica da pensadora Edith Stein. Diz respeito ao processo de desenvolvimento da pessoa, no tempo e espaço histórico enquanto processo de tornar-se si- mesmo. Em Edith Stein, o processo de individuação, como passagem de uma essência que se atualiza no contínuo ato existencial da vida no mundo, e é vivido na própria experiência pessoal de vida da autora, tornando-se um exemplo de transcendência, verdade do ser e de sentido da vida, cujo simbolismo é a cruz. A proposta deste ensaio é refletir sobre a experiência interior e a vida pessoal da própria pensadora como um exemplo de individuação. O método a ser utilizado no estudo é o de análise qualitativa do conceito em textos da referida autora, em sua experiência e em diálogo com outros pensadores sobre o tema. A reflexão no texto será apresentada do seguindo modo: 1) A individuação como verdade do ser; 2) Síntese epistemológica do conceito de individuação; 3) A experiência de individuação de Edith Stein; 4) O simbolismo da cruz no processo de individuação. Como resultado, espera-se poder apresentar uma síntese dos conceitos e demonstrá-lo na experiência pessoal da autora.


Texto completo:

PDF

Referências


ABAGGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia. SP: Martins Fontes, 2000.

AGOSTINHO, de Hipona. Da trindade. SP: Paulus, 1994.

ALES BELLO, Ângela. A questão do sujeito: Edmund Husserl e Edith Stein. Revista Eletrônica Anais IV SIPEQ – ISBN – 978.85.98623.04-7. São Paulo: Unesp, 2010. Disponível em: www.sepq.org.br/IVsipeq/anais/index.html. Acesso em: 10 set. 2014.

ALES BELLO, Ângela. Edith Stein: filosofia e cristianismo. In: Deus na Filosofia do Séc XX. SP: Loyola, 1998. ALES BELLO, Ângela. A Paixão pela Verdade. Curitiba: Juruá, 2014.

ALFIERI, F. Pessoa humana e singularidade em Edith Stein. SP: Perspectiva, 2014.

ANAXIMANDRO. Pré-socráticos. Pensadores. 2.ed. SP: Abril Cultural, 1978.

AQUINO, São Tomás de. O Ente e a Essência. Covilhã/Portugal: LusoSofia, 2008.

ARISTÓTELES. Metafísica. Os Pensadores. 2.ed. SP: Abril Cultural, 1973.

ARISTÓTELES. De Anima. SP: Editora 34, 2006.

BOÉCIO. Escritos (Opuscula Sacra). SP: Martins Fontes, 2005.

CHAUÍ, Marilena. Introdução à História da Filosofia: dos pré-socráticos a Aristóteles. 2.ed. SP: Companhia das Letras, 2002. Vol 1.

FAITANIN, Paulo. A Querela da Individuação na Escolástica. Revista Net Aquinate, No 1, 2005. Disponível: www.aquinate.net/revista/edicao_atual/Artigos/05. Acesso em: 08 dez. 2014.

FAITANIN, Paulo. A individuação da pessoa em Edith Stein: o legado de Husserl e de Tomás de Aquino. Revista Coletânea, Ano II, No 4, 2003. Mosteiro S. Bento, RJ.

GIACÓIA Jr, Oswaldo. Heidegger urgente: introdução a novo pensar. SP: Três Estrelas, 2013. GINGRICH, F. Wilbur & DANKER, Frederik W. Léxico do NT grego/português. SP: Vida Nova, 1986. GRONDIN, Jean. Hermenêutica. SP: Parábola Editorial, 2012.

HEIDEGGER, Martin. Ser e Tempo. 4.ed. Petrópolis: Vozes, 2009.

HEIDEGGER, Martin. Ensaios e conferências. 7.ed. Petrópolis: Vozes, 2006.

HEIDEGGER, Martin. Ontologia: Hermenêutica da Faticidade. 2.ed. Petrópolis: Vozes, 2013. HEIDEGGER, Martin. Sobre a essência da verdade. Pensadores. SP: Abril Cultural, 1973.

HEIDEGGER, Martin. A Sentença de Anaximandro. Pensadores. SP: Abril Cultural, 1978. HEIDEGGER, Martin. Carta sobre o humanismo. SP: Centauro, 2005.

PEDRA, José A. Edith Stein: uma santa em Ausschwitz. Curitiba: Rosário, 1998.

PERETTI, Clélia. A Pedagogia da Empatia e o Diálogo com as Ciências Humanas em Edith Stein. Revista de Abordagem Gestáltica – XVI (2): 199-207, Jul-Dez, 2010.

Disponível em: pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid=S1809...script=sci_arttex. Acesso em: 20 ago. 2014.

RIENECKER, F. & ROGERS, C. Chave Linguística do NT Grego. SP: Vida Nova, 1988.

SCIARDINI, Patrício. Edith Stein. SP: Loyola, 1999.

SIMONDON, Gilbert. A individuação à luz das noções de forma e de informação. Disponível: https://cteme.files.wordpress.com/.../simondon_1958 . Acesso em: 21 maio 2014.

STEIN, Edith. O que é filosofia? Um diálogo entre Edmundo Husserl e Tomás de Aquino (1929). ScintilIa. Revista de Filosofia e Mística Medieval. ISSN 1806-6526 –

Curitiba: Scintilla, vol. 2, n. 2, p. 207-364, jul./dez. 2005. Disponível em: http://www.saoboaventura.edu.br/galeria/getImage/45/pdf. Acesso em: 08 dez. 2014.

STEIN, Edith. Que es lo Hombre: la antropología y la douctrina católica de la fe. OC I. Vitoria: El Carmen & Madrid: Editorial de Espiritualidad & Burgos: Monte Carmelo, Espanha, 2003.

STEIN, Edith. Sobre el problema de la empatía (1916). OC II. Vitoria: El Carmen & Madrid: Editorial de Espiritualidad & Burgos: Monte Carmelo, Espanha, 2005a.

STEIN, Edith. Introducción a la filosofia (1931). OC II. Vitoria: El Carmen & Madrid: Editorial de Espiritualidad & Burgos: Monte Carmelo, Espanha, 2005b.

STEIN, Edith. La estructura de la persona humana (1932). Madrid: Biblioteca de Autores Cristianos, 2007a.

STEIN, Edith. Acto y potencia: estúdios sobre una filosofia del ser (1933-1934). OC III. Vitoria: El Carmen & Madrid: Editorial de Espiritualidad & Burgos: Monte Carmelo, Espanha, 2007b.

STEIN, Edith. Ser finito y ser eterno: ensayo de una ascensión al sentido del ser (1936). OC III. Vitoria: El Carmen & Madrid: Editorial de Espiritualidad & Burgos: Monte Carmelo, Espanha, 2007c.

STEIN, Edith. La filosofía existencial de Martín Heidegger (1936). OC III. Vitoria: El Carmen & Madrid: Editorial de Espiritualidad & Burgos: Monte Carmelo, 2007d.

STEIN, Edith Teu coração deseja mais: reflexões e orações. Petrópolis: Vozes, 2012.

STEIN, Edith. Vida de uma família judia e outros escritos autobiográficos. SP: Paulus, 2018. STEIN, Edith. A Ciência da Cruz: estudo sobre São João da Cruz. 7. ed. SP: Loyola, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


O Caderno Teológico está indexado por:

 

                                

                           

                                                                   

     

 

 

 

 

 

 

 

 

Licença Creative Commons
Caderno Teológico de Pontifícia Universidade Católica do Paraná está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.