Evolução da ciência do bem-estar animal: Uma breve revisão sobre aspectos conceituais e metodológicos

Autores

  • Maria Camila Ceballos Swine Teaching and Research Center, Department of Clinical Studies, New Bolton Center, School of Veterinary Medicine, University of Pennsylvania
  • Aline Cristina Sant'Anna Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)

DOI:

https://doi.org/10.7213/1981-4178.2018.161103

Palavras-chave:

Cognição animal. Emoções. Etologia aplicada. Comportamento animal. Indicadores de bem-estar animal.

Resumo

crescente valorização do bem-estar dos animais pela sociedade produz implicações nos mais diversos âmbitos onde estes estejam de alguma maneira envolvidos, gerando reflexos econômicos, culturais, legais e científicos. Na presente revisão faremos um breve histórico da bordagem científica do bem-estar animal, destacando os principais referenciais teóricos que embasaram esta ciência ao longo das últimas décadas. Em seguida, trataremos da estreita associação entre a etologia aplicada e o bem-estar animal por meio da apresentação dos principais indicadores comportamentais de bem-estar. O estudo do comportamento animal tem sido uma ferramenta útil e vastamente empregada para a avaliação do bem-estar, com um importante aperfeiçoamento metodológico ao longo do tempo. Inicialmente, a avaliação do bem-estar tinha como principal foco quantificar o atendimento de necessidades básicas relacionadas, principalmente, à disponibilidade de recursos e componentes físicos do ambiente (e.g., alimento, água, espaço, conforto térmico, coespecíficos familiares). Com a maior valorização das motivações dos animais para acessar tais elementos essenciais, passou-se a buscar parâmetros que evidenciassem o sofrimento quando do não atendimento de suas necessidades comportamentais. Os estados mentais e emoções se tornam, a partir de então, uma parte fundamental da avaliação do bem-estar animal. Mais recentemente, a relação entre cognição e emoções vem sendo explorada a fim de permitir que estados mentais sejam objetivamente acessados. Vários desafios estão associados ao desenvolvimento de indicadores de bem-estar positivo, já que a qualidade de vida dos animais não é mais caracterizada pela evitação de experiências negativas, mas também pela oportunidade de vivenciar experiências positivas.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

28-08-2018

Como Citar

1.
Ceballos MC, Sant’Anna AC. Evolução da ciência do bem-estar animal: Uma breve revisão sobre aspectos conceituais e metodológicos. Rev. Acad. Ciênc. Anim. [Internet]. 28º de agosto de 2018 [citado 29º de maio de 2022];16:1-24. Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/cienciaanimal/article/view/23740