Relações na Pós Modernidade –a ausência de autoconhecimento e a dificuldade de solucionar conflitos.

Bianca Nossol Grochka

Resumo


 

Uma das grandes características da Pós-Modernidade segundo Zygmunt Bauman é a liquidez com que a vida e as relações sociais e interpessoais acontecem, de modo que nada mais é fixo ou imutável, as percepções e ideais se modificam a todo momento. Tal característica deveria permitir ao homem contemporâneo viver a subjetividade e sua individualidade de modo pleno, sempre à procura daquilo que lhe faça feliz. Contudo, as infinitas possibilidades de ser, agir e sentir, sem uma base bem estruturada e um verdadeiro autoconhecimento, acabam por tornar o indivíduo Pós-Moderno alguém individualista e muitas vezes incapaz de compreender a si mesmo a ao outro. Em que pese a crescente narrativa abordando as questões de autoconhecimento e saúde mental, a realidade contemporânea apresenta indivíduos que buscam a satisfação de seus interesses individuais em detrimento dos anseios alheios. Diante deste cenário, a positiva resolução de conflitos nascidos das relações entre indivíduos, tanto na seara íntima quanto social, torna-se bastante difícil e complexa.


Palavras-chave


Pós-Modernidade, autoconhecimento, individualismo, liquidez, liberdade, conflitos, dificuldade.

Texto completo:

PDF

Referências


AVELINO, Jarbas Gomes Machado e CASTELO BRANCO. O sujeito de Direito na Pós-Modernidade: da unidade à fragmentação. ANPUH BRASIL. 30º Simpósio Nacional de História. Recife, 2019.

BITTAR, Eduardo Carlos Bianca. O direito na Pós-Modernidade. Revista Sequencia, nº 57, p. 131-152, dez. 2008).

BRITO, Leila Maria Torraca de. O sujeito Pós-Moderno e suas Demandas Judiciais. Revista PSICOLOGIA: CIÊNCIA E PROFISSÃO, 2012, 32 (3), 564-575.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade Líquida. (tradução Plínio Dentzien). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, Ed. 2001.

BAUMAN, Zygmunt. O Mal-estar na Pós-Modernidade. (tradução Mauro Gama, Cláudia Martinelli; Revisão técnica Luís Carlos Fridman). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, Ed. 1998.

BAUMAN, Zygmunt. Tempos Líquidos. (tradução Carlos Alberto Medeiros). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, Ed. 2007.

EDLER, Sandra. Tempos Compulsivos: a busca desenfreada pelo prazer. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2017.

FELICIANO, Patrícia de Lourdes Queiroz e PEIXOTO, Tereza Cristina. A Construção da subjetividade na Pós-Modernidade: uma revisão de literatura. PRETEXTOS – Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas, v.4, nº 8, 2019.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 4. Ed., 2002.

GIMENEZ, Charlise P. Colet e PIAIA, Thami Covatti. O tratamento dos novos conflitos da Pós-Modernidade pelo Direito fraterno: crises, migrações e insurgências. Revista Novos Estudos Jurídicos - Eletrônica, vol. 22, nº 1, 2017.

LIPOVETSKY, Gilles. A Era do Vazio: ensaios sobre o individualismo contemporâneo. (tradução Therezinha Monteiro Deutsch). Barueri, São Paulo: Manole, 2005.




DOI: https://doi.org/10.7213/psicolargum39.106.AO10

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Editora Universitária Champagnat