A INFÂNCIA SOB A SOMBRA DO ESTADO-MÃE: Uma análise Junguiana sobre políticas da infância.

Talita Quinsler Veloso, João Lucas Ozores Guimarães

Resumo


O cenário caótico da violência contra crianças e adolescentes, bem como a crescente desigualdade social do Brasil narram o drama vivido no cerne das políticas para a infância, pedindo por atuações ainda mais assertivas e emancipadoras por parte do poder público. Com o objetivo de analisar criticamente a sombra do Estado acerca das políticas públicas para a infância este trabalho fez, através de uma pesquisa bibliográfica e sob a ótica junguiana, uma análise crítica acerca da dinâmica relacional presente nos profissionais executores de políticas para à infância, especialmente na seara da proteção vinculada à Assistência Social. Com isso, foi possível observar que a sombra do Estado constelada em tal relação se refere à da Grande-Mãe-Devoradora, a qual assume uma posição hierárquica, detentora da vitalidade por meio da manutenção da dependência e da posição infantil dos usuários atendidos. Para enfrentar isso se apontou a necessidade da tomada de consciência por parte dos profissionais acerca dessa projeção, para então estabelecer uma relação que viabilize a entrada na Jornada do Herói dos sujeitos atendidos, facilitando, assim como o Mestre, o processo de individuação dos mesmos.


Palavras-chave


Políticas para à Infância, Psicologia Analítica, Grande-Mãe-Devoradora, Sombra do Estado.

Texto completo:

PDF

Referências


Amarilla, S. D. A. (2021). Mães que devoram. Revista IBERC, 4(1), 65-82

Ariès, P. (1981). História social da criança e da família (Vol. 2). Rio de Janeiro: Ltc.

Cardoso, A. M. L., & Ribeiro, M. G. (2018). A jornada do herói e da heroína: uma discussão analógica à luz da mitopsicocrítica. Recista Téssera, 1(1), 58-74.

Del Priore, M. (2013). História das crianças no Brasil. 7. ed. São Paulo: Contexto.

Fordham, M. (2006). Criança Como Indivíduo. São Paulo: Cultrix.

Foucault, M. (1988). História da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal.

Fundação Getúlio Vargas. Nota Técnica (2020). A pandemia de Covid-19 e os profissionais da assistência social no Brasil. Disponível em: http://www.cfess.org.br/arquivos/PesquisaFGV-rel03-social-covid-19-depoimentos-v2.pdf. Acessado em: 17/05/2021.

Gaeta, I. P. (2019). Filhos da mãe-Animus da mãe na vida do filho. Self-Revista do Instituto Junguiano de São Paulo, 4(1). Disponível em . acesso em 16 mar. 2021.

Gonçalves, Giuliane Moreira. (2017). A figura do herói: ritos de iniciação, mito e conto maravilhoso. Claraboia, Jacarezinho/PR, v.7, p. 220-233, jan./jun. Disponível em: http://seer.uenp.edu.br/index.php/claraboia/article/view/957/pdf. Acessado em: 28/05/2021.

Guggenbühl-Craig, A. (2008). O abuso do poder na psicoterapia e na medicina, serviço social, sacerdócio e magistério. São Paulo: Paulus.

Heidegger, M. Ser e tempo. (1986). Petrópolis, RJ: Vozes.

Intituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2019). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD). Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/populacao/17270-pnad-continua.html?edicao=29652&t=downloads. Acessado em: 14/05/2021.

Jung, C. G. (2011a). O eu e o inconsciente. Petrópolis, RJ: Vozes.

Jung, C. G. (2014). Two essays on analytical psychology. Londres: Routledge.

Jung, C. G. (2018a). Os arquétipos e o inconsciente coletivo Vol. 9/1. Petrópolis, RJ: Vozes.

Jung, C. G. (2018b). A Vida simbólica (Vol. 2). Petrópolis, RJ: Vozes.

Ministério de Desenvolvimento Social e Secretaria Nacional de Assistência Social. (2018). Relatório de Pesquisa Nacional das Medidas Socioeducativas em Meio Aberto no Sistema Único de Assistência Social. Disponível em: https://www.mds.gov.br/webarquivos/publicacao/assistencia_social/relatorios/Medidas_Socioeducativas_em_Meio_Aberto.pdf. Acessado em: 07/05/2021.

Ministério Público do Paraná (2020). Estatísticas - Três crianças ou adolescentes são abusadas sexualmente no Brasil a cada hora. Disponível em: http://crianca.mppr.mp.br/2020/03/231/ESTATISTICAS-Tres-criancas-ou-adolescentes-sao-abusadas-sexualmente-no-Brasil-a-cada-hora.html. Acessado em: 14/05/2021.

Ministério Público do Paraná (2019). Socioeducação - Levantamento do CNMP indica que há superlotação em unidades de atendimento socioeducativo no Brasil. Disponível em: https://crianca.mppr.mp.br/2019/09/188/SOCIOEDUCACAO-Levantamento-do-CNMP-indica-que-ha-superlotacao-em-unidades-de-atendimento-socioeducativo-no-Brasil.html#:~:text=No%20Brasil%2C%20h%C3%A1%2018.086%20adolescentes,de%20quase%20duas%20mil%20vagas. Acessado em: 14/05/2021.

Neumann, E. (1999). A criança: estrutura e dinâmica da personalidade em desenvolvimento desde o início de sua formação. São Paulo: Cultrix.

Passetti, E. (1987). O que é menor. São Paulo: Brasiliense.

Pereira, M. B. (2017). O direito ao grito em nunca me sonharam, Pensares em Revista, São Gonçalo – RJ n. 10, p. 112-114.

Rizzini, I. (2008) O século perdido: raízes históricas das políticas públicas para a infância no Brasil. São Paulo: Cortez.

Rizzini, I. (1993). A Assistência à infância no Brasil: uma análise de sua construção. Rio de janeiro: Editora Universitária Santa Úrsula.

Singer, T., & Kimbles, S. L. (Eds.). (2004). The cultural complex: Contemporary Jungian perspectives on psyche and society. Routledge.

Souza, A. S; Vitor, J. S. F; Veloso, T, Q. (2021). Atuação Interdisciplinar em direitos humanos, saúde mental e redução de danos com público infantojuvenil: um relato de experiência. In Alvarenga, R; Silveira, J. Conexão jovem: novas abordagens e metodologias no trabalho socioeducativo com crianças e adolescentes (ogrs). Curitiba: Pucpress.

Torres, R. F. (2018). O curador-ferido e a individuação. Revista da Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/jung/v36n1/08.pdf. Acessado em: 17/05/2021.

Veloso, T.Q., de Lima, C.B. & de Carvalho, M. C. N. (2018). A justiça restaurativa como possibilidade de garantia e defesa dos direitos humanos do(a) adolescente em conflito com a lei. 111 p. Dissertação (Mestrado) - Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba. Disponível em: https://archivum.grupomarista.org.br/pergamumweb/vinculos//00007c/00007cd9.pdf. Acesso em: 19 set. 2019.

Waiblinger, A. (2020). A grande mãe e a criança divina. São Paulo: Cultrix.

Yin, R. K. (2016). Pesquisa qualitativa do início ao fim. Porto Alegre, RGS: Penso Editora.




DOI: https://doi.org/10.7213/psicolargum39.106.AO05

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Editora Universitária Champagnat