A Parentalidade em Foco com Grupos de Pais: o relato de uma experiência

Mariana de Oliveira Bortolatto, Victória Niebuhr Loos, Josiane da Silva Delvan

Resumo


Este trabalho refere-se às intervenções realizadas no estágio específico em
Psicologia com grupo de pais no programa denominado EducaPais. O programa
teve como objetivo o desenvolvimento de habilidades parentais. Fruto de um relato de experiência, o presente trabalho teve como enfoque teórico a Psicologia Positiva, práticas e estilos parentais, habilidades sociais e a teoria Bioecológica do desenvolvimento humano. O programa compreende nove encontros semanais com duração de uma hora e meia cada, sendo pautados nas contribuições e saberes da Psicologia sobre as práticas e estilos parentais. Participaram dos grupos pais ou cuidadores de crianças de zero a oito anos de idade, residentes em uma cidade do litoral norte catarinense. Os encontros abordaram temas como desenvolvimento infantil, raiva, valorização dos comportamentos adequados das crianças, comportamentos inadequados e suas consequências, disciplina, importância da rotina, estabelecimento de limites, estilos parentais e habilidades sociais. Os temas trabalhados relacionados a parentalidade e ao relacionamento entre pais/cuidadores e filhos foram discutidos a partir das diferentes formas de configuração familiar existentes no grupo. Os resultados encontrados indicam que programas neste formato contribuem para que os participantes conheçam os modelos parentais eficazes e positivos, bem como aprimorem as competências e práticas parentais. Isto possibilita a criação de ambientes seguros e saudáveis, nos quais os pais percebam a necessidade do envolvimento ativo na criação dos filhos. O trabalho com grupos enquanto espaço de compartilhamento, possibilitou a troca de experiência entre os participantes para a compreensão das similaridades de suas vivências e a elaboração de planos para modificar sua realidade. Também contribuiu para a ressignificação e problematização de práticas educativas vigentes e para a mudança de conduta diante dos comportamentos dos filhos. Entre os desafios encontrados, destaca-se a dificuldade de adesão ao programa por parte dos participantes aos grupos.


Palavras-chave


Grupo de pais; família; parentalidade; práticas educativas

Texto completo:

PDF

Referências


Alvarenga, P., & Piccinini, C. A. (2009). Práticas educativas maternas e indicadores do desenvolvimento social no terceiro ano de vida. Psicologia: Reflexão e Crítica, 22(2). Recuperado de http://www.redalyc.org/html/188/18815252002/

Andrade, S. A., Santos, D. N., Bastos, A. C., Pedromônico, M. R. M., Almeida-Filho, N. de, & Barreto, M. L. (2005). Ambiente familiar e desenvolvimento cognitivo infantil: uma abordagem epidemiológica. Revista de Saúde Pública, 39(4), 606–611. https://doi.org/10.1590/S0034-89102005000400014

Araújo, L. F. de. (2013). A psicologia positiva como fomentadora do bem-estar e da felicidade. SciELO Brasil. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-73722013000400017&script=sci_arttext

Benchaya, M. C., Bisch, N. K., Moreira, T. C., & Barros, H. M. T. (2011). Non-authoritative parents and impact on drug use: the perception of adolescent children. Jornal de Pediatria, 0(0). https://doi.org/10.2223/JPED.2089

Bolsoni-Silva, A. T., & Marturano, E. M. (2002). Práticas educativas e problemas de comportamento: uma análise à luz das habilidades sociais. Estudos de Psicologia (Natal), 227–235.

Borges, I. C. N. (2010). Qualidade da parentalidade e bem-estar da criança. In Qualidade da parentalidade e bem-estar da criança. Recuperado de https://estudogeral.sib.uc.pt/handle/10316/15564

Borsa, J. C., & Nunes, M. L. T. (2011). Aspectos psicossociais da parentalidade: o papel de homens e mulheres na família nuclear. Psicologia Argumento, 29(64), 31–39.

BOSSARDI, C. N, & VIEIRA, M. L. (2015). Ser mãe e ser pai: integração de fatores biológicos e culturais. In Novo pai: percursos, desafios e possibilidades (1o ed). Curitiba: Juruá.

Brito, L. M. T. de, Cardoso, A. R., & Oliveira, J. D. G. de. (2010). Debates entre pais e mães divorciados: um trabalho com grupos. Psicologia: Ciência e Profissão, 30(4), 810–823. https://doi.org/10.1590/S1414-98932010000400011

Bronfenbrenner, U. ([s.d.]). Bioecologia do Desenvolvimento Humano: Tornando os Seres Humanos mais Humanos. Artmed Editora.

Carvalho, M. S. D. P. de, & Silva, B. M. B. (2014). ESTILOS PARENTAIS: UM ESTUDO DE REVISÃO BIBLIOGRÁFICA. Revista Psicologia em Foco, 6(8), 22–42.

Cecconello, A. M., & Koller, S. H. (2003). Inserção ecológica na comunidade : uma proposta metodológica para o estudo de famílias em situação de risco. Recuperado de http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/25676

Cia, F., de Oliveira Pamplin, R. C., & Pereira Del Prette, Z. A. (2006). Comunicação e participação pais-filhos: Correlação com habilidades sociais e problemas de comportamento dos filhos. Paidéia, 16(35). Recuperado de http://www.redalyc.org/html/3054/305423756010/

Collodel-Benetti, I., Vieira, M. L., Crepaldi, M. A., & Ribeiro-Schneider, D. (2013). Fundamentos de la teoría bioecológica de Urie Bronfenbrenner. Pensando Psicología, 9(16), 89–99.

Coutinho, M. T. B. (2012). Apoio à família e formação parental. Análise psicológica, 22(1), 55–64.

De, C. G. ([s.d.]). Práticas educativas como forma de predição de problemas de comportamento e competência social Educational practices as behavior and social competence problems predicting issues. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/estpsi/v22n2/v22n2a08

DEL PRETTE, A., & DEL PRETTE, Z.A.P. (2009). Psicologia das habilidades sociais na infância: teoria e prática (4o ed). Petrópolis: Vozes.

Dobrianskyj Weber, L. N., Selig, G. A., Galvão Bernardi, M., & Viezzer Salvador, A. P. (2006). Continuidade dos estilos parentais através das gerações-transmissão intergeracional de estilos parentais. Paidéia, 16(35). Recuperado de http://www.redalyc.org/html/3054/305423756011/

Donoso, M. T. V., & Ricas, J. (2009). Perspectiva dos pais sobre educação e castigo físico. Revista de Saúde Pública, 43(1), 78–84.

dos Santos Paludo, S., & Koller, S. H. (2007). Psicologia Positiva: uma nova abordagem para antigas questões. Paidéia, 17(36). Recuperado de http://www.redalyc.org/html/3054/305423757002/

EMOÇÕES, INTELIGÊNCIA EMOCIONAL E PARENTALIDADE - PDF. ([s.d.]). Recuperado de http://docplayer.com.br/43237094-Emocoes-inteligencia-emocional-e-parentalidade.html

Gomide, P. I. C. (2009). The influence of profession on maternal parenting styles according to children’s perception. Estudos de Psicologia (Campinas), 26(1), 25–34.

Freire, P. (2014). Educação e mudança (1.ed). Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra.

Gomide, P. I. C., Salvo, C. G. de, Pinheiro, D. P. N., & Sabbag, G. M. (2005). Correlação entre práticas educativas, depressão, estresse e habilidades sociais. Psico-USF, 10(2), 169–178. https://doi.org/10.1590/S1413-82712005000200008

Hjelte, J., Sjöberg, M., Westerberg, K., & Hyvönen, U. (2015). From Thought to Action: Young Parents’ Reasons for Participation in Parenting Support Groups at Child Welfare Centers. Social Work in Public Health, 30(6), 516–533. https://doi.org/10.1080/19371918.2015.1073646

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2010). censo demográfico 2010 (1o ed). Rio de Janeiro. Recuperado de http://censo2010.ibge.gov.br/apps/atlas/

Levandowski, G., Puntel, C., Hettwer, Á., Santos, A. M. dos, Bohn, M., Souza, G., … Mello, A. B. G. (2016). OFICINA LÚDICA E GRUPO DE PAIS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA. Revista Prâksis, 1(0), 47–56. https://doi.org/10.25112/rp.v1i0.433

Macarini, S. M., Martins, G. D. F., Minetto, M. de F. J., & Vieira, M. L. (2010). Práticas parentais: uma revisão da literatura brasileira. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 62(1), 119–134.

Maia, J. M. D., & Williams, L. C. de A. (2005). Fatores de risco e fatores de proteção ao desenvolvimento infantil: uma revisão da área. Temas em Psicologia, 13(2), 91–103.

Matos Barreto Mota, K. A., & Bouttelet Munari, D. (2006). UM OLHAR PARA A DINÂMICA DO COORDENADOR DE GRUPOS. Revista Eletrônica de Enfermagem, 8(1). https://doi.org/10.5216/ree.v8i1.931

Monteiro, E. M. L. M., & Vieira, N. F. C. (2010). Educação em saúde a partir de círculos de cultura. Revista Brasileira de Enfermagem, 63(3), 397–403. https://doi.org/10.1590/S0034-71672010000300008

Murta, S. G., Rodrigues, A. C., Rosa, I. de O., & Paulo, S. G. de. (2012). Avaliação de um programa psicoeducativo de transição para a parentalidade. Paidéia (Ribeirão Preto), 22(53), 403–412. https://doi.org/10.1590/S0103-863X2012000300012

Nogueira, S. C. [UNESP, & Rodrigues, O. M. P. R. (2013). Práticas parentais e indicadores de ansiedade, depressão e estresse maternos. Aleph, 118 f.

Nunes da Fonsêca, P., Oliveira de Andrade, P., Fonsêca dos Santos, J. L., Monteiro Cunha, J. E., & de Assis Albuquerque, J. H. (2014). Hábitos de estudo e estilos parentais: estudo correlacional. Psicologia Escolar e Educacional, 18(2). Recuperado de http://www.redalyc.org/html/2823/282332471017/

Pasquali, L., Gouveia, V. V., Santos, W. S. dos, Fonsêca, P. N. da, Andrade, J. M. de, & Lima, T. J. S. de. (2012). Questionário de percepção dos pais: evidências de uma medida de estilos parentais. Paidéia (Ribeirão Preto), 22(52), 155–164. https://doi.org/10.1590/S0103-863X2012000200002

Patias, N. D., Siqueira, A. C., & Dias, A. C. G. (2013). Práticas Educativas e Intervenção com Pais: A Educação como Proteção ao Desenvolvimento dos Filhos. Mudanças - Psicologia da Saúde, 21(1), 29–40. https://doi.org/10.15603/2176-1019/mud.v21n1p29-40

Paula Inês Gomide. (2004). Pais presentes, pais ausentes: regras e limites (1o ed). Petrópolis: Vozes.

Pedro, M. E. A., Altafim, E. R. P., & Linhares, M. B. M. (2017). ACT Raising Safe Kids Program to promote positive maternal parenting practices in different socioeconomic contexts. Psychosocial Intervention, 26(2), 63–72. https://doi.org/10.1016/j.psi.2016.10.003

Pimentel, J. S., & Dias, S. (2012). Importância do fortalecimento das redes informais de apoio: Projecto Oficinas de Pais. In Proceedings do XIX Congresso INFAD-Psicología En Un Mundo En Cambio: Propuestas De Intervención, Lisboa. Recuperado de http://infad.eu/RevistaINFAD/2012/n1/volumen4/INFAD_010424_355-363.pdf

Pinheiro, M. I. S., Haase, V. G., Del Prette, A., Amarante, C. L. D., & Del Prette, Z. A. P. (2006). Treinamento de habilidades sociais educativas para pais de crianças com problemas de comportamento. Psicologia: reflexão e crítica, 19(3), 407–414.

PLUCIENNIK, G. A, C., L., M., & CHICARO, F. M. (2015). Fundamentos da Família como Promotora do Desenvolvimento Infantil - Parentalidade em Foco (1o ed). São Paulo: Fundação Maria Cecília Souto Vidigal. Recuperado de http://www.fmcsv.org.br/pt-br/acervo-digital/Paginas/fundamentos-da-familia-como-promotora-do-desenvolvimento-infantil-parentalidade-em-foco.aspx

Portwood, S. G., Lambert, R. G., Abrams, L. P., & Nelson, E. B. (2011). An Evaluation of the Adults and Children Together (ACT) Against Violence Parents Raising Safe Kids Program. The Journal of Primary Prevention, 32(3–4), 147–160. https://doi.org/10.1007/s10935-011-0249-5

Porzig-Drummond, R., Stevenson, R. J., & Stevenson, C. (2014). The 1-2-3 Magic parenting program and its effect on child problem behaviors and dysfunctional parenting: A randomized controlled trial. Behaviour Research and Therapy, 58, 52–64. https://doi.org/10.1016/j.brat.2014.05.004

Prati, L. E., & Koller, S. H. (2011). Relacionamento conjugal e transição para a coparentalidade: perspectiva da psicologia positiva. Psicologia Clínica, 23(1), 103–118. https://doi.org/10.1590/S0103-56652011000100007

Rameh, L. (2005). Método Paulo Freire: Uma contribuição para a história da educação brasileira. V Colóquio Internacional Paulo Freire-Recife, 19. Recuperado de http://www.musicaeeducacao.ufc.br/Para%20o%20site/Revistas%20e%20peri%C3%B3dicos/Educa%C3%A7%C3%A3o/Paulo%20Freire.pdf

Rinhel-Silva, C. M., Constantino, E. P., & Rondini, C. A. (2012). Família, adolescência e estilos parentais. Estudos de Psicologia (Campinas), 221–230.

Ritter, C. B., Aires, M., Rotoli, A., & Santos, J. L. G. dos. (2015). Grupo como tecnologia assistencial para o trabalho em enfermagem na saúde coletiva. Saúde & Transformação Social / Health & Social Change, 5(3), 83–90.

Santos, E. L. N. dos, & Leite, F. L. (2013). A distinção entre reforçamentos positivo e negativo em livros de ensino de análise do comportamento. Perspectivas em análise do comportamento, 4(1), 10–19.

Silva, L. M., Aragão, A. de S., Julião, C. H., Terassi, G., Mata, J. J. da, Chagas, L. M. de O., … Silva, L. C. C. de M. (2015). Oficinas de Parentalidade. ParticipAção, 0(27), 18–26.

Silveira, F. F. (2011). Interventions with parents: the modification of parental practices and the inclusion of contextual variables. Estudos de Psicologia (Natal), 16(3), 279–284.

Simões, S., Farate, C., & Pocinho, M. (2011). Estilos Educativos Parentais e Comportamentos de Vinculação das Crianças em Idade Escolar. Interações: Sociedade e as novas modernidades, 11(20). Recuperado de http://www.interacoes-ismt.com/index.php/revista/article/view/275

Stewart-Brown, S. (2004). Impact of a general practice based group parenting programme: quantitative and qualitative results from a controlled trial at 12 months. Archives of Disease in Childhood, 89(6), 519–525. https://doi.org/10.1136/adc.2003.028365

Turini Bolsoni-Silva, A., & Marturano, E. M. (2008). Habilidades sociais educativas parentais e problemas de comportamento: Comparando pais e mães de pré-escolares. Aletheia, (27). Recuperado de http://www.redalyc.org/html/1150/115012525010/

WEBER, L. N. D. ([s.d.]). EDUQUE COM CARINHO - PARA PAIS: EQUILIBRIO ENTRE AMOR E LIMITES. JURUA EDITORA.

Weber, L. N. D., Prado, P. M., Viezzer, A. P., & Brandenburg, O. J. (2004). Identificação de estilos parentais: o ponto de vista dos pais e dos filhos. Psicologia: reflexão e crítica, 17(3), 323–331.




DOI: https://doi.org/10.7213/psicol.argum.35.89.AO02

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Editora Universitária Champagnat