A forma-de-vida no monacato primitivo: Interlocuções com Giorgio Agamben

Castor Mari Martín Bartolomé Ruiz, José Mozart Tanajura Júnior

Resumo


O artigo apresenta uma reflexão sobre a forma-de-vida do primeiro monasticismo cristão no contexto problematizador entre regra e vida, regula vitae. A partir das pesquisas desenvolvidas por Giorgio Agamben sobre esta temática, analisa-se de que modo a tensão entre regra-e-vida dos primeiros monacatos cristãos privilegiava a vida como referente constitutivo da regra, e não ao contrário. O artigo analisa como a vida monástica cria sua regra e faz da regra uma forma-de-vida, de tal modo que viver a regra excede qualquer obrigação jurídica, desativando, assim, a força da lei através da vida que vive a regra além das meras obrigações prescritivas da lei. Para atingir a vivência da forma-de-vida do monacato, era necessário internalizar determinados exercícios (askeses). Entre os vários exercícios-askeses, a forma-de-vida monacal desenvolveu o que denominou horologium vitae, através do qual se propunha ao monge vivenciar uma experiência densa e qualificada do tempo com uma atenção sobre o instante que se vive. Este é o denominado tempo kairos que se contrapõe ao mero acontecer cronológico, em que os acontecimentos passam como rotina superficial e vazia. O tempo cronos é um tempo linear e vazio de experiência, enquanto a forma-de-vida monástica se propunha atingir a experiência do kairos de cada instante vivido. Por fim, o artigo correlaciona a problemática da forma-de-vida do monacato cristão primitivo com o contexto das atuais sociedades de controle em que a vida é capturada massivamente por meio de uma infinidade de dispositivos que governamentalizam os comportamentos dos sujeitos. Os modos de resistência aos atuais dispositivos biopolíticos de controle da vida exigem a capacitação de criar formas-de-vida em que o viver não seja separado da forma.


Palavras-chave


monasticismo - regra – Agamben – forma-de-vida – horologium

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, G. Meios sem fim: Notas sobre a política. São Paulo: Boitempo, 2015.

AGAMBEN, G. Altíssima pobreza. São Paulo: Boitempo, 2014.

AGAMBEM, G. Opus Dei. Genealogia do ofício. São Paulo: Boitempo, 2013.

DECAROLI, S. What Is a Form-of-Life? Giogio Agamben and the Practice of Poverty. In. McLOUGHLIN, D. Agamben and Radical Politics. Edingburgh: Edinburgh University Press, 2017. p. 207-233.

DICKINSON, C. Theological Poverty in continental Philosophy. New York: Bloomsbury Academic, 2021.

FOUCAULT, M. Hermenêutica do Sujeito. São Paulo: Martin Fontes, 2006.

GRÜN, A. No ritmo dos monges. 2. ed. São Paulo: Paulinas, 2007.

GRÜN, A. O céu começa em você: A sabedoria dos padres do deserto para hoje. 22. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

LACARRIÈRE, J. Padres do deserto: Homens embriagados de Deus. São Paulo: Loyola, 1996.

NASCIMENTO, D. Regra, vida, forma de vida: Investida de Giorgio Agamben. Princípios, v. 19, n. 32, p. 205-227, 2012.

PAPA, H A. Relações de poder entre bispo e imperador: uma proposta interpretativa acerca da oficialização do cristianismo a partir de Gregório de Nissa e Teodósio I (século IV). História (São Paulo), Franca, v. 35, e93, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-90742016000100311&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 25 abr. 2021.

POHLMANN, J. F. Uma identidade cristã-nicena: Graciano e Valentiniano II sob a pena de Ambrósio, bispo de Milão (374-392 d.C.). 2016. Tese (Doutorado em História) —Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2016. Disponível em: https://www.prppg.ufpr.br/siga/visitante/trabalhoConclusaoWS?idpessoal=12350&idprograma=40001016009P0&anobase=2016&idtc=8. Acesso em: 25 abr. 2021.

SAIDEL, M. Form(s)-of-Life. Agamben´s Reading of Wittgenstein and The Potential Uses of a Notion. Trans/For/Ação, Marília, v. 37, n. 1, p. 163-186, jan./abr. 2014.




DOI: https://doi.org/10.7213/2175-1838.13.002.AO05

Apontamentos

  • Não há apontamentos.