Pessoa, um mistério não decifrado e em permanente desvelar: crítica aos dualismos cartesiano e estrutural tangenciando a ética e a pastoral cristã

Autores

  • Gerson Joni Fischer

DOI:

https://doi.org/10.7213/2175-1838.10.002.AO01

Palavras-chave:

Ética. Dualismo cartesiano. Dualismo estrutural. Pessoa. Pastoral cristã

Resumo

Há um Eu que controla a sua própria casa, o corpo? É possível, com base nos conhecimentos acerca do cérebro, assumir o ser humano como uma máquina biomolecular que funciona de modo determinado? Há um consenso de que é por meio do cérebro que ocorrem os processos mentais e não na alma, como no dualismo clássico. Pode-se, entretanto, reduzir ao pequeno órgão cinzento a explicação pela emergência da vida consciente? Reduzir o entendimento do evento contribui para a defesa do valor do humano, para uma compreensão deste como responsável por suas decisões e atos? A pessoa é um mistério não decifrado. Critica-se o conceito de pessoa que imperou na modernidade, mas também o uso totalizante do princípio de causa e efeito. A presente abordagem recebe o humano como uno e dual. O cérebro e a mente surgem como fatos distintos, porém, indivisíveis. Pessoas não possuem, são almas viventes. O atual estágio dos debates sugere que o dualismo cartesiano e o monismo reducionista não se apresentam como alternativas. É a pessoa toda quem percebe, pensa, recorda, emociona-se, motiva-se, é atenta e produz impulsos. A vida diária revela que se é tudo isto que se apresenta de modo inseparável. O diálogo proposto é posto a serviço das refinadas descobertas acerca da anatomia e da fisiologia do cérebro e do uso ético destas, bem como da afirmação do ser humano, que as transcende. Sob o ponto de vista da tradição bíblica, o testemunho de Deus jamais é dualista, fazendo-se perceptível sempre de modo encarnado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gerson Joni Fischer

Doutor em Teologia pela Escola Superior de Teologia (EST), professor das Faculdades Batista do Paraná (FABAPAR), Curitiba, PR, e-mail: [email protected]

Referências

BECKER, P. In der Bewusstseinsfalle?: Geist und Gehirn in der Diskussion von Theologie, Philosofie und Naturwissenschaft. Göttingen: Vandenhoeck & Ruprecht, 2009.

BECKERMANN, A. Gehirn, Ich, Freiheit. Neurowissenschaften und Menschenbild. Paderborn: Mentis, 2008.

BENNETT, M. et al. Neurowissenschaft und Philosophie. Gehirn, Geist und Sprache. Berlin: Suhrkamp, 2010.

BÍBLIA SAGRADA: nova versão internacional [NVI]. São Paulo: Vida, 2000.

CASPARY, R. Alles Neuro? Was die Hirnforschung verspricht und nicht halten kann. Freiburg: Herder, 2010.

DROSSEL, B. Und Augustinus traute dem Verstand. Warum Naturwissenschaft und Glaube keine Gegensätze sind. Brunnen Verlag: Giessen, 2013.

ECCLES, J. C. Wie das Selbst sein Gehirn steuert. 2. ed. München: Piper, 1997.

ESPINOSA, N. A. Presentación. In: HERNÁNDEZ, C. J. La reflexión filosófica-teológica y el ejercicio clínico como actividades complementarias em la práctica psiquiátrica: una interpretación del “pensamiento para la psiquiatría” del Profesor Doctor Juan Ramón Sepich-Lange: 1905-1978. Posadas: EDUNaM, 2008. p. 17-21.

FISCHER, G. J.; FACION, J. R. Uma nova imagem de pessoa? Neurociências e filosofia: possibilidades e limites. Revista Estudos Teológicos, São Leopoldo, v. 51, n. 2, p. 288-303, 2011.

FISCHER, G. J. A pessoa: fenômeno causal ou espontâneo? Exame crítico das objeções de Ansgar Beckermann à existência da alma. Revista Pistis & Praxis, v. 5, n. 1, p. 59-90, jan./jun., 2013a. Disponível em: <https://periodicos.pucpr.br/index.php/pistispraxis/article/view/8672/8351>. Acesso em: 30/05/2016.

FISCHER, G. J. Sugestões para um cuidado pastoral de caráter unidual. Reflexões teológicas e antropoéticas. Revista Via Teológica, v. 14, n. 28, p. 75-104, dez., 2013b.

GEYER, C. Vorwort. In: GEYER, C. Hirnforschung und Willensfreiheit. Zur Deutung der neuesten Experimente. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 2004. p. 9-19.

JANICH, P. Kein neues Menschenbild. Zur Sprache der Hirnforschung. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 2009.

LANGENSCHEIDT [Ed.]. Taschenwörterbuch Portugiesisch. Portugiesisch-Deutsch. Deutsch-Portugiesisch. Berlin und München: Langenscheidt Verlag, 2001.

LIBET, B. Haben wir einen freien Willen? In: GEYER, C. (Ed.). Hirnforschung und Willensfreiheit. Zur Deutung der neuesten Experimente. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 2004. p. 268-289.

MORA, F. Continuum: como funciona o cérebro? Porto Alegre: Artmed, 2004.

MÜLLER, K. W. A consciência na cultura e na religião: vergonha e culpa como fenômeno empírico do superego/eu ideal: manual de elênctica. Curitiba: Esperança, 2013.

NAGEL, T. Geist und Kosmus. Warum die materialistische neodarwinistische Konzeption der Natur so gut wie sicher falsch ist. Suhrkamp Verlag: Berlin, 2013.

PAUEN, M.; ROTH, G. Freiheit, Schuld und Verantwortung. Grundzüge einer naturalistischen Theorie der Willensfreiheit. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 2008.

SEARLE, J. R. A redescoberta da mente. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

SINGER, W. Ein neues Menschenbild? Gespräche über Hirnforschung. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 2003.

TRETTER, F.; GRÜNHUT, C. Ist das Gehirn der Geist? Grundfragen der Neurophilosophie. Göttingen – Bern – Wien – Paris – Oxford – Prag – Toronto – Cambridge, MA – Amsterdam – Kopenhagen – Stockholm: Hogrefe, 2010.

VOGELSANG, F.; HOPPE, C. Ohne Hirn ist alles nichts. Impulse für eine neuroethik. Neukirchen-Vluyn: Neukirchener, 2008.

Downloads

Publicado

2018-08-17

Como Citar

Fischer, G. J. (2018). Pessoa, um mistério não decifrado e em permanente desvelar: crítica aos dualismos cartesiano e estrutural tangenciando a ética e a pastoral cristã. Revista Pistis Praxis, 10(2). https://doi.org/10.7213/2175-1838.10.002.AO01

Edição

Seção

Artigos