Formação, contexto, instrumentos e prática profissional de psicólogos em avaliação psicológica

João Lucas Dias-Viana, Thicianne Malheiros da Costa

Resumo


O objetivo desta pesquisa foi de investigar aspectos relacionados à formação específica em avaliação psicológica, contexto de atuação, principais instrumentos utilizados e realização das etapas do processo avaliativo. Participaram deste estudo 41 psicólogos, 87,80% do sexo feminino, com idades entre 22 e 59 anos (M=30,55; DP=7,69), que atuam profissionalmente no Estado do Ceará. Os resultados apontaram que 70,73% dos profissionais não realizam possuem formação específica em avaliação psicológica. Os contextos de maior atuação profissional foram Psicologia Clínica (29,27%), Saúde/Hospitalar (24,38%). Os recursos mais utilizados na realização de avaliação foram: entrevistas (51,22%), teste House-Tree-Person (34,15%) e Teste Palográfico (31,71%). Constatou-se que ainda existem profissionais que compreendem a avalição psicológica como aplicação restrita de testes e que a maioria não realiza todas as etapas do processe avaliativo. Desse modo, esta pesquisa evidencia problemáticas quanto à formação inadequada e falhas metodológicas no exercício profissional.

 


Palavras-chave


atuação do psicólogo; avaliação; formação profissional, testes psicológicos.

Texto completo:

PDF

Referências


Alves, I. B., & Esteves, C (2009). O teste palográfico na avaliação da personalidade. São Paulo, SP: Vetor.

Ambiel, R. A. M., Zuanazzi, A. C., Sette, C. P., Costa, A. R. L., & Cunha, F. A. (2019). Análise de ementas de disciplinas de avaliação psicológica: Novos tempos, velhas questões. Avaliação Psicológica, 18(1), 21-30. doi: 10.15689/ap.2019.1801.15229.03

Andrade, J. M., & Valentini, F. (2018). Diretrizes para a construção de testes psicológicos: A Resolução CFP n° 009/2018 em destaque. Psicologia: Ciência e Profissão, 38(spe), 28-39. doi: 10.1590/1982-3703000208890

Brasil. (1962). Lei No 4.119, de 27 de Agosto de 1962. Brasília. Recuperado de https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1960-1969/lei-4119-27-agosto-1962-353841-publicacaooriginal-1-pl.html

Buck, J. N. (2003). HTP - Casa-árvore-pessoa, técnica projetiva de desenho: Manual e guia de interpretação. São Paulo, SP: Vetor.

Conselho Federal de Psicologia - CFP. (2005). Código de Ética Profissional do Psicólogo. Brasília, DF: Autor

Conselho Federal de Psicologia – CFP (2009). Resolução CFP nº 001/2009. Dispõe sobre a obrigatoriedade do registro documental decorrente da prestação de serviços psicológicos. Recuperado de https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2009/04/resolucao2009_01.pdf

Conselho Federal de Psicologia – CFP (2018). Resolução CFP nº 009/2018. Estabelece diretrizes para a realização de avaliação psicológica no exercício profissional da psicóloga e do psicólogo, regulamenta o Sistema de Avaliação de Testes Psicológicos - SATEPSI e revoga as resoluções n° 002/2003, nº 006/2004 e n° 005/2012 e Notas Técnicas n° 01/2017 e 02/2017. Recuperado de http://satepsi.cfp.org.br/docs/Resolu%C3%A7%C3%A3o-CFP-n%C2%BA-09-2018-com-anexo.pdf

Dias-Viana, J. L (no prelo). Psicología para América Latina.

Flores, C. A. (2014). Avaliação psicológica para cirurgia bariátrica: Práticas atuais. Arquivos Brasileiros de Cirurgia Digestiva, 27(1), 59-62. doi: 10.1590/s0102-6720201400s100015

Freitas, F. A., & Noronha, A. P. P. (2005). Clínica-escola: Levantamento de instrumento utilizados no processo psicodiagnóstico. Psicologia Escolar e Educacional, 9(1), 87-93. doi: 10.1590/S1413-85572005000100008

Frizzo, N. P. (2004). Infrações éticas, formação e exercício profissional em psicologia (Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina). Recuperado de https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/87647

Gouveia, V. V. (2018). Formação em avaliação psicológica: Situação, desafios e diretrizes. Psicologia: Ciência e Profissão, 38(spe), 74-86. doi: 10.1590/1982-3703000208641

Justino, Y., Barbosa, A. P. S., & Pimentel, F. (2017). Psychological assessment submission to bariatric surgery under a table of behavioral approach. Psicologia, Saúde & Doenças, 18(2), 335-347. https://dx.doi.org/10.15309/17psd180205

Mendes, L. S., Nakano, T. C., Silva, I. B., & Sampaio, M. H. L. (2013). Conceitos de avaliação psicológica: Conhecimento de estudantes e profissionais. Psicologia: Ciência e Profissão, 33(2), 428-445. doi: 10.1590/S1414-98932013000200013

Miguel, F. K (2017). Padronização e interpretação dos resultados. In M. R. C. Lins & J. C. Borsa (Eds.), Avaliação Psicológica: Aspectos teóricos e práticos (pp. 126-136). Rio de Janeiro: Vozes.

Ministério da Educação, Conselho Nacional de Educação, Câmara de Educação Superior. (2011, 16 mar.). Resolução nº 5, de 15 de março de 2011. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. Diário Oficial da União, Seção 1, p. 19. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=7692rces005-11-pdf&category_slug=marco-2011pdf&Itemid=30192

Noronha, A. P. P. (2002). Os problemas mais graves e mais frequentes no uso dos testes psicológicos. Psicologia: Reflexão e Crítica, 15(1), 135-142. doi: 10.1590/S0102-79722002000100015

Noronha, A. P. P., & Reppold, C. T. (2010). Considerações sobre a avaliação psicológica no Brasil. Psicologia Ciência e Profissão, 30 (n. esp),192-201. doi:10.1590/S141498932010000500009

Padilha, S., Noronha, A. P. P., & Fagan, C. Z. (2007). Instrumentos de avaliação psicológica: Uso e parecer de psicólogos. Avaliação Psicológica, 6(1), 69-76.

Palla, A. C. F., Alencar, A. K. S., Almeida, H. B., Rocha, M. S., & Orsini, M. R. C. A. (2013). Uma proposta de psicodiagnóstico no contexto de cirurgia bariátrica. Encontro Revista de Psicologia, 16(24), 83-94. Recuperado de https://revista.pgsskroton.com/index.php/renc/article/view/2457

Reppold, C. S., & Gurgel, L. G. (2015). O papel do teste na avaliação psicológica. In C. S. Hutz, D. S. Bandeira & C. M. Trentini (Eds.), Psicometria (pp. 147-164). Porto Alegre, RS: Artmed.

Reppold, C. T., Serafini, A. J., Ramires, D. A., & Gurgel, L. G. (2017). Análise dos manuais psicológicos aprovados pelo SATEPSI para avaliação de crianças e adolescentes no Brasil. Avaliação. Psicológica, 16 (1), 19-28. doi: 10.15689/ap.2017.1601.03

Reppold, C. T., Zanini, D. S., Noronha, A. P. P. (2019). O que é Avaliação Psicológica? In M. N. Baptista M. N. Baptista, M. Muniz, C. T. Reppold, C. H. S. S. Nunes, L. F. Carvalho, R. Primi, A. P. P. Noronha, A. G. Seabra, S. M. Wechsler, C. S. Hutz, & L. Pasquali. (Eds), Compêndio de avaliação psicológica (pp. 15-28). Rio de Janeiro: Vozes.

Rueda, F. J. M., & Zanini, D. S. (2018). O que muda com a Resolução CFP n° 09/2018? Psicologia: Ciência e Profissão, 38(spe), 16-27. doi: 10.1590/1982-3703000208893

Siqueira, I. L. M., & Oliveira, M. A. C. (2011). O processo de avaliação psicológica. In Conselho Federal de Psicologia, Ano da Avaliação Psicológica: Textos geradores (pp. 43-48). Brasília, DF: Conselho Federal de Psicologia.

Zaia, P., Oliveira, K. da S., & Nakano, T. C. (2018). Análise dos processos éticos publicados no jornal do Conselho Federal de Psicologia. Psicologia: Ciência e Profissão, 38(1), 8-21. doi: 10.1590/1982-3703003532016

Zacharias, J. J. M. (2003). Questionário de Avaliação Tipológica. São Paulo, SP: Vetor.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/psicolargum39.105.AO03

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Editora Universitária Champagnat