Bioética: interpelação à Igreja como comunidade de discernimento

Élio Estanislau Gasda

Resumo


O texto propõe uma reflexão da Bioética sob o enfoque da espiritualidade. Depois de apresentar um breve registro antropológico, constata-se o acirramento do debate provocado pelo rápido desenvolvimento das ciências biotecnológicas. Setores da Igreja sentem-se diretamente envolvidos. Os teólogos não só participaram no surgimento da Bioética, como a mesma atingiu os alicerces da ética teológica. Diante do fenômeno da privatização do corpo e do fato eclesiológico do Concilio Vaticano II, é visível o fosso entre a reflexão teológica e o ensino do Magistério. Para uma bioética de inspiração cristã, a espiritualidade não deveria ser um acessório. Ela permite resgatar o sensus fidelium que faz da Igreja uma comunidade de discernimento.


Palavras-chave


Bioética; Espiritualidade; Discernimento; Sensus fidelium.

Texto completo:

PDF

Referências


ARDUSSO, F. El magisterio eclesial. El servicio de la palabra. San Pablo: Madrid, 1998.

COMISSÃO TEOLÓGICA INTERNACIONAL. Teses sobre o relacionamento entre o Magistério Eclesiástico e a Teologia. 1975.

CONCÍLIO VATICANO II. Constituição dogmática Lumen Gentium sobre a igreja. Acta Apostolicae Sedis 57, p. 5-64, 1965.

CONCÍLIO VATICANO II. A Igreja no mundo de hoje: Constituição Pastoral Gaudium et Spes. Acta Apostolicae Sedis 58, p. 1025-1115, 1966.

CONCÍLIO VATICANO II. Decreto Optatam Totius sobre a formação sacerdotal. Acta Apostolicae Sedis 58, p. 713-728, 1966.

CONCÍLIO VATICANO II. Declaração Dignitatis humanae sobre a liberdade religiosa. Acta Apostolicae Sedis 58, p. 929-941, 1966.

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL - CNBB. Questões de Bioética. Estudos da CNBB, 98. Brasília: Edições CNBB, 2010.

CONGREGAÇÃO PARA A DOUTRINA DA FÉ. Instrução sobre a vocação eclesial do Teólogo. 1990.

GASDA, E. E. Trabalho e capitalismo global: atualidade da doutrina social da Igreja. São Paulo: Paulinas, 2011.

GRACIA, D. Pensar a bioética: metas e desafios. São Paulo: Centro Universitário São Camilo, Loyola, 2010.

JOÃO PAULO II. Carta Encíclica Veritatis Splendor. Acta Apostolicae Sedis 85, p. 1133-1228, 1993.

MASIÁ CLAVEL, J. Encontros de Bioética. Lidar com a vida. Cuidar das pessoas. São Paulo: Loyola, 2007.

PAULO VI. Carta Encíclica Humanae Vitae. Acta Apostolicae Sedis 60, p. 481503, 1968.

POTTER, V. R. Bioethics: bridge to the future. Englewood Cliffs: Prentice-Hall, 1971.

REICH, W. T. The Word “bioethics”: its birth and the legacies of those who shaped its meaning. Kennedy Institute of Ethics Journal, n. 4, p. 319-336, 1994. doi:10.1353/ken.0.0126.

RUF, A. Curso fundamental de teologia moral. São Paulo: Loyola, 1991. v. 1.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/revistapistispraxis.7681

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.