Ensino Religioso e a gestão educacional: uma análise a partir da ética complexa de Edgar Morin

Célia Smarjassi

Resumo


Este trabalho busca desenvolver uma reflexão sobre a gestão do Ensino Religioso na condição pós-moderna na qual a relação com o divino não seja mais pautada pelo medo, pela superstição e, principalmente, pelo fundamentalismo e pela violência, mas pelo princípio ético da solidariedade, do respeito, do reconhecimento mútuo e da tolerância. Elencar desafios impostos à gestão escolar, sobretudo na complexidade do contexto atual, representa um problema ainda maior quando se busca promover um ensino público de qualidade que respeite as diferenças culturais, religiosas e individuais dos educandos, sem, contudo, recair numa orientação para valores. Essa eta exige do gestor mais do que competência técnica e política: exige competência humana, responsabilidade social e liderança como serviço. Gerir a disciplina Ensino Religioso em uma escola laica e plural requer do gestor um cuidado especial com as regras de convivência social e democrática, buscando fundamentos, princípios e rumos que norteiem a prática desse componente curricular de modo a alcançar a equidade entre os atores envolvidos dentro da instituição escolar. Com base nos pressupostos da Teoria da Complexidade, nossa reflexão sobre o ER parte de uma perspectiva dialógica de compreensão do ER. O enfoque da ética complexa será priorizado em nossa análise crítica sobre a gestão educacional do ER. A metodologia utilizada baseia-se na pesquisa bibliográfica.#]


Palavras-chave


Ética. Gestão. Solidariedade. Complexidade. Ensino Religioso.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Lei n. 9.475, de 22 de julho de 1997. Dá nova redação ao art. 33 da Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional: Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília, DF, 23 jul.

Seção 1, p. 15824. LÜCK, H. Concepções e processos democráticos de gestão educacional. 7. ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

JUNQUEIRA, S. R. A.; CORRÊA, R. L. T., HOLANDA, A. M. R. Ensino Religioso: aspectos legal e curricular. São Paulo: Paulinas, 2007.

MORIN, E. O método 3: o conhecimento do conhecimento. 3. ed. Porto Alegre: Sulina, 2005.

MORIN, E. O método 6: ética. Porto Alegre: Sulina, 2007.

MORIN, E. Ciência com consciência. Trad. Maria D. Alexandre e Maria Alice Sampaio Dória. 14. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

PENA-VEGA, A.; ALMEIDA, C. R. S.; PETRAGLIA, I. (Org.). Edgar Morin: ética, cultura e educação. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

PARO, V. H. Gestão democrática da escola pública. São Paulo: Ática, 2010.

QUEIROZ, J. J. Pensar a ética em tempos de crise: reflexões colhidas do Método 6 de Edgar Morin. Notadum Libro, n. 11, 2008. Disponível em:

hottopos.com/notand_lib_11/queiroz.pdf.>. Acesso em: 20 out. 2011. SACRISTÁN, J. G. Consciência e ação sobre a prática como libertação profissional dos professores. In: NOVOA, A. (Org.). Profissão professor. 2. ed. Porto: Porto Editora, 1995.

SANTOMÉ, J. T. Globalização e interdisciplinaridade: o currículo integrado. Porto Alegre: Artmed, 1998.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/revistapistispraxis.06.002.ds06

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.