Ethos, fato religioso e diversidade: como selecionar conteúdos e trabalhar estratégias

Sonia de Itoz

Resumo


Propomos com este ensaio discutir questões metodológicas do Ensino Religioso no que se refere a conteúdos e estratégias. Tomamos como referência o eixo temático Ethos, pautando-nos primeiramente por uma definição e compreensão de seu sentido e significado, e discutindo o que implica a construção da figura de um “alguém” e de uma coletividade situados na cultura humana. Entendemos aqui que o indivíduo e as organizações socioculturais tornam-se o lugar-espaço da manifestação de existir, nos quais também se configura a concretude do fato religioso. Daí a importância do trabalho com a diversidade de concepções, de organizações e de expressões para que a escola e o Ensino Religioso colaborem com a formação integral do indivíduo-cidadão. Em seguida, partimos das indagações de cunho pedagógico “o quê?” e “como?” e buscamos situar uma compreensão de conteúdos e estratégias, para o trabalho do componente curricular Ensino Religioso. Entendemos, assim, ser necessário ter clareza e conhecimento para escolher, eleger e selecionar, para cada faixa etária, conteúdos adequados e apropriados, e saber que estratégias desenvolver para um ensino e uma aprendizagem significativos. A premissa básica e primeira que se coloca é que o trabalho pedagógico-educacional do Ensino Religioso deve contribuir com o currículo escolar e com a formação de um cidadão integrado e atuante. Por consequência, o indivíduo elabora instrumentos de leitura de mundo e insere-se no contexto da própria vida, a partir da apropriação do conhecimento, contribuindo no respeito ao outro e ao diferente e desenvolvendo relações de paz e de dignidade para todos.


Palavras-chave


Ethos; Ensino Religioso; Conteúdos; Estratégias.

Texto completo:

PDF

Referências


AMOSSY, R. (Org.). A imagem de si mesmo no discurso: a construção do ethos. São Paulo: Contexto, 2005.

APRENDENDO a viver na diversidade. ClickCiência, n. 20, jan. 2010. Reportagem. Disponível em: . Acesso em: 28 jul. 2014.

BOFF, L. Saber cuidar: ética do humano, compaixão pela terra. Petrópolis: Vozes, 1999.

BOFF, L. Ética e moral: a busca dos fundamentos. Petrópolis: Vozes, 2003.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília, DF, 23 dez. 1996. p. 27833.

BRASIL. Lei n. 9.475, de 22 de julho de 1997. Dá nova redação ao art. 33 da Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 jul. 1997. p. 15824

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CEB n. 2, de 7 de abril de 1998. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 15 abr. 1998. Seção 1, p. 31.

DEMO, P. Politicidade da educação e/ou aprendizagem reconstrutiva política. 1999. Disponível em: . Acesso em: 28 jul. 2014.

ETHOS. In: HOUAISS, A.; VILLAR, M. S. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

GRUEN, W. Ensino Religioso em movimento. Belo Horizonte, 2010. Mimeografado.

JUNQUEIRA, S. R. A. O processo de escolarização do Ensino Religioso no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2002.

MAZZOTTI, A. J. A. Representações sociais: aspectos teóricos e aplicações à educação. Múltiplas Leituras, v. 1, n. 1, p. 18-43, jan./jun. 2008. Disponível em: . Acesso em: 28 jul. 2014.

MOSER, A; SOARES, A. M. M. Bioética: do consenso ao bom senso. Petrópolis:

Vozes, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/revistapistispraxis.06.002.ds02

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.