O Ensino Religioso, a relação educador-educando e a Base Nacional Comum Curricular – BNCC e o Currículo Referência de Minas Gerais – CRMG

Paulo Agostinho Nogueira Baptista, Giseli do Prado Siqueira

Resumo


O Ensino Religioso — ER teve uma virada paradigmática fundamental na década de 1970 com Wolfgang Gruen, ao distinguir Catequese e Ensino Religioso Escolar — ERE. Concebeu para o ER, a partir de Tillich, a religiosidade como categoria antropológica e como seu objeto de ensino: educar a dimensão de sentido da vida, o que não deixa de incluir o fenômeno religioso. Essa virada histórica e epistemológica, até desconhecida de muitos pesquisadores, hoje tem enorme significado, ainda mais com a Base Nacional Comum Curricular — BNCC e os currículos que cada estado da federação tem elaborado, como o Currículo Referência de Minas Gerais — CRMG. Gruen já pensava e atuava, na década de 1970, na “Ciência das Religiões” (UFJF) como curso formador do docente desse componente curricular. Nessa perspectiva, o objetivo deste artigo, a partir de pesquisa bibliográfica e documental, é recuperar essa história e refletir sobre as suas implicações para a relação educador-educando, tendo como referência a BNCC e o CRMG. As conclusões mostram a inovação de Gruen e como ele estava atento às questões da época e a grandes educadores como Paulo Freire.


Palavras-chave


Ensino Religioso. Educação. Relação educador-educando. BNCC/ CRMG. Ciências da Religião. Wolfgang Gruen

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Rubem. Variações sobre a vida e a morte. São Paulo, Paulinas, 1982.

ASSMANN, Hugo. Metáforas novas para reencantar a educação: epistemologia e didática. Petrópolis: Vozes, 1998a.

ASSMANN, Hugo. Reencantar a educação. Rumo à sociedade aprendente. Petrópolis: Vozes, 1998b.

BOECHAT, Ivone. Ensinar e aprender. Educação Pública. 07 out. 2008. Disponível em: https://educacaopublica.cecierj.edu.br/artigos/8/38/ensinar-eacute-aprender. Acesso em: 12 jan. 2021.

BOFF. Leonardo. Saber cuidar. Ética do humano – compaixão pela terra. Petrópolis: Vozes, 1999.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação – Câmara de Educação Básica. Parecer n. 08/2019, de 19 de dezembro de 2019. Disponível em: https://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?data=20/12/2019&jornal=515&pagina=142&totalArquivos=289. Acesso em: 25 jan. 2021.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de licenciatura em Ciências da Religião. Parecer CNE/CP nº 12/2018, homologado pela Portaria n. 1.403, publicada no D.O.U. de 28 dez. 2018. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/pces01_09.pdf. Acesso em: 26 dez. 2020.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº. 9394/96, de 23 de dezembro 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 15 jan. 2021.

BRASIL. Lei n. 5.692, de 11 agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1° e 2º graus, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l5692.htm. Acesso em: 12 dez. 2021.

BRASIL. Lei n. 9.475, de 22 de julho de 1997. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9475.htm. Acesso em: 12 dez. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. 2017. Disponível em: http://download.basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso em: 22 dez. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação; Secretaria de Educação Básica; Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão; Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Conselho Nacional de Educação; Câmara de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica. Brasília: MEC; SEB; DICEI, 2013. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=13448-diretrizes-curiculares-nacionais-2013-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 02 jan. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CEB n. 7/2010. 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb007_10.pdf. Acesso em: 25 jan. 2021.

CARON, Lurdes. Políticas e Práticas Curriculares: formação de professores de ensino religioso. Tese (doutorado em Educação). PUCSP, São Paulo: 2007.

CHARLOT, Bernard. Da relação com o saber. Elementos para uma teoria. Porto Alegre: Artmed, 2000.

COMUNICADO MENSAL DA CNBB. A Catequese nas escolas oficiais. abril de 1975. SEDOC, Petrópolis, v. 8, n. 86, p. 434-439, nov. 1975.

COSTA, Mateus de Oliva. Entrevista com Wolfgang Gruen sobre sua experiência com a primeira graduação de Ciência da Religião no Brasil. Numen: revista de estudos e pesquisa da religião, Juiz de Fora, v. 21, n2, p. 306-316, jul./dez. 2018.

DEBRAY, R. L´enseignement du fait religieux dans l´école laïque. Paris: Odile Jacob, 2002.

FIGUEIREDO, Anísia de Paulo. Fuentes na tropológicas y sociológicas de la educación religiosa en el sistema escolar brasileño, en la perspectiva foucaultiana: la evolución de una disciplina entre religión y área de conocimiento. 2007. 955f. Tese (Doutorado) - Universidade Complutense de Madri, Faculdade Filosofia, Madri. Disponível em: http://eprints.ucm.es/7544/1/T29846.pdf. Acesso em: 05 dez. 2018.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade: São Paulo: Paz e Terra, 1967.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 9. Ed. São Paulo: Paz e Terra, 1981.

GONÇALVES FILHO, Tarcizo. Ensino Religioso e a formação do ser político: uma proposta para a consciência de cidadania. Petrópolis: Vozes, 1998

GRUEN, Wolfgang. Ensino Religioso em movimento. In: BOEING, Antonio e ILTOZ, Sonia de (org.). O Ensino Religioso no Projeto Pedagógico Pastoral Salesiano II. Brasília: Rede Salesiana de Escolas, 2013. Páginas, 125 a 147. (Capítulo VI)

GRUEN, Wolfgang. O “Ensino Religioso” na Escola Oficial. Subsídio à reflexão. Atualização – Revista de Divulgação Teológica para o Cristão de Hoje, Belo Horizonte, n. 64/65, p. 127-143, abr.-maio 1975.

GRUEN, Wolfgang. O “Ensino Religioso” na escola pública. Subsídio à reflexão. Belo Horizonte: UCMG, 1978.

GRUEN, Wolfgang. O “Ensino Religioso” na escola. Belo Horizonte: Instituto Central de Filosofia e Teologia – UCMG, 1974.

GRUEN, Wolfgang. O Ensino Religioso na escola. Petrópolis: Vozes, 1994.

HALBFAS, Hubertus. Fundamentalkatechetik. Sprache und Erfahrung im Religionsunterricht. Düsseldorf: Patmos, 1968.

LIBANIO, João Batista. A arte de formar-se. São Paulo, Loyola, 2001

MATURANA, Humberto et al (Org.). A ontologia da realidade. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1997.

MATURANA, Humberto. Emoções e linguagem na educação e na política. Belo Horizonte: Ed. UFMF, 1998.

MINAS GERAIS. Secretaria de Estado da Educação. Currículo Referência de Minas Gerais – CRMG. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/implementacao/curriculos_estados/documento_curricular_mg.pdf. Acesso em: 13 jan. 2021.

MORIN, Edgar. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001a.

MORIN, Edgar. A religião dos saberes: o desafio do século XXI. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001b.

MORIN, Edgar. O método 5: a humanidade da humanidade. Tad. Juremir Machado da Silva. Porto Alegre: Sulina, 2002.

OLIVEIRA, Lilian Blanck de. Ensino Religioso e formação docente: tempos, espaços e lugares em Santa Catarina. In: OLIVEIRA, Lilian Blanck de, RISKE-KOCH, Simone; WICHERT, Tarcício Alfonso (Org.). Formação de docentes e Ensino Religioso no Brasil: tempos, espaços, lugares. Blumenau: Edifurb, 2008. p. 74-85.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS, Declaração dos Direitos Humanos, 1948. Disponível em: https://declaracao1948.com.br/declaracao-universal/declaracao-direitos-humanos/?gclid=CjwKCAiApNSABhAlEiwANuR9YJjEob7xnu1X6GWaqvqb4ZlgVeZJqw7xMH1wkHXhdiKCkTOUrOGudBoCQ9AQAvD_BwE. Acesso em: 22 jan. 2021.

PIAGET, Jean. Para onde vai a educação? 14 ed. Rio de Janeiro, José Olympio, 1998.

PIEPER, Frederico. Aspectos históricos e epistemológicos da Ciência da Religião no Brasil: Um estudo de caso. Numen: revista de estudos e pesquisa da religião, Juiz de Fora, v. 21, n2, p. 232-291, jul./dez. 2018. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/numen/article/view/22159. Acesso em: 12 jan. 2021.

PINO, Angel. Ensinar - aprender em situação escolar: perspectiva histórico – cultural. Laboratório Interdisciplinar de Tecnologias Educacionais. Disponível em: http://www.lite.fe.unicamp.br/sapiens/ensinar.htm. Acesso em: 12 jan. 2021.

PINO, Angel. Ensinar-Aprender em Situação Escolar: perspectiva histórico-cultural. Contrapontos (UNIVALI), Ed. Univ. da UNIVALI, SC, v. 4, n.3, p. 439-459, 2004.

SANTOS, Boaventura Sousa; MENESES, Maria Paula (Org.). Epistemologias do sul. Coimbra: Edições Almedina, 2009.

SCHÜLTZ, Ricardo. História das palavras – Word histories. Disponível em: http://www.sk.com.br/sk-hist.html. Acesso em: 25 jan. 2021.

SILVA, Antônio Francisco da. Idas e vindas do Ensino Religioso em Minas Gerais: a legislação e as contribuições de Wolfgang Gruen. Belo Horizonte, Segrac, 2007.

SIQUEIRA, Giseli do Prado. Tensões entre duas propostas de Ensino Religioso: estudo do fenômeno religioso e/ou educação da religiosidade. 2003. Dissertação (Mestrado em Ciências da Religião). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2003.

SIQUEIRA. Giseli do Prado. O Ensino Religioso nas escolas públicas do Brasil: implicações epistemológicas em um discurso conflitivo, entre a laicidade e a confessionalidade num estado republicano. Tese (Doutorado em Ciência da Religião). Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, Minas Gerais, 2012.

SUNG, Jun Mo. A religião e o sentido da vida. Diálogo – Revista de Ensino Religioso, São Paulo, n. 0, p. 41-48, out. 1995.

SUNG, Jung Mo. Prefácio ao livro PUGLIESI, Márcio. Mitologia grego-romana: arquétipos dos deuses e heróis, São Paulo: Masdras, 2003.

TILLICH, Paul. La Dimension perdida: indigência y esperanza de nuestro tiempo. Bilbao: Desclée, 1970.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/2175-1838.13.01.DS05

Apontamentos

  • Não há apontamentos.