Espiritualidade e religiosidade para estudantes de psicologia: Ambivalências e expressões do vivido

Karine Costa Lima Pereira, Adriano Furtado Holanda

Resumo


As relações entre Ciência e Religião na cultura ocidental moderna denotam ambivalências, dissociações e conflitos. Embora a produção em Psicologia da Religião no Brasil seja vasta, a formação acadêmica pouco contempla essa discussão; a temática ainda é tratada de modo distanciado, assunto permanentemente evitado no contexto acadêmico e científico. O objetivo deste trabalho foi identificar como o estudante de psicologia vivencia as relações entre os conteúdos estudados no curso, o ambiente acadêmico e a própria religiosidade/espiritualidade. O estudo reuniu procedimentos quantitativos e qualitativos: os dados sociodemográficos foram objeto de análise estatística e os relatos  analisados com base numa metodologia empírico-fenomenológica. O instrumento foi um questionário estruturado, aplicado a uma população de graduandos em psicologia. Participaram 60 estudantes, dos quais, 30 pertencem a algum grupo religioso, quatro se declaram ateus, cinco agnósticos e 13 acreditam em Deus. A relação entre Psicologia e Religião foi descrita como difícil e complexa, e por vezes, inconciliável no nível teórico-metodológico. O ambiente acadêmico é percebido como um lugar cientificista e sem abertura para discutir religião. Vivências de conflito são experienciadas em sala de aula, no convívio com professores e colegas e em relação aos conteúdos estudados. Vivências de associação ou dissociação entre as crenças e a psicologia aparecem como formas de lidar com o conflito. O estudo salienta a importância da discussão no que tange à experiência religiosa individual do estudante e a formação de psicólogo.


Palavras-chave


Psicologia da Religião; Espiritualidade; Religiosidade; Formação de psicólogo.

Texto completo:

PDF

Referências


AMATUZZI, M. M. Apontamentos acerca da pesquisa fenomenológica. Revista Estudos de Psicologia, Campinas, v. 13, n. 1, p. 5-10, 1996.

ANCONA-LÓPEZ, M. A espiritualidade e os psicólogos. In: AMATUZZI, M. M. (Org.), Psicologia e Espiritualidade. São Paulo: Paulus, 2005, p. 147-159.

AQUINO, T. A. A. Atitude religiosa e crenças dos alunos de psicologia. Revista UNIPÊ, João Pessoa, v. 9, n. 1, p. 56-63, 2005.

ARAUJO, S. F. A fundamentação filosófica do projeto de uma psicologia científica em Wilhelm Wundt, Campinas. 2007. 300 f. Tese (Doutorado em Filosofia) — Universidade Estadual de Campinas, Campinas: UNICAMP, 2007.

ARAUJO, S. F. Uma visão panorâmica da psicologia científica de Wilhelm Wundt. Revista Scientiæ Studia, v. 7, n. 2, p. 209-20, 2009.

ARNOLD, W.; EYSENCK, H. J.; MEILI, R. Dicionário de Psicologia. São Paulo: Loyola, 1994.

ÁVILA, A. Para conhecer a psicologia da religião. São Paulo: Loyola, 2007.

BELZEN, J. A. Psicologia Cultural da Religião: Perspectivas, Desafios,

Possibilidades. REVER: Revista de Estudos da Religião, v. 4, p. 1-29, 2009.

BENKÖ, A. Psicologia da religião. São Paulo: Loyola, 1981.

CAVALHEIRO, C. M. F.; FALCKE, D. Espiritualidade na formação acadêmica em psicologia no Rio Grande do Sul. Revista Estudos de Psicologia, Campinas, v. 31, n. 1, p. 35-44, 2014.

FERREIRA, A. A. L. O lugar da psicofísica de Gustav Fechner na história da psicologia. Revista Memorandum, v. 5, p. 86-93, 2003.

FIGUEIREDO, L. C. M.; SANTI, P. L. R. de. Psicologia: Uma (nova) introdução. São Paulo: Educ, 2013.

FILORAMO, G.; PRANDI, C. As Ciências das religiões. São Paulo: Paulus, 1999.

FREITAS, M. H. de. Crença religiosa e personalidade em estudantes de Psicologia: Um estudo por meio do Questionário Pratt e do Método de Rorschach, Brasília.

300 f. Tese (Doutorado em Psicologia) — Universidade de Brasília, Brasília: UnB, 2002.

FREITAS, M. H. Relações entre religiosidade e saúde mental em imigrantes: implicações para a prática. Revista Psico-USF, v. 18, n. 3, p. 437-444, 2013.

GASTAUD, M. B. et al. Bem-estar espiritual e transtornos psiquiátricos menores em estudantes de psicologia: estudo transversal. Revista Psiquiatria, Rio do Sul, v. 28, n. 1, p. 12-8, 2006.

HOLANDA, F. A. Questões sobre pesquisa qualitativa e pesquisa fenomenológica. Revista Análise Psicológica, v. 24, n. 3, p. 363-372, 2006.

HOLANDA, F. A. Fenomenologia e Psicologia: Diálogos e Interlocuções. Revista da Abordagem Gestáltica, v. 15, n. 2, p. 87-92, 2009.

HOLANDA, F. A. Pesquisa fenomenológica e pesquisa eidética: elementos para um entendimento metodológico. In: BRUNS, M. A. T.; HOLANDA, A. F. (Orgs.). Psicologia e Fenomenologia: Reflexões e Perspectivas. Campinas: Alínea, 2011, p. 17-26. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA — IBGE. Censo Demográfico 2010: características gerais da população, religião e pessoas com deficiência.

Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

NUMBERS, R. L. Mitos e verdades em ciência e religião: Uma perspectiva histórica. Revista de Psiquiatria Clínica, v. 36, n. 6, p. 246-51, 2009.

PAIVA, G. J. Ciência, Religião, Psicologia: Conhecimento e Comportamento. Revista Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 15, n. 3, p. 561-567, 2002.

PAIVA, G. J. A religião dos cientistas. Uma leitura psicológica. São Paulo: Loyola, 2000.

PENNA, A. G. História das ideias psicológicas. Rio de Janeiro: Imago, 1991.

RIBEIRO, J. P. Religião e Psicologia. In: HOLANDA, A. F. (Org.). Psicologia, Religiosidade e Fenomenologia. Campinas: Átomo, 2004, p. 11-36. ROSA, M. Psicologia da Religião. Rio de Janeiro: Junta de Educação Religiosa e Publicações da Convenção Batista Brasileira, 1979.

SCHULTZ, D. P.; SCHULTZ, E. S. História da Psicologia Moderna. São Paulo: Cengage Learning, 2011.

WERTHEIMER, M. Pequena História da Psicologia. Ribeirão Preto: Cia Nacional, 1982.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/revistapistispraxis.08.002.ds07

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.