O embrião humano e a inviolabilidade do direito à vida no ordenamento jurídico brasileiro

Elizabeth Mayer, Émilien Vilas Boas Reis

Resumo


O presente artigo visa levantar as discussões acerca do embrião humano, principalmente aquele criado no ambiente artificial in vitro. A questão foi objeto de julgamento no Supremo Tribunal Federal, através da ADI 3510, e girava em torno da constitucionalidade do art. 5º da Lei 11.105/2005 − Biossegurança − que destinava às pesquisas científicas embriões congelados in vitro não utilizados nos procedimentos de reprodução assistida. O cerne da polêmica era se esses embriões constituem ou não uma vida e se devem possuir tratamento digno, conforme prescrevem os princípios constitucionais e fundamentais do direito à vida e à dignidade da pessoa humana. Duas correntes surgiram: a que conferia ao embrião in vitro o status de vida e, assim sendo, gozaria da proteção constitucional; outra que conferia ao embrião o status de “não vida”, pois somente no útero feminino poderia se tornar uma vida. Esta última corrente justificava-se nos avanços das pesquisas científicas com células tronco embrionárias e na promessa de cura de doenças, reflexo do paradigma científico atual onde a razão instrumental a tudo manipula e transforma em objeto, incluindo o próprio homem. Serão analisados os argumentos do Ministro Carlos Alberto Menezes de Direito, em voto vencido, que reconheceu no embrião in vitro a condição “de” ou “a caminho” da vida, digno, portanto, de ser protegido. Menezes defendeu a inconstitucionalidade do dispositivo impugnado e propôs limites para conter o avanço das ciências quando estas solapam questões éticas como o valor da vida e a dignidade da pessoa humana. Ao final, será mostrado que os argumentos da classe científica utilizados no julgamento, combatidos ponto a ponto por Menezes de Direito, eram omissos e falaciosos, levando a resultados desastrosos. Se faz necessário retomar a discussão na sociedade para que questões que lidam com a vida, a dignidade e o futuro da espécie humana não sejam sepultadas pelo manto da imutabilidade das decisões dos nossos tribunais.


Palavras-chave


Embrião; Vida; Biodireito; Técnica

Texto completo:

PDF

Referências


AQUINO, Tomás de. Suma Teológica − a criação − o anjo − o homem. Volume II. São Paulo: Edições Loyola, 2002. 512 p.

ARENDT, H. A condição Humana. Tradução de Roberto Raposo, posfácio de Celso Lafer. 10 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001. 352 p.

ARISTÓTELES. De Anima. Apresentação, tradução e notas de Maria Cecília Gomes dos Reis. 1 ed. São Paulo: Editora 34, 2006. 360 p.

BRASIL. Casa Civil. Lei 11.105/2005 − Lei de Biossegurança. 24 de mar. 2005. Disponível em: . Acesso em: 29 maio 2013.

_______. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, Centro Gráfico, 1988.

_______. Conselho Federal de Medicina. Resolução CFM 1931 de 17 de setembro de 2009 - Código de Ética Médica. Disponível em: . Acesso em: 29 maio 2013.

_______. Conselho Federal de Medicina. Resolução CFM 2013/2013 − Normas Éticas para a utilização das técnicas de reprodução assistida. Disponível em: < http://www.

portalmedico.org.br/resolucoes/CFM/2013/2013_2013.pdf>. Acesso em: 29 maio 2013.

_______. Supremo Tribunal Federal. ADI 3510 − Distrito Federal. Relator Ministro Ayres Britto. Tribunal Pleno. Julgamento em 29/05/2008. Publicado no DOU em 28/05/2010. Disponível em:. Acesso em: 10 maio 2012.

FIORILLO, C. A. P. Curso de Direito Ambiental Brasileiro. 13 ed. revisada, atualizada e ampliada. São Paulo: Saraiva, 2012. p. 01-77.

GIRALDI, R. “Prêmio Nobel de Medicina 2012 é dado a cientistas britânicos e japonês”. Agência Brasil. 8 out. 2012. Disponível em: . Acesso em: 29 maio 2013.

HABERMANS, J. O futuro da natureza humana: a caminho de uma eugenia liberal? Trad. Karina Jannini. São Paulo: Martins Fontes, 2004. 158 p.

JONAS, H. O princípio responsabilidade: ensaio de uma ética para a civilização. Trad.Marijane Lisboa e Luiz Barros Montez. Rio de Janeiro: Contraponto: Ed. PUC-Rio,2006. p. 57-61.

JONAS, H. O princípio Vida: fundamentos para uma biologia filosófica. Trad. Carlos Almeida Pereira. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2004. 278 p.

NOBELPRIZE.ORG. O 2012 do Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina – Informações Popular. 2012. Disponível em:http://www.nobelprize.org/nobel_prizes/medicine/laureates/2012/popular.html>. Acesso em: 29 maio 2013.

REALE, G. História da Filosofia Antiga Vol. II: Platão e Aristóteles. Trad. Henrique Cláudio de Lima Vaz e Marcelo Perine. São Paulo: Loyola, 1994. p. 505.

REHEN, S. Globo Comunidade. Rede Globo de Televisão. Divulgado em 13/08/2011. Disponível em: . Acesso em: 25 maio 2012.

SGRECCIA, E. Manual de Bioética: I. fundamentos e ética biomédica. Trad. Orlando Soares Moreira. São Paulo: Edições Loyola, 1996. p. 1-135.

TAYLOR, C. La ética de la autencidad. Trad. Pablo Carbajosa Peres. Barcelona: Ediciones Paidós Ibérica, S.A, 1991, p. 146.

VAZ, H. C. L. V. Escritos de Filosofia II: Ética e Cultura. São Paulo: Loyola, 2000. p.295.

VAZ, H. C. L. V. Escritos de Filosofia VII: Raízes da Modernidade. São Paulo: Loyola, 2002. p. 291.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/revistapistispraxis.07.003.ds03

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.