Religião, culto cristão e mídias como uma forma de religiosidade vivenciada: uma análise como tarefa da teologia prática

Júlio Cézar Adam

Resumo


O artigo busca entender a relação entre religião, culto cristão e mídia. Parte-se da ideia de que na contemporaneidade vivemos um fenômeno amplo e complexo de transferência da religião e do religioso para o campo das mídias, tanto no que se refere às suas formas quanto aos seus conteúdos. A religião na e por meio das mídias constitui-se uma religiosidade vivenciada, diferente da religião institucional, mas, em vários aspectos, assume para as pessoas uma função cúltica e litúrgica. Entende-se que o estudo desta relação entre religião, culto e mídia é tarefa da teologia prática como um rastreamento e uma hermen

Palavras-chave


Religião vivenciada; Culto cristão; Mídia.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, R. O enigma da religião. 4. ed. Campinas: Papirus, 1988.

BAUMAN, Z. O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1998. BECKS, H. Der Gottesdienst in der Erlebnisgesellschaft. Waltrop: Spenner, 1999.

BERGER, P.; LUCKMANN, T. The social construction of reality. New York: Doubleday & Co., 1967.

BOBSIN, O. Correntes religiosas e globalização. São Leopoldo: CEBI; PPL; IEPG, 2002.

BOLTZ, N.; BOSSHART, D. Kult Marketing: die Neuen Götter des Marktes. Düsseldorf: Econ, 1995.

CALVANI, C. E. Momentos de beleza: teologia e MPB a partir de Tillich. Portal de Publicações Científicas, n. 8. Disponível em: . Acesso: 21 mar. 2010.

CORNEHL, P. Frömmigkeit, Alltagswelt, Lebenszyklus: Propädeutische Notizen. Wissenschaft und Praxis in Kirche und Gesellschaft, v. 64, p. 388-401, 1975.

CORNEHL, P. Theorie des Gottesdienst. Theologie Quartalsschrift, n. 159, 1979.

CORNEHL, P. Die Welt ist voll von Liturgie: Studien zu Einer Integrativen Gottesdienstpraxis. Stuttgart: Kohlhammer, 2005.

DROOGERS, A. Religiosidade mínima brasileira. Religião e Sociedade, v. 14, n. 2, p. 62-86, 1987.

FAILING, W.-E.; HEIMBROCK, H.-G. Gelebte religion Wahrnehmen: Lebenswelt, Alltagskultur, Religionspraxis. Stuttgart: Kohlhammer, 1998.

FELINTO, E. A religião das máquinas: ensaio sobre o imaginário da cibercultura. Porto Alegre: Sulina, 2005.

GANZEVOORT, R. R. Encruzilhadas do caminho no rastro do sagrado. Estudos Teológicos, São Leopoldo, v. 49, n. 2, p. 317-343, 2009.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1978.

GRÄB, W. Sinn fürs Unendliche: Religion in der Mediengesellschaft. Gütersloh: Chr. Kaiser/Gütersloher Verlg., 2002.

GRÄB, W . Auf den Spuren der Religion. Zeitschrift für Evangelische Ethik, n. 39, p. 43-56, 1995.

GRÄB, W. Lebensgeschichten, Lebensentwürfe, Sinndeutungen: eine Praktische Theologie Gelebter Religion. 2. Aufl. Gütersloh: Gütersloher Verlag, 2000.

GRIMES, R. L. Reading, writing, and ritualizing:ritual in fictive, liturgical and public places. Washington, D.C.: The Pastoral Press, 1993.

HERRMANN, J. Sinnmaschine Kino: Sinndeutungen und Religion im Populären Film. Gütersloh: Kaiser, 2000.

IRWIN, W. (Coord.). Super-heróis e a filosofia: verdade, justiça e o caminho socrático. São Paulo: Madras, 2005.

KIRSNER, I. Film, Fragment, Fraktal: eine Kleine Kino-Apokalypse. In: STOLT, P.; GRÜNBERG, W.; SUHR, U. (Hrsg.). Kulte, Kulturen, Gottesdienste: Öffentliche Inszenierung des Lebens. Göttingen: Vandenhoeck & Ruprecht, 1996. p. 50-62.

KLEIN, A. Imagens de culto e imagens da mídia: interferências midiáticas no cenário religioso. Porto Alegre: Sulina, 2006.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

LIPOVETSKY, G. A felicidade paradoxal: ensaio sobre a sociedade de hiperconsumo. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

LIPOVETSKY, G. A felicidade paradoxal: ensaio sobre a sociedade de hiperconsumo. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

MAGALHÃES, A. Deus no espelho das palavras. São Paulo: Paulinas, 2000.

MCLUHAN, M. Os meios de comunicação como extensões do homem. 5. ed. São Paulo: Cultrix, 1969.

MELO, J. M. de; GOBBI, M. C.; ENDO, A. C. B. (Org.). Mídia e religião na sociedade do espetáculo. São Bernardo do Campo: UMESP, 2007.

REBLIN, I. A. A teologia do cotidiano. In: BOBSIN, O. et al. (Org.). Uma religião chamada Brasil: estudos sobre religião e contexto brasileiro. São Leopoldo: Faculdades EST; Oikos, 2008.

REBLIN, I. A. Para o alto e avante!: mito, religiosidade e necessidade de transcendência na construção dos super-heróis. Protestantismo em Revista, v. 4, n. 2, maio/ago. 2005. Disponível em:

htm>. Acesso em: 22 dez. 2008.

RIBEIRO, J. C. Religiosidade jovem: pesquisa entre universitários. São Paulo: Loyola; Olho d’Água, 2009.

SCHLEIERMACHER, F. Die Praktische Theologie nach den Grundsäzen der Evangelischen Kirche. Berlin: O. Reimer, 1850.

SCHULTZ, A. Estrutura teológica do imaginário religioso brasileiro. In: BOBSIN, O. et al. (Org.). Uma religião chamada Brasil: estudos sobre religião e contexto brasileiro. São Leopoldo: Faculades EST; Oikos, 2008. p. 27-60.

SCHWARTZ, T. Mídia: o segundo Deus. São Paulo: Summus, 1985.

STOLT, P.; GRÜNBERG, W.; SUHR, U. (Org.). Kulte, Kulturen, Gottesdienste: Öffentliche Inszenierung des Lebens. Göttingen: Vandenhoeck & Ruprecht, 1996.

THOMAS, G. Medien, Ritual, Religion: zur Religiösen Funktion des Fernsehens. Frankfurt: Suhrkamp, 1998.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/revistapistispraxis.6051

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.