A TRANSPARÊNCIA DIVINA NA TRAMA DA CRIAÇÃO

Sinivaldo S. Tavares

Resumo


Acolhendo os desafios postos pela “crise ecológica”, o autor se pergunta: é viável continuarmos na direção imposta pelo paradigma antropocêntrico moderno? Continuar legitimando esse paradigma civilizacional seria uma posição eticamente responsável por parte da teologia? Interpelado por essa indagação de fundo, o autor procura reconstruir um discurso acerca da Criação que seja, para todos os efeitos, contemporâneo e, ao mesmo tempo, genuinamente cristão. Ele contempla a complexidade da Criação à luz do Mistério da Trindade Santíssima: como expressão do inusitado e gratuito dom do Pai, como o corpo cósmico de Cristo e como a morada do Espírito Santo. Interpela-nos a assumir nossa intransferível responsabilidade face à inteira Criação, que se encontra ameaçada, em termos de acolhida e de discernimento: acolhida do inaudito dom da vida e discernimento das pegadas do Cristo presentes na Criação e dos gemidos inefáveis do Spiritus Creator que ecoam por entre os meandros sutis do universo. E conclui explicitando a singularidade do discurso cristão acerca da Criação em termos de transparência divina na trama da Criação.

Palavras-chave


Criação; Dom de Deus; Corpo cósmico de Cristo; Morada do Espírito Santo.

Texto completo:

PDF

Referências


ARNOULD, J. Darwin, theilhard de chardin et cie. Bruges: Desclé de Brouwer, 1996.

ARNOULD, J. La théologie après Darwin: éleménts pour une théologie de la création dans une perspective évolucionniste. Paris: Cerf, 1998.

BEHE, M. Darwin´s black box: the biochemical challenge to evolution: Franklin: The Free Press, 1996.

BOFF, L. Ecologia: grito da terra, grito dos pobres. São Paulo: Ática, 1995.

CAPRA, F.; STEINDL-RAST, D. Pertencendo ao universo: explorações nas fronteiras da ciência e da espiritualidade. São Paulo: Cultrix; Amaná, 2000.

CHARDIN, P. T. de. Hino do universo. A missa sobre o mundo. Cristo na matéria. Três histórias no estilo de Benson. A potência espiritual da matéria. São Paulo: Paulus, 1994. (Coletânea de 5 textos).

COMBATER a mudança climática: solidariedade humana num mundo dividido. Relatório do Pnud 2007-2008. Disponível em: . Acesso em: 28 nov. 2007.

DAWKINS, R. Deus, um delírio. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

DEMSKI, W. Intelligent design: the bridge between science & theology. Downers Grove: InterVersity Press, 1999.

HAUGHT, J. F. Deus após Darwin: uma teologia evolucionista. Rio de Janeiro: José Olympio, 2006.

INTERGOVERNMENTAL PANEL ON CLIMATE CHANGE – IPCC. Mudanças climáticas. 2007. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2007.

JOÃO PAULO II. Ecclesia de eucharistia. São Paulo: Paulinas, 2003.

KÜNG, H. O princípio de todas as coisas: ciências naturais e religião. Petrópolis: Vozes, 2007.

LAMBERT, D. Sciences et théologie: les figures d´un dialogue. Bruxelles: Lessius, 1999.

MESTERS, C.; OROFINO, F. Novos céus e nova terra, vida no campo e na cidade. A sustentabilidade da vida e a espiritualidade. In: CONGRESSO ANUAL DA SOCIEDADE DE TEOLOGIA E CIÊNCIAS DA RELIGIÃO –

SOTER, 21., 2008, São Paulo. Anais... São Paulo: Paulinas, 2008. p. 11-21. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. 2009.

MOLTMANN, J. Ciência e sabedoria: um diálogo entre ciência natural e teologia. São Paulo: Loyola, 2007.

REIMER, H. Toda a criação: bíblia e ecologia. São Leopoldo, RS: Oikos, 2006.

TAVARES, S. Eucaristia: pluralidade de dimensões na unidade do Mistério, Revista Eclesiástica Brasileira, Petrópolis, v. 63, n. 3, p. 807-828, 2003.

TAVARES, S. Trindade e criação. Petrópolis: Vozes, 2007.

TAVARES, S. A criação na perspectiva ecológica: a contribuição de Scotus. Revista Eclesiástica Brasileira, Petrópolis, v. 68, n. 4, p. 772-806, 2008.

WILSON, E. O. A criação: como salvar a vida na terra. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

ZIZIOULAS, I. A criação como eucaristia: proposta teológica ao problema da ecologia. Florianópolis: ITESC, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/pp.v1i2.10676

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.