AVANÇO NA AVALIAÇÃO ESPERMÁTICA DE EQUINOS: REVISÃO

Priscilla Ricabone Muradas, Romildo Romualdo Weiss, Luiz Ernandes Kozicki

Resumo


O objetivo da revisão é o de proporcionar um panorama geral das técnicas utilizadas correntemente na avaliação da capacidade fecundante de espermatozoides equinos. No decurso dos tempos, a fertilidade dos garanhões firmou-se como um dos principais parâmetros de seleção e utilização. Neste contexto foram desenvolvidos métodos laboratoriais para a avaliação do sêmen. Tais métodos em conjunto podemajudar a predizer o potencial fecundante. O espermograma convencional tem-se caracterizado como o principal método de diagnóstico de fertilidade do macho. Dentre as várias características espermáticas a serem avaliadas no espermograma, a motilidade e a morfologia dos espermatozoides destacam-se como as mais importantes. Contudo, isso por si só, pode não ser suficiente, uma vez que não avaliam a estrutura interna da célula espermática, como a cromatina (DNA e proteínas específicas), indicativosessenciais da funcionalidade dos espermatozoides, da habilidade de fecundação e do desenvolvimento embrionário. As avaliações convencionais executadas pela análise visual do examinador carregam consigo graus de subjetividade, não correspondendo muitas vezes à realidade. Visando reduzir as falhas do examinador e melhorar a repetibilidade entre os examinadores, tem sido proposta a utilização de análise de imagem por computador para a avaliação da motilidade e da morfologia dos espermatozoides, além da composição do plasma seminal, integridade da membrana plasmática e acrossomal, função mitocondrial, desnaturação da cromatina e peroxidação das membranas espermáticas dentre outras.Porém o teste mais representativo de avaliação da capacidade de fertilização dos espermatozoides é aprópria fertilização seja “in vitro” ou “in vivo”.

Palavras-chave


Equinos; Espermograma; Avaliação espermática computadorizada; Fertilidade

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.7213/academica.011.003.AO10

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Acadêmica: Ciência Animal