Armário de vidro: (re)conhecendo as políticas públicas e os direitos sexuais da população LGBT

Luís Fernando da Veiga, Moises Romanini

Resumo


Os atravessamentos sobre gênero e sexualidades da população LGBT perpassam os caminhos das pluralidades e das singularidades, e são imbuídas de interconexões entre o espaço público e privado nas políticas públicas e sociais. Esta pesquisa analisou reportagens veiculadas pela mídia escrita, em um jornal do interior do Estado do Rio Grande do Sul, sobre fatos ou opiniões relacionadas ao público/tema LGBT problematizando os discursos veiculados e tomando como
norteadores as noções de discurso do filósofo francês Michel Foucault, de  performatividade de gênero e de cisheteronormatividade refletindo sobre as políticas públicas destinadas a garantir os direitos dessas populações. O garimpo
jornalístico encontrou 44 reportagens envolvendo os discursos de gênero e sexualidade em seus enunciados abarcando o período entre setembro de 2014 e junho de 2016. Ao elencar os discursos analisados nesta pesquisa utilizou-se a analogia entre alguns diferentes tipos de vidros existentes em decorrência dos
jogos linguísticos disponíveis para abordar a complexidade da população LGBT.


Palavras-chave


LGBT; Performatividade; Cisheteronormatividade; Mídia Escrita; Análise do Discurso.

Texto completo:

PDF

Referências


Bagagli, B. P. (2013). Máquinas discursivas, ciborgues e transfeminismo. Gênero, 14 (1), 11-27.

Bagagli, B. P. (2017). Orientação sexual na identidade de gênero a partir da heterossexualidade e cisgeneridade como normas. Letras Escreve, 7 (1), 137-164.

Bento, B; Pelúcio, L. (2012) Despatologização do gênero: a politização das identidades abjetas. Estudos feministas. 20 (2), 569-581.

Butler, J. (2003). Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. (R. Aguiar Trad.). Rio de janeiro: Civilização Brasileira. (Original publicado em 1990).

Carrara. S. (2010). Políticas e direitos sexuais no Brasil contemporâneo. In F. Pocahy (Org.) Políticas de enfrentamento ao heterossexismo: corpo e prazer (pp. 47-61). Porto Alegre: NUANCES.

Costa, A. B.; Nardi, H. C. (2015). O casamento “homoafetivo” e a política da sexualidade: implicações do afeto como justificativa das uniões de pessoas do mesmo sexo. Estudos Feministas, 23 (1), 137-150.

Decreto nº 8.727, de 28 de abril de 2016. (2016, 28 de abril). Dispõe sobre o uso do nome social e o reconhecimento da identidade de gênero de pessoas travestis e transexuais no âmbito da administração pública federal direta, autárquica e fundacional. Brasília, DF: Presidência da República, Subchefia Para Assuntos Jurídicos.

Dias, M. B. (2000). União Homossexual – Preconceito & a Justiça. 1ªed. Porto Alegre: Livraria do Advogado.

Foucault, M. (1999). Em defesa da sociedade. Curso no Collège de France, (M.E. Galvão Trad.). São Paulo: Martins Fontes. (Original publicado em 1975-1976).

Foucault, M. (2006). Estratégia, poder-saber 2.ed. (V.L.A. Ribeiro Trad.). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, M. (2007). História da sexualidade: o uso dos prazeres. (M. T. da Costa Albuquerque Trad.). Rio de Janeiro: Edições Graal. (original publicado em 1984).

Jesus, J. G. (2012). Orientações sobre identidade de gênero: conceitos e termos 2ªed. Brasília: Guia técnico sobre pessoas transexuais, travestis e demais transgêneros, para formadores de opinião.

Portaria nº 1.707, de 18 de agosto de 2008. (2008, 18 de agosto). Dispõe sobre o processo transexualizador. Brasília, DF: Ministério da Saúde, Conselho Nacional de Saúde.

Carrara. S. (2010). Políticas e direitos sexuais no Brasil contemporâneo. In F. Pocahy (Org.) Políticas de enfrentamento ao heterossexismo: corpo e prazer. Porto Alegre: NUANCES.

Pino, N. P. (2007). A teoria queer e os interex: experiências invisíveis de corpos des-feitos. Cadernos Pagu, (28), 149-174.

Resolução Nº 175, de 14 de maio de 2013. (2013, 14 de maio). Dispõe Habilitação, celebração de casamento civil ou conversão de união estável em casamento, entre pessoas do mesmo sexo. Brasília, DF: Ministério Público Federal, Conselho Nacional de Justiça.

Rich, A. (2010). Heterossexualidade compulsória e existência lésbica. Coalizão Nacional de Mulheres Trabalhadoras Sindicalizadas. (C.G. Vale Trad.). Revista BAGOAS, (05), pp. 17-44.

Rubin, G. (2003). Pensando sobre sexo: notas para uma teoria radical da política da sexualidade. (F. B. M. Fernandes Trad.). Cadernos Pagu, Campinas: Núcleo de Estudos de Gênero Pagu, (21), pp. 1-88.

Simpson, Keila (2012). Travestis: entre a atração e a aversão. In G. Venturini; V. Bokany (Orgs.). Diversidade sexual e homofobia no Brasil (pp. 109-117). São Paulo: Fundação Perseu Abramo

Sedgwick, E. K. (2007) A epistemologia do armário. (P. Dentzien Trad.) Cadernos Pagu. Dossiê sexualidades disparatadas. (28), pp. 19-54.




DOI: https://doi.org/10.7213/psicol.argum.35.89.AO03

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Editora Universitária Champagnat