O múnus e a imunização biopolítica: uma leitura dos direitos humanos a partir de Roberto Esposito

Autores

  • Castor Mari Martín Bartolomé Ruiz Pós-Doutorado em Filosofia pelo Instituto de Filosofia do Consejo Superior de Investigaciones Científicas da Espanha (CSIC), Doutorado em Filosofia pela Universidad de Deusto, pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), Coordenador da Cátedra Unesco – Unisinos de Direitos Humanos e Violência, Governo e Governança, Secretário da Associação Ibero-Americana de Filosofia Política (AIFP), São Leopoldo, RS

DOI:

https://doi.org/10.7213/revistapistispraxis.06.003.ds09

Palavras-chave:

Biopolítica, Imunização, Communitas, Direitos humanos.

Resumo

Os direitos humanos são uma prática discursiva atravessada pela hegemonia biopolítica das técnicas de governo modernas. Nessa condição, é compreensível a tensão paradoxal a que se encontra submetido o discurso dos direitos humanos e suas verdades. A obra de Roberto Esposito permite fazer uma releitura da lógica imunitária da biopolítica moderna e de como ela afeta ao discurso dos direitos humanos. Neste ensaio, apresentamos as implicações que os processos de imunização do outro, implementados pelas sociedades modernas, têm provocado na dimensão comunitária das relações humanas. Ao substituir a dimensão do múnus da communitas pela busca do interesse próprio — o direito ao bônus —, as relações sociais se tornaram cada vez mais imunitárias e cada vez menos comunitárias. Essa tensão imunitária conduz a uma inexorável destruição dos vínculos humanos e, como consequência, à desintegração da própria sociedade. Na modernidade, o vazio comunitário do social é suprido pela exigência de direito. A lei e a norma regram prescritivamente relações que não mais se reconhecem como comunitárias, oriundas de um dever para com o outro (múnus), senão que se pensam imunitárias: defendem-se do outro, ou o instrumentalizam, procurando o interesse próprio sempre que possível.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

DECLARAÇÃO dos Direitos do Homem e do Cidadão (1789). França, 26 ago. 1789. Disponível em: <http://www.faimi.edu.br/v8/RevistaJuridica/ Edicao7/DECLARA%C3%87%C3%83O%201789>. Acesso em: 15 maio 2013.

ESPOSITO, R. Communitas: origen y destino de la comunidad. Buenos Aires: Amorrurtu, 2003.

ESPOSITO, R. Immunitas: protección y negación de la vida. Buenos Aires: Amorrurtu, 2005.

ESPOSITO, R. Bios, biopolítica e filosofia. Buenos Aires: Amorrurtu, 2006.

ESPOSITO, R. Tercera persona: política de la vida y filosofía de lo impersonal. Madri: Amorrurtu, 2009.

FOUCAULT, M. Segurança, território e população. São Paulo: M. Fontes, 2008.

HOBBES, T. Leviatan. Madri: Altaya, 1997.

HOBBES, T. De cive. São Paulo: M. Fontes, 2002.

MAUSS, M. Ensaio sobre a dádiva. Lisboa: Edições 70, 2011.

Downloads

Publicado

2014-09-13

Como Citar

Ruiz, C. M. M. B. (2014). O múnus e a imunização biopolítica: uma leitura dos direitos humanos a partir de Roberto Esposito. Revista Pistis Praxis, 6(3), 929–950. https://doi.org/10.7213/revistapistispraxis.06.003.ds09

Edição

Seção

Dossiê