Espiritualidade e política: considerações sob um ponto de vista filosófico

Autores

  • Edelcio Ottaviani Centro Universitário Assunção (Unifai), São Paulo, SP, Brasil Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), São Paulo, SP, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.7213/revistapistispraxis.07.002.ao04

Palavras-chave:

Espiritualidade, Política, Governo de si, Governo dos outros.

Resumo

O texto, partindo da realidade brasileira, reflete sobre a necessidade de uma reforma política para inibir as práticas de corrupção que esgarçam sensivelmente o tecido social e fazem tanto mal aos mais pobres. Mostra que essa reforma não alcançará seu objetivo se parte considerável da sociedade que a postula não passar por uma séria conversão. Nisto encontra-se o campo da espiritualidade. Hannah Arendt, Fábio Konder Comparato e Michel Foucault são os referenciais teóricos para pensar a constituição ética do sujeito em tempos sombrios. A salvaguarda do espaço público, em que estão em jogo palavras e ações, nos faz perceber que, no jogo agonístico da política, “quem não tem governo de si não pode querer governar os outros”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARENDT, H. Eichmann em Jerusalém: um relato sobre a banalidade do mal. José Rubens Siqueira. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

ARENDT, H. Origens do totalitarismo. Trad. Roberto Raposo. São Paulo: Companhia de Bolso, 2013.

ARENDT, H. A condição humana. 11. ed. Trad. Roberto Raposo. Rio de Janeiro:

Forense Universitária, 2012.

EWALD, F. O fim de um mundo. In: ESCOBAR (Org.). Michel Foucault: o dossiê, últimas entrevistas. Trad. Ana Maria de A. Lima e Maria da Glória R. da Silva. Rio de Janeiro: Taurus, 1984.

FOUCAULT, M. A hermenêutica do sujeito (1981-1982). Trad. Márcio Alves da

Fonseca e Salma Tannus Muchail. São Paulo: Martins Fontes, 2006a.

FOUCAULT, M. Omnes et Singulatim. In: FOUCAULT, M. Ditos e escritos IV: estratégia poder-saber. 2. ed. Organização e seleção de textos: Manoel Barros da Motta. Trad. Vera Lucia Avellar Ribeiro. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006b. p. 355-385.

FOUCAULT, M. Segurança, território, população (1977-1978). Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FOUCAULT, M. O Governo de si e dos outros I (1982-1983). Trad. Eduardo Brandão.

São Paulo: Martins Fontes, 2010.

FOUCAULT, M. A coragem da verdade: o governo de si e dos outros II (1984). Trad.

Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

KONDER COMPARATO, F. Não pode haver poder sem controle. Desafios do

Desenvolvimento, v. 8, n. 67, set. 2011. Disponível em: <http://desafios.ipea.gov. br/index.php?index_php?option=com_content&view=article&id=2580%3Acati d%3D28&Itemid=23&option=com_content>. Acesso em: 20 ago. 2015.

SCHWARTSMAN, H. Você roubaria se fosse senador? Folha de São Paulo, 6 mar.

Opinião, p. A2.

SENELLART, M. Situação dos Cursos. In: FOUCAULT, M. Segurança, território, população. Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008. p. 495-538.

TANNUS MUCHAIL, S. Marginalização do cuidado de si. In: MUNIZ DE ALBUQUERQUE JR., D.; VEIGA-NETO, A.; SOUZA FILHO, A. (Org.). Cartografias de Foucault. Belo Horizonte: Autêntica, 2008. (Estudos Foucaultianos).

VEYNE, P. Foucault: seu pensamento, sua pessoa. Trad. Marcelo Jacques de

Morais. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

VALADIER, P. Investidas contra o deus moral obsessivo. Revista do Instituto

Humanitas Unisinos, v. 4, n. 127, p. 4-9, dez. 2004.

Downloads

Publicado

2015-09-13

Como Citar

Ottaviani, E. (2015). Espiritualidade e política: considerações sob um ponto de vista filosófico. Revista Pistis Praxis, 7(2), 513–530. https://doi.org/10.7213/revistapistispraxis.07.002.ao04

Edição

Seção

Artigos