Educação, política e religião na fixação do núcleo jesuíta em Itu: uma análise a partir do Colégio São Luís (1867-1918)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7213/2175-1838.11.001.DS08

Palavras-chave:

Jesuítas, Educação, Religião, Política, Itu

Resumo

O presente artigo tem como objetivo analisar o processo de abertura e funcionamento do Colégio jesuíta São Luís de Itu, entre os anos de 1867 e 1918. Retornando ao Brasil no ano de 1856, já no contexto da denominada reforma ultramontana, a Companhia de Jesus reinicia seu projeto de evangelização, empregando a educação como uma de suas principais estratégias. Diferentemente dos séculos XVII e XVIII — quando possuíam o monopólio da educação no Brasil — tais clérigos identificaram novas demandas educacionais e pedagógicas, adaptando sua atuação e concedendo à educação um novo aspecto a fim de legitimá-la, alinhando-a à conjuntura do século XIX. Considerando o caráter político da educação e da religião, a partir do referencial teórico da Nova História Política, o presente artigo analisa a articulação entre os preceitos da Ordem, seu ideal de educação e os rumos da modernidade reivindicada pelas elites ituanas, tendo como foco o Colégio São Luís de Itu. Deste modo, intenciona ampliar o debate sobre o caráter político da educação, bem como sobre suas relações com o campo religioso. De forma geral, busca colaborar para o alargamento dos estudos históricos acerca da religião e dos atores e estratégias envolvidos na reforma da Igreja católica em moldes ultramontanos, no Brasil do século XIX.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Rosa Cloclet da Silva, PUC-Campinas

Docente da Faculdade de História da PUC-Campinas e do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências da Religião, pela mesma Universidade, com projetos integrados à Linha de Pesquisa: Fenômeno Religioso: instituição e práticas discursivas. É doutora em História pela Universidade Estadual de Campinas (2000) e pós-doutora na mesma área pela USP (2007), com projeto integrado ao grupo temático: Brasil: Formação do Estado e da Nação. Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual de Campinas (1993) e mestrado em História pela Universidade Estadual de Campinas (1996). Tem experiência na área de História, com ênfase em História do Brasil Império. Atualmente, desenvolve pesquisas na área de História das Religiões, com pesquisas focadas na articulação dos fenômenos religião e política na construção do Estado nacional brasileiro, no século XIX. É coordenadora do GT "Religião e Poder no Brasil oitocentista", vinculado à Associação Brasileira de História das Religiões.

Lais da Silva Lourenço, PUC-Campinas

Mestranda do programa de Ciências da Religião da Pontifícia Universidade Católica de Campinas com o projeto "O "retorno" dos jesuítas ao Brasil: o caso ituano entre 1856 à 1918", contemplado com bolsa CAPES. É bacharel e licenciada em História, também pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Atuou como bolsista no Programa Institucional de Bolsa à Iniciação à Docência (PIBID) entre 2012 e 2013 na sub-área de História. Atuou, também, como bolsista no Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC) de agosto de 2013 à agosto de 2015 primeiramente com o projeto ?Entre a política e a religião: Uma análise da imprensa periódica Feijoísta na conjuntura de 1834 a 1835.?, publicado em revista especializada. Posteriormente com o projeto ?Entre o dogma e a disciplina: a polêmica sobre o celibato no contexto da hegemonia liberal-regalista (1826-1842)", também publicado em revista especializada.Educação, política e religião na fixação do núcleo jesuíta em Itú: uma análise a partir do Colégio São Luís (1867- 1918)

Referências

AZEVEDO, F. A inesperada trajetória do ultramontanismo no Brasil Império. In: Perspectiva Teológica, n. 20, 1988, pp. 201-218.

BOURDIEU, P. A Economia das Trocas Simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1974.

COLSATO, A. Organização hierárquica e linguística: o modelo jesuítico após a restauração. São Paulo: USP (Tese de doutorado). 2017.

COSTA, J. Et al. Companhia de Jesus nos séculos XVI: suas influências nos territórios português, indiano e brasileiro. VI Congresso Internacional de História, 25 -27 de setembro de 2013.

FRANÇA, L. O método pedagógico dos jesuítas. O “Ratio Studiorum”. Rio de Janeiro: Agir, 1952.

FONSECA, Sônia. A Hegemonia Jesuítica (1549-1759). In: HISTEDBR, UNICAMP, 2006.

DOMINGOS, S. Política e Religião: repercussões da polêmica sobre o retorno dos jesuítas no Brasil durante o Segundo Reinado (1840-1870). Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2014. (Tese de doutorado).

LOCHER, G. A companhia de Jesus: Centenário da sua Restauração. Porto Alegre: Tipografia do Centro, 1914 (Segunda Edição).

RÉMOND, Rene. (Org.). Por uma história política. Rio de Janeiro: FGV, 2003.

____O retorno do político. In: Questões para a história do presente. CHAVEAU, A.; TÉTARD, Ph. (Orgs.). Bauru: EDUSC, 1999.

SANTIROCCHI, I.. Questão de consciência: os ultramontanos no Brasil e o regalismo do Segundo Reinado (1840-1889). 1. ed. Belo Horizonte: Fino Traço, 2015.

SILVA, Ana Rosa Cloclet da. Inventando a Nação. Intelectuais Ilustrados e Estadistas Luso-Brasileiros na Crise do Antigo Regime Português: 1750-1822. 1. ed. São Paulo: HUCITEC, 2006.

SILVA, Ana Rosa Cloclet da;LOURENCO, L. S. . Entre a política e a religião: uma análise da imprensa periódica feijoísta, na conjuntura de 1834 a 1835. Revista Brasileira de História das Religiões, v. 7, 2015, p. 207-229.

T&M. Colégio São Luís: A educação e os Jesuítas no Brasil (140 anos). T&M: São Paulo, 2007.

WERNET, A.. A Igreja Paulista no século XIX: a reforma de D. Antônio Joaquim de Melo (1851-1861). São Paulo: Editora Ática, 1987.

Downloads

Publicado

2019-05-10

Como Citar

da Silva, A. R. C., & Lourenço, L. da S. (2019). Educação, política e religião na fixação do núcleo jesuíta em Itu: uma análise a partir do Colégio São Luís (1867-1918). Revista Pistis Praxis, 11(1). https://doi.org/10.7213/2175-1838.11.001.DS08