valor e a inviolabilidade da vida humana na perspectiva da Evangelium Vitae e da obra O princípio responsabilidade

Autores

  • Anor Sganzerla Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), Curitiba, PR, Brasil.
  • Waldir Souza Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), Curitiba, PR, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.7213/revistapistispraxis.07.003.ds01

Palavras-chave:

Vida, Dignidade, Inviolabilidade, Tecnociência

Resumo

Vivemos na atualidade um “privilegiado” momento de liberdade individual e ao mesmo tempo de acelerado desenvolvimento tecnocientífico capaz de realizações inimagináveis até pouco tempo em relação à vida humana e a biosfera. Antigos sonhos e desejos humanos são realizados e justificados em nome do direito à liberdade do indivíduo preconizado pelas sociedades democráticas. Essas possibilidades promovidas pelas utopias da civilização tecnocientífica, no entanto, chocam-se com a continuidade e a garantia do valor e da inviolabilidade da vida humana, na medida em que são colocadas acima de qualquer base moral, e em sintonia com os ideais modernos de que se trata de um conflito de direitos e não de um conflito de valores, e com isso tendem a perder o caráter de “crime” para assumir, o caráter de “direitos”. Sem autonomia para avaliar todo o processo, na medida em que o homo faber foi dominado pelo homo sapiens, o ideal prometeico e baconiano do usotécnica, tem se apresentado como a única proposta redentora e salvífica, anulando desse modo, a dimensão do mistério, da esperança e da contingência presente na vida. E para essa ameaça à dignidade da vida humana e da natureza em sua totalidade, na medida em que se privilegia uma postura pró-morte, promovida pelas correntes culturais, econômicas e políticas, portadoras de uma concepção eficientista da sociedade, e não de uma postura pró-vidaque as obras O princípio responsabilidade e a Encíclica Evangelium Vitae buscam dar uma resposta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALTMANN, W.; BOBSIN, O.; ZWETSCH, R. Perspectivas da teologia da libertação: impasses e novos rumos num contexto de globalização. In: Estudos teológicos. São Leopoldo, 37, n 2, p. 135, 1997.

BÍBLIA de Jerusalém. 2ª ed. São Paulo: Paulinas, 1985.

CORREIA, F. A alteridade como critério fundamental e englobante da bioética. In: PESSINI, BARCHIFONTAINE. Fundamentos da bioética. São Paulo: Paulus,1996.

DOMINGUEZ, J. Bem-aventuranças e ética da libertação. In: FABRIS DOS ANJOS, Márcio (Org). Temas latino-americanos de ética. Aparecida: Santuário, 1998, p. 177.

ENGELHARDT JR., T. Fundamentos da bioética. São Paulo: Loyola, 1998.

JOÃO PAULO II. Evangelium Vitae: Carta encíclica sobre o valor e a inviolabilidade da vida humana. São Paulo: Paulinas, 2011.

JONAS H. O princípio vida: fundamentos para uma biologia filosófica. Tradução de Carlos Almeida Pereira. Petrópolis: Editora Vozes, 2004.

JONAS, H. O princípio responsabilidade: ensaio de uma ética para a civilização tecnológica. Tradução de Marijane Lisboa e Luiz Barros Montez. Rio de Janeiro: Contraponto e Ed. PUC-RJ, 2006.

JONAS, H. Técnica, medicina e ética: a prática do princípio responsabilidade. Tradução do grupo da ANPOF. São Paulo: Paulus, 2013.

LEIBNIZ, G. W. Discurso de metafísica. São Paulo: Abril Cultural, 1974.

LEPARGNEUR, H. A dignidade humana, fundamento da bioética e seu impacto para a eutanásia. In: PESSINI, L; BARCHIFONTAINE, C.P. Fundamentos da bioética. São Paulo: Paulus, 1996.

OLIVEIRA, M. A. Ética e práxis histórica. São Paulo: Ática, 1995.

RAHNER. K. O homem e a graça. São Paulo: Paulinas, 1970.

SANCHES, M. A. Bioética ciência e transcendência. São Paulo: Loyola, 2004.

THIEL, M. J. Le défi d’une éthique systémique pour la Théologie. In: Revue des Sciences Religieuses 74 (2000), p. 92-113.

VIDAL, M. A ética civil e a moral cristã. Aparecida: Santuário, 1998.

Downloads

Publicado

2015-09-13

Como Citar

Sganzerla, A., & Souza, W. (2015). valor e a inviolabilidade da vida humana na perspectiva da Evangelium Vitae e da obra O princípio responsabilidade. Revista Pistis Praxis, 7(3), 545–573. https://doi.org/10.7213/revistapistispraxis.07.003.ds01

Edição

Seção

Dossiê