Deus, o ser humano e o mundo nas linguagens imagéticas da religião do coração:códigos e projetos

Autores

  • Helmut Renders Faculdade de Teologia da Igreja Metodista Umesp

DOI:

https://doi.org/10.7213/pp.v1i2.10689

Palavras-chave:

Religião do coração, Religião cordial, Livros emblemáticos, Espiritualidade, Teologia pública.

Resumo

A religião do coração, popularmente designada também como religião cordial, é uma expressão vital da religiosidade brasileira. O artigo explora os códigos imagéticos usados por algumas das suas diversas vertentes no decorrer de 500 anos para direcionar os relacionamentos entre o ser humano e Deus, e o ser humano e o mundo. A investigação é feita numa perspectiva ecumênica sobre consideração de autores e editorações católicos, luteranos, puritanos, anglicanos, presbiterianos, metodistas, batistas e pentecostais. Levanta-se a hipótese de que a investigação da religião do coração no Brasil seja uma possível ferramenta para entender melhor a conexão transconfessional de vertentes parecidas em denominações distintas, fenômeno que a comparação doutrinária não explica. Mesmo assim, não se perde de vista que a própria religião do coração faz parte de um processo dinâmico e contínuo de significação e ressignificação, desde a época medieval, até a “pós”modernidade. Esta significação e ressignificação apropriam-se dos códigos anteriores, dialogam com seu cotidiano e deixam transparecer projetos eclesiásticos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Helmut Renders, Faculdade de Teologia da Igreja Metodista Umesp

Doutor em Ciências da Religião pela Universidade Metodista de São Paulo (Umesp) e Doctor of Ministry pelo Wesley Seminary, Washington, D.C., EUA, Professor na Faculdade de Teologia da Igreja Metodista Umesp e presbítero da Igreja Metodista Unida na Alemanha, Alemanha.

Referências

ACHEN, H. L. von: Human heart and Sacred Heart: reining in religious individualism. The heart figure in 17th century devotional piety and the emergence of the cult of the Sacred Heart. In: AMUNDSEN, A. B.; LAUGERUD, H. (Ed.). Categories of Sacredness in Europe, 1500-1800. Oslo:

Universitetet i Oslo, 2003. p. 131-158.

BINGEMER, M. C. L. A mística cristã em reciprocidade e diálogo: a mística católica e o desafio inter-religioso. In: TEIXEIRA, F. (Org.). No limiar do mistério: mística e religião. São Paulo: Paulinas, 2004. p. 35-73.

______. A misericórdia do coração de Jesus e a opção pelos pobres. In: LIBÂNIO, J. B. (Ed.). Um coração novo para um mundo novo. São Paulo: Loyola, 1988. p. 74-105.

BOEHME, J. De testamentis Christi. [S.l.: s.n.], 1623.

CAMPBELL, T. The religion of the heart: a study of European religious life in the seventeenth and eighteenth century. Columbia: Wipf & Stock Publishers, 2000.

CRAMER, D. Emblemata sacra. Franckfurt am Mayn: Jennis, 1624. Disponível em: <http://diglib.hab.de/drucke/th-470/start.htm>. Acesso em: 12 mar. 2009.

FEIL, E. Religio: die geschichte eines neuzeitlichen grundbegriffs vom frühchristentum bis zur reformation. Göttingen: Vandenhoeck & Ruprecht, 1986.

GINTHER ANTONII. Speculum amoris et doloris in sacratissimo ac divinissimo Corde Jesu incarnati, eucharistici, et crucifixi, orbi Christiano propositum. Augsburg: Martin Veith, 1731.

GOSSNER, J. E. Das herz des menschen: ein tempel gottes oder eine werkstätte des Satans. Harrisburg, PA: Gedruckt und zu haben bey Gustav S. Peters, 1831.

______. Um folheto célebre ou o livrinho do coração: o coração humano templo de Deus ou de Satanás, representado por dez geniais ilustrações para edificação e despertamento da cristandade. Tradução de André Jensen. São Paulo: Casa Vanorden, 1914.

______. Um folheto célebre ou o livrinho do coração: o coração humano templo de Deus ou de Satanás, representado por dez geniais ilustrações para edificação e despertamento da cristandade. Tradução de André Jensen. 20. ed. São Bernardo do Campo, SP: Imprensa Metodista, 1970.

HAMBURGER, J. F. Nuns as artists: the visual culture of a medieval convent.

Berkeley: University of California Press, 1997.

HERMANN, H. Pia Desideria: or divine addresses in three books. Written in Latin by Herm. Hugo. Englished by EDM. Arwaker, M.A. The third edition corrected. London: Printed for Henry Bonwicke, 1624-1702.

JAGER, E. The book of the heart: reading and writing the medieval subject. Speculum Articles, n. 71, p. 1-26, 1996.

JAGER, E. Reading the book of the heart from the middle ages to the twentyfirst century. Chicago: University of Chicago Press, 2000.

KAIM, P. Helleleuchtender hertzens-spiegel [...] samt einem gebetsbüchlein. Amsterdam e Dantzig: bei Heinrich Betkio und Consorten, 1680.

LIBÂNIO, J. B. O amor misericordioso do coração de Cristo e a libertação integral do homem: um coração novo para um mundo novo. São Paulo: Loyola, 1988.

MAÇANEIRO, M. Espiritualidade do coração de Jesus, hoje: reflexão a partir da América Latina. Grande Sinal, Curitiba, v. 44, n. 4, p. 389-401, 1990.

______. Espiritualidade do coração de Jesus e reparação na América Latina: acenos históricos e pistas para uma nova hermenêutica. Grande Sinal, Curitiba, v. 46, n. 3, p. 323-335, 1992.

______. Oblação e solidariedade como mística do coração. Grande Sinal, Curitiba, v. 51, n. 3, p. 269-289, 1997.

MÖDERSHEIM, S. “Biblische Metaphorik in Daniel Cramers `80 Emblemata Moralia Nova´”, In: THE EUROPEAN EMBLEM. SELECTED PAPERS FROM THE GLASGOW CONFERENCE, 1., 1987. Leiden. Preceedngs...

Leiden: Brill, 1990. p. 107-116.

PORCILE, T. Teologia do coração e influência social na América Latina (I). Grande Sinal, Curitiba, v. 51, n. 2, p. 193-210, 1997a.

______. Teologia do coração e influência social na América Latina (II). Grande Sinal, Curitiba, v. 51, n. 3, p. 335-344, 1997b.

QUARLES, F. Emblems, divine and moral, together with Hieroglyphicks of the life of man. London: In the Savoy, Printed by J/Nutt, and sold by E. Nutt, 1635.

RAHNER, K. Ignatianische Frömmigkeit und Herz-Jesu-Verehrung. In: RAHNER, K. Sendung und Gnade. Innsbruck: Tyrolia, 1959. p. 510-533.

______. Einige thesen zur theologie der herz-jesu-verehrung. In: RAHNER, K. Schriften zur Theologie, Benziger, 1956. v. 3. p. 391.

RENDERS, H. A teoria da Figura como chave de leitura das representações do divino e as crises eclesiásticas contemporâneas: uma introdução. Caminhando, São Paulo, v. 11, n. 17, p. 47-60, 2006a. Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2009.

______. Revelação de Deus e resposta humana na perspectiva da teoria da Figura. Caminhando, São Paulo, v. 11, n. 18, p. 55-68, 2006b. Disponível em: < http://www.metodista.br/ppc/caminhando/caminhando-18/revelacao-dedeus-e-resposta-humana-na-perspectiva-da-teoria-da-Figura >. Acesso em: 23 mar. 2009.

______. Somos deste mundo?! Imaginário sóciorreligioso e engajamento na sociedade: luz do mundo, sal da terra: 100 anos do Credo Social Metodista. São Bernardo do Campo, SP: Editeo, 2009a.

______. Imaginário religioso católico-prostestante-pentecostal?: as implicações das múltiplas re-edições do “Livrinho do coração: ciências da religião - história e sociedade”. (Publicação prevista para 2009b).

SAUVY, A. Le miroir du cæur: quatre siècles d’images savantes et populaires. Paris: Les Editions du Cerf, 1989.

SLIGHTS, W. W. E. The heart in the age of Shakespeare. New York: Cambridge University Press, 2008.

SPENER, P. J. Pia desideria oder herzliches verlangen nach gottgefälliger besserung der wahren evangelischen Kirche. [S.l.: s.n.], 1675.

SPENER, P. J. Historia insignium illustrium seu operis heraldici pars specialis. Frankfurt: Schönwetterus, 1717.

STEELE, R. B. “Heart religion” in the methodist tradition and related movements. Lanham: Scarecrow Press, 2001. (Coletânea: Pietist and Wesleyan Studies, n.12).

WIERIX, A. Cor Iesv amanti sacrvm. [S.l.: s.n.], 1585/86.

WRIGHT, W. M. France and the cult of the sacred heart: an epic tale for modern times. Spiritus: A journal of Christian spirituality, Baltimore, v. 2, n. 1, p. 127-129, 2002.

Downloads

Publicado

2009-10-24

Como Citar

Renders, H. (2009). Deus, o ser humano e o mundo nas linguagens imagéticas da religião do coração:códigos e projetos. Revista Pistis Praxis, 1(2), 373–413. https://doi.org/10.7213/pp.v1i2.10689