Saúde mental e estratégias de coping: estudos de casos múltiplos com universitários cotistas

Patrícia Albanaes, Maiana Farias Oliveira Nunes, Marucia Patta Bardagi

Resumo


A literatura científica tem investigado de forma consistente os múltiplos desafios intrínsecos à experiência universitária ao longo das últimas décadas. Contudo, possíveis especificidades enfrentadas por grupos historicamente excluídos desse nível de ensino, que tem a possibilidade de ingresso nas universidades pelas políticas de ações afirmativas, ainda carecem de uma maior apreciação. Este estudo objetivou compreender como universitários cotistas de uma universidade federal do sul do Brasil percebem a sua saúde mental após o ingresso no Ensino Superior. Complementarmente, buscou-se identificar quais as variáveis são percebidas como fatores de risco à sua saúde psicológica, e quais as estratégias de enfrentamento, ou coping, são utilizados diante dos desafios no cotidiano acadêmico. Realizou-se entrevistas semiestruturadas com 10 cotistas e posteriormente recorreu-se a análise de conteúdo temática de base bardiniana. Identificou-se os seguintes fatores de risco: autocobrança, dificuldades financeiras, elevada cobrança curricular, base escolar anterior frágil, despreparo do corpo docente na interação com discentes, dificuldades na organização dos estudos/tempo, e dificuldade conciliação trabalho-estudo. Estratégias focadas no problema em conjunto com o apoio social foram citadas como predominantes. Discute-se a necessidade de desenvolvimento de ações institucionais voltadas para o desenvolvimento de competências acadêmicas transversais e de autorregulação, assim como de mentoria/tutoria.


Palavras-chave


saúde mental, adaptação psicológica, ação afirmativa, educação superior.

Texto completo:

PDF

Referências


Albanaes, P. (2019). Qualidade das vivências acadêmicas percebida por estudantes cotistas na Universidade Federal de Santa Catarina (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Almeida, L. S., Soares, A. P. C., & Ferreira, J. A. G. (2000). Transição e adaptação à universidade: apresentação de um Questionário de Vivências Acadêmicas. Revista Psicologia (Lisboa), 14(2), 189-208. Recuperado de http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0874-20492000000200005

Ariño, D. O. (2018) Relação entre vulnerabilidade psicológica, vivências acadêmicas e autoeficácia em estudantes universitários (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. (1a ed. de 2016). São Paulo, SP: Edições 70.

Bello, L. (2013). Jovens negros e Ensino Superior no Brasil: desvantagens no acesso e o processo de resiliência. Identidade (Online), 18(2), 214-228. Recuperado de http://www.periodicos.est.edu.br/index.php/identidade/article/view/1014

Brandão, A. S., Bolsoni-Silva, A. T., & Loureiro, S. R. (2017). The predictor of graduation: social skills, mental health, academic characteristics. Paidéia, 27(66), 117-125. doi: https://dx.doi.org/10.1590/1982-43272766201714

Carlotto, M. S., Câmara, S. G., Otto, F., & Kauffmann, P. (2009). Síndrome de burnout e coping em estudantes de psicologia. Boletim de Psicologia, 59(131), 167-178. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0006-59432009000200004

Carlotto, R. C., Teixeira, M. A. P., & Dias, A. C. G. (2015). Adaptação acadêmica e coping em estudantes universitários. Psico-USF, 20(3), 421-432. doi: https://dx.doi.org/10.1590/1413-82712015200305

Coutinho, J., & Oliveira, A. (2014). Redução de riscos no trabalho sexual em Portugal: representações dos técnicos interventores. Psicologia, Saúde e Doenças, 15(2), 538-553. Recuperado de http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s1645-00862014000200016

Deasy, C., Coughlan, B., Pironom, J., Jourdan, D., & Mannix-McNamara, P. (2014). Psychological distress and coping amongst higher education students: A mixed method enquiry. Plos one, 9(12), e115193. doi: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0115193

El-Ghoroury, N., Galper, D. I., Sawaqdeh, A., & Bufka, L. F. (2012). Stress, coping, and barriers to wellness among psychology graduates students. Training and Educacional in Professional Psychology, 6(2), 122-134. doi: https://doi.org/10.1037/a0028768

Graner, K. M., & Cerqueira, A. T. D. A. R. (2019). Revisão integrativa: sofrimento psíquico em estudantes universitários e fatores associados. Ciência & Saúde Coletiva, 24, 1327-1346. doi: https://doi.org/10.1590/1413-81232018244.09692017

Hersi, L., Tesfay, K., Gesesew, H., Krahl, W., Ereg, D., & Tesfaye, M. (2017). Mental distress and associated factors among undergraduate students at the University of Hargeisa, Somaliland: a cross-sectional study. Int J Ment Health Syst, 11(39). doi: https://doi.org/10.1186/s13033-017-0146-2

Lazarus, R. S., & Folkman, S. (1984). Stress, appraisal, and coping. New York, United States: Springer.

Lei 12.711. (2012, 29 de agosto). Dispõe sobre o ingresso nas IES federais e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República.

Luca, L., Noronha, A. P. P, & Queluz, F N. F. R. (2018). Relações entre estratégias de coping e adaptabilidade acadêmica em estudantes universitários. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 19(2), 169-176. doi: https://dx.doi.org/1026707/1984-7270/2019v19n2p169

Mayorga, C., & Souza, L. M. (2012). Ação afirmativa na universidade: a permanência em foco. Revista Psicologia Política, 12(24), 263-281. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-549X2012000200006

Nery, M. P., & Costa, L. F. (2009). Afetividade entre estudantes e sistema de cotas para negros. Paidéia (Ribeirão Preto), 19(43), 257-266. doi: https://dx.doi.org/10.1590/S0103-863X2009000200014

Neves, P. S. C., Faro, A., & Schmitz, H. (2016). As ações afirmativas na Universidade Federal de Sergipe e o reconhecimento social: a face oculta das avaliações. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 24(90), 127-160. doi: https://dx.doi.org/10.1590/S0104-40362016000100006

Passos, J. C. (2015). Relações raciais, cultura acadêmica e tensionamentos após ações afirmativas. Educação em Revista, 31(2), 155-182. doi: https://dx.doi.org/10.1590/0102-4698134242

Peixoto, A. L. A., Ribeiro, E. M. B. A., Bastos, A. V. B., & Ramalho, M. C. K. (2016). Cotas e desempenho acadêmico na UFBA. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, 21(2), 569-592. doi: https://dx.doi.org/10.1590/S1414-40772016000200013

Pereira, J. F. S. M. (2017). Procrastinação, Autodeterminação e Estratégias de Coping em Estudantes Universitários (Dissertação de Mestrado). Escola de Psicologia e Ciências da Vida, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Lisboa.

Ribeiro, E. M. B. de A., Peixoto, A. de L. A., & Bastos, A. V. B. (2017). Interação entre estudantes cotistas e não cotistas e sua influência na integração social e desempenho acadêmico na universidade. Estudos de Psicologia, 22(4), 401-411. doi: https://dx.doi.org/10.22491/1678-4669.20170041

Richardson, T., Elliot, P., Roberts, R., & Jansen, M. (2017). A longitudinal study of financial difficulties and mental health in a national sample of british undergraduate students. Community Mental Health Journal, 53, 344-352. doi: https://doi.org/10.1007/s10597-016-0052-0

Santos, P. V. (2013). Adaptação à universidade dos estudantes cotistas e não cotistas: relação entre vivência acadêmica e intenção de evasão (Dissertação de mestrado, Instituto de Psicologia, Universidade Federal da Bahia, Salvador). Recuperado de http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/14513

Soares, A. B., Monteiro, M. C., Souza, M. S. de, Maia, F. A., Medeiros, H. C. P., & Barros, R. de S. N. (2019). Situações Interpessoais Difíceis: Relações entre Habilidades Sociais e Coping na Adaptação Acadêmica. Psicologia: Ciência e Profissão, 39, e183912, 1-13. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1982-3703003183912

Soares, A. B., & Prette, Z. A. P. D. (2015). Habilidades sociais e adaptação à universidade: Convergências e divergências dos construtos. Análise Psicológica, 33(2), 139-151. doi: http://dx.doi.org/10.14417/ap.911

Tong A, Sainsbury P, & Craig J. (2007). Consolidated criteria for reporting qualitative research (COREQ): a 32-item checklist for interviews and focus groups. International Journal for Quality in Health Care, 19(6), 349-357. doi: https://doi.org/10.1093/intqhc/mzm042

Vieira, L. N., & Schermann, L. B. (2015). Estresse e fatores associados em alunos de Psicologia de uma Universidade particular do Sul do Brasil. Aletheia, (46), 120-130. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-03942015000100010

Yin, R. K. (2015). Estudo de caso: planejamento e métodos. (5. ed.). Porto Alegre, RS: Bookman.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/psicolargum39.105.AO04

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Editora Universitária Champagnat