Formação do psicólogo para atuação comunitária no contexto das drogas: uma análise das matrizes curriculares

Claudia Daiana Borges, Adria Lima, Charlene Fernanda Thurow, Priscila Tomasi Torres, Virgínia Lima dos Santos Levy

Resumo


A Psicologia Comunitária enfatiza a prevenção e promoção da saúde. Neste contexto, questões relacionadas ao consumo de drogas emergem enquanto demanda de trabalho. Diante disso, este estudo teve como objetivo analisar a formação do psicólogo em relação a atuação no contexto comunitário frente às demandas relacionadas ao uso de drogas a partir da análise das Matrizes Curriculares. Para tanto, realizou-se uma análise das matrizes curriculares dos cursos de Psicologia do Sul do país. Dos 102 cursos analisados, 21 oferecem disciplinas sobre drogas e 73 sobre comunidade. Em 12 instituições, foi identificada a presença de ambas as disciplinas. Tais resultados indicam que, embora a formação do Psicólogo tenha avançado quanto à Psicologia Comunitária, o tema “drogas” ainda é pouco explorado, o que dificulta ações pautadas num aporte teórico-metodológico que convirjam com evidências científicas relacionadas ao tema. É imprescindível uma formação que prepare o profissional para atuar de forma ética e comprometida com demandas relacionadas à questão do consumo de drogas presentes na comunidade.


Palavras-chave


Formação; Psicologia Comunitária; Álcool e outras drogas

Texto completo:

PDF PDF PDF

Referências


Acselrad, G. Os desafios para uma formação em álcool e outras drogas baseados nos direitos humanos. (2017). In: Dalla Vecchia, M.; Ronzani, T.; Paiva, F.; Batista, C.; & Costa, P. (orgs.). Drogas e direitos humanos: reflexões em tempos de guerra às drogas. Porto Alegre: Rede Unida.

Azevêdo, A. V. S., & Pardo, M. B. L. (2016). Formação e Atuação em Psicologia Social Comunitária. Psicologia em Pesquisa. 8(2), 200-2010. doi:10.24879/201400800200235

Baima, L. S., & Guzzo, R. S. L. (2015). Formación en psicología y práctica comunitaria: problematización de la psicología social comunitaria en Brasil. Revista de psicologia política [online], 15(32), 33-47. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-549X2015000100003&lng=pt&nrm=iso

Batista, C. B., Vasconcelos, M. P. N., Dalla Vecchia, M., & Queiroz, I. S. (2019). A educação permanente em redução de danos: experiência do Curso de Atenção Psicossocial em Álcool e outras Drogas. Interface - Comunicação, 23, e180071. doi:10.1590/interface.180071

Bernardes, J. S. (2012). A formação em Psicologia após 50 anos do Primeiro Currículo Nacional da Psicologia: alguns desafios atuais. Psicologia: Ciência e Profissão, 32(spe), 216-231. doi:10.1590/S1414-98932012000500016

Bock, A. M. B. (2015). Perspectivas para a formação em Psicologia. Psicologia: Ensino & Formação, 6(2), 114-122. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2177-20612015000200009&lng=pt&tlng=pt

Borges, C. D., Jesus, L. O., & Schneider, D. R. (2018). Prevenção e promoção da saúde: revisão integrativa de pesquisas sobre drogas. Psicologia em Pesquisa, 12(2), 5-13. doi:10.24879/2018001200200458

Conselho Federal de Psicologia. (2005). Código de Ética Profissional do Psicólogo. Brasília: CFP. Recuperado de https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2012/07/codigo-de-etica-psicologia.pdf.

Conselho Federal de Psicologia (CFP). (2012). 50 anos da Profissão no Brasil, 23(104), 8-15. Recuperado de https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2013/01/Jornalespecial1.pdf

Conselho Federal de Psicologia (CFP). (2013). Referências técnicas para a atuação de psicólogas(os) em políticas públicas de álcool e outras drogas. Brasília: CFP. Recuperado de https://site.cfp.org.br/publicacao/referencias-tecnicas-para-atuacao-de-psicologasos-em-politicas-publicas-sobre-alcool-e-outras-drogas/

Conselho Federal de Psicologia (CFP). (2018). Ano da Formação em Psicologia 2018: Revisão das diretrizes curriculares nacionais para os cursos de graduação em psicologia. Brasília: CFP. Recuperado de http://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2018/01/cartilha-Ano-da-Forma%C3%A7%C3%A3o-em-Psicologia.pdf

Cury, B. M., & Ferreira Neto, J. L. (2014). Do Currículo Mínimo às Diretrizes Curriculares: os estágios na formação do psicólogo. Psicologia em Revista, 20(3), 494-512. doi:10.5752/P.1678-9523.2014V20N3P494

Departamento Intersetorial de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE). (2016). Levantamento de informações sobre a inserção dos psicólogos no mercado de trabalho brasileiro. São Paulo: DIEESE. Recuperado de https://site.cfp.org.br/dieese-divulga-pesquisa-sobre-a-insercao-de-psicologos-as-no-mercado-de-trabalho/

Freitas Campos, R. H. (2015). Psicologia social comunitária: Da solidariedade à autonomia. Petrópolis: Vozes.

Freitas, M. F. Q. (2015). Práxis e formação em Psicologia Social Comunitária: exigências e desafios ético-políticos. Estudos de Psicologia, 32(3), 521-532. Recuperado de http://www.redalyc.org/html/3953/395351996017/

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa (4. ed.). São Paulo: Atlas.

Góis, C. W. L. (2008). Saúde comunitária: pensar e fazer. São Paulo: Hucitec.

Gonçalves, M. A., & Portugal, F. T. (2012). Alguns apontamentos sobre a trajetória da psicologia social comunitária no Brasil. Psicologia: Ciência e Profissão, 32(1), 138-153. Recuperado de http://www.redalyc.org/html/2820/282024795009/

Lima Junior, J.; Silva, E.; Moura, Y.; Reinaldo, A.; & Costa, I. Os desafios do cuidado em saúde para a formação em álcool e outras drogas baseada nos direitos humanos. (2017). In: Dalla Vecchia, M.; Ronzani, T.; Paiva, F.; Batista, C.; & Costa, P. (orgs.). Drogas e direitos humanos: reflexões em tempos de guerra às drogas. Porto Alegre: Rede Unida.

Levy, V. L. S. (2018). A terapêutica de um “CAPS AD” em um coletivo de fotografia. Fractal: Revista de Psicologia [online], 30(3). Recuperado de http://periodicos.uff.br/fractal/article/view/5518/15937

Lima, A. I. O., Dimenstein, M., & Macedo, J. P. (2015). Consumo de álcool e drogas e o trabalho do psicólogo no núcleo de apoio à saúde da família. Psicologia em Pesquisa, 9(2), 188-197. doi:10.24879/2015009002008

Monteiro, W. S., Silva, F. V., Silva, L.,& Wehrmann, M. S. (2016). Ética: uma reflexão profissional. Revista Reenoma, 1(1), Mato Grosso.

Ornelas, J., & Vargas-Moniz, M. (2014). Formação em Psicologia Comunitária e os seus contributos pedagógicos para a Participação Cívica. Educar em Revista, 30(53), 39-58. doi:10.1590/0104-4060.36580

Pereira, M. C. S. (2008). O mundo contemporâneo e o compromisso de psicólogos com a definição de uma nova estética da vida social. In A. F. Silveira, et al. (Org.), Cidadania e participação social [online] (pp. 35-43). Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais.

Pires, R. R., & Ximenes, V. M. (2014). Sentidos sobre o uso de drogas construídos por psicólogos: implicações práticas. Revista de Psicologia da UNESP. 13(2), 41-51. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-90442014000200005&lng=pt&tlng=pt

Resolução nº 5, de 15 de março de 2011. (2011). Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia, estabelecendo normas para o projeto pedagógico complementar para a Formação de Professores de Psicologia. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=7692-rces005-11-pdf&category_slug=marco-2011-pdf&Itemid=30192

Resolução nº 8, de 7 de Maio de 2004. (2004). Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=7690-rces004-08-pdf&category_slug=marco-2011-pdf&Itemid=30192

Schneider, D. R. (2010). Horizonte de racionalidade acerca da dependência de drogas nos serviços de saúde: implicações para o tratamento. Ciência & Saúde Coletiva, 15, 687-698. Recuperado de https://www.scielosp.org/scielo.php?pid=S1413-81232010000300011&script=sci_arttext&tlng=en

Silva, D. L. S., & Knobloch, F. (2016). A equipe enquanto lugar de formação: a educação permanente em um Centro de Atenção Psicossocial Álcool e outras drogas. Interface - Comunicação, Saúde, Educação [online], 20(57), 325-335. doi:10.1590/1807-57622015.0061

Yamamoto, O. H. (2012). 50 anos de profissão: responsabilidade social ou projeto ético-político?. Psicologia: Ciência e Profissão, 32(spe), 6-17. doi:10.1590/S1414-98932012000500002




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/psicolargum39.105.AO01

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Editora Universitária Champagnat