Espiritualidade e bioética: prevenção da “violência” em instituições de saúde

Cássia Quelho Tavares

Resumo


A proposta deste artigo é refletir sobre a dimensão da espiritualidade e da bioética, em vista da construção do diálogo como caminho possível para um cuidado mais humanizado e solidário, prevenindo os mecanismos de violência institucional. A fundamentação teórica dos temas centrais como espiritualidade, vulnerabilidade e humanização do cuidado é apresentada a partir dos seguintes recortes: da teologia, em Karl Rahner; da filosofia do inter-humano, em Martin Buber; e da educação, em Paulo Freire, onde humanização e diálogo se entrecruzam. A vulnerabilidade humana sobressai em nossas unidades de saúde, infelizmente, em parte, reforçada pelas dificuldades relacionais entre profissional de saúde-paciente-família. Essas linhas não resultam de uma pesquisa formal, mas é fruto da experiência profissional da autora como enfermeira e teóloga, comprometida com a criação de “espaços protegidos”, “rodas de conversa”, lugares onde o profissional-cuidador pode ser acolhido, sentindo-se cuidado. Essas iniciativas demonstram que o diálogo e a espiritualidade, experimentados de maneira mais genuína, resultam na qualidade da assistência oferecida ao usuário dos serviços de saúde pública e complementar, bem como na motivação dos profissionais. Esperamos que esta reflexão fomente novos espaços de partilha solidária, nos quais cuidado, competência e saberes interdisciplinares se encontrem.


Palavras-chave


Espiritualidade; Bioética; Humanização da Assistência.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, G. A. Mediação, proteção local dos direitos humanos e prevenção da violência. Revista Brasileira de Segurança Pública, ano 1, edição 2, p. 136-149, 2007.

BARCHIFONTAINE, P.; ZOBOLI, E. Bioética, vulnerabilidade e saúde. São Paulo: São Camilo, 2007.

BARROS, A. L. B. L. et al. Anamnese e exame físico. Avaliação diagnóstica de enfermagem no adulto. Porto Alegre: Artmed, 2003.

BOFF, L. Saber cuidar: ética do humano-compaixão pela terra. Petrópolis: Vozes, 1999.

BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Cuidados paliativos oncológicos: controle de sintomas. Rio de Janeiro: INCA, 2001. Disponível em: . Acesso em: nov. 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. HumanizaSUS: Política Nacional de Humanização: a humanização como eixo norteador das práticas de atenção e gestão em todas as instâncias do SUS/Ministério da Saúde, Secretaria-Executiva, Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Brasília: Ministério da Saúde, 2004. Disponível em:. Acesso em: jun. 2012.

BUBER, M. Eu e tu. 2. ed. rev. São Paulo: Cortez & Moraes, 1979.

BUBER, M. Do diálogo e do dialógico. Tradução, introdução e notas de Newton Aquiles von Zuben. São Paulo: Perspectiva, 2007.

FIGUEIREDO, N. M. A. (Org.). Tecnologias e técnicas em saúde. Como e por que utilizá-las no cuidado de enfermagem. São Paulo: Difusão Editora, 2004.

FREIRE, P. Educação e mudança. 14. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1988.

FREIRE, P. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. São Paulo: Paz e Terra. 1992.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. 30 ed. São Paulo: Paz e Terra, 2007.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 37. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

GUIMARÃES, H. P.; AVEZUM, A. O impacto da espiritualidade na saúde física. Revista Psiquiatria Clínica, v. 34, supl.1, p. 88-94, 2007.

MILLEN, M. I. Espiritualidade e comportamento em saúde. In: MARTINS, A. A.; MARTINI, A. Teologia e saúde: compaixão e fé em meio à vulnerabilidade humana. São Paulo: Paulinas, 2012.

MUSZKAT, M. E. Guia prático de mediação de conflitos: em famílias e organizações. 2. ed. rev. São Paulo: Summus, 2008.

PESSINI, L. Espiritualidade e a arte de cuidar: o sentido da fé para a saúde. São Paulo: São Camilo, Paulinas, 2010.

ROCHA, P. K. et al. Cuidado e tecnologia: aproximações através do modelo de cuidado. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 61, n. 1, p. 113-116, jan./fev. 2008.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE RESILIÊNCIA – SOBRARE. Desenvolvendo liderança resiliente em áreas estratégicas. O que é resiliência? Disponível em: . Acesso em: 11 out. 2012.

TEIXEIRA, F. Karl Rahner e as religiões. 1987. Disponível em: . Acesso em: jun. 2012.

ZOBOLI, E. L. P.; PEGORARO, P. B. B. Bioética e cuidado: o desafio espiritual. O Mundo da Saúde, v. 31, n. 2, p. 214-224, abr./jun. 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/revistapistispraxis.7674

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.