Pluralismo e alteridade: o lugar que os segmentos [T] LGBTTTI ocupam no currículo da disciplina de Ensino Religioso nas escolas estaduais e municipais de Recife (PE)

Aurenéa Maria de Oliveira

Resumo


A disciplina de Ensino Religioso (ER), com oferta “garantida” nas escolas públicas pela atual LDB de 1996, apresenta em sua concepção/reconfiguração atual conteúdos programáticos emblemáticos/fronteiriços e enviesados que servem como campo de investigação cultural acerca do entendimento de lugares que segmentos socialmente marginalizados ocupam dentro de cosmologias religiosas circulantes no Brasil. Assim, por meio do currículo e dos componentes ministrados nesta disciplina, podemos analisar e questionar demarcações feitas em torno de posições inferiores e/ou não que grupos como o LGBTTTI, por exemplo, possuem, especialmente quando essas demarcações implicarem estímulo a práticas de domesticação, estigmatização, intolerância e violência, isso como reflexo de perspectivas homofóbicas e/ou, por outro lado, quando essas delimitações implicarem respeito às diferenças e diversidade sexual com promoção de subversão a posturas e relações heteronormativas. Neste caso, este é o principal foco de investigação desta pesquisa, realizada em escolas estaduais e municipais de Recife (PE) com financiamento da Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco (Facepe), e este foco será examinado numa perspectiva pós-estruturalista.

Palavras-chave


Ensino Religioso; Currículo; Escolas; Pluralismo.

Texto completo:

PDF

Referências


BURITY, J. A. Identidade e política no campo religioso: estudos sobre cultura, pluralismo e o novo ativismo eclesial. Recife: Editora Universitária UFPE, 1997.

BUTLER, J. Problemas de gêneros: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

BUTLER, J. Regulaciones de género. Trad. Moisés Silva. Revista de Estudios de Géneros: La Ventana, n. 23, p. 7-35, 2006.

BUTLER, J. Cuerpos que importan: sobre los limites materiales y discursivos del “sexo”. Buenos Aires: Paidós, 2008.

GEERTZ, C. A Interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Guanabara, 1989.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de janeiro: DP&A, 2005.

JUNQUEIRA, S. R. A. O processo de escolarização do Ensino Religioso no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2002.

LACLAU, E.; MOUFFE, C. Hegemony & socialist strategy: towards a radical democratic politics. London: Verso, 1985.

LOPES, A. C.; MACEDO, E. Teorias de currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

MATOS, M. C. de; PAIVA, E. V. de. Hibridismo e currículo: ambivalências e possibilidades. Currículo sem Fronteiras, v. 7, n. 2, p. 185-201, jul./dez. 2007.

MENDONÇA, D. de. A noção de antagonismo na ciência política contemporânea: uma análise a partir da perspectiva da Teoria do Discurso. Revista de Sociologia e Política, n. 20, p. 135-145, jun. 2003.

MENDONÇA, D. A teoria da hegemonia de Ernesto Laclau e a análise política Brasileira. Ciências Sociais Unisinos, v. 43, n. 3, p. 249-258, set./dez. 2007.

MOUFFE, C. O regresso do político. Lisboa: Gradiva, 1993.

NOVENA, N. P. A Sexualidade na organização escolar: narrativas do silêncio. 2004. 260 f. Tese (Doutorado em Sociologia) — Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2004.

OLIVEIRA, L. B. de et al. Ensino Religioso: no Ensino Fundamental. São Paulo: Cortez, 2007.

OLIVEIRA, A. M. de; SILVA, D. E. da. Alteridade x intolerância: diretrizes curriculares que podem embasar mais democrática e pluralmente o Ensino Religioso. Revista Teias, v. 13, n. 27, p. 139-160, jan./abr. 2012.

OLIVEIRA, A. M. de. Ensino Religioso e currículo: uma discussão envolvendo princípios de tolerância e alteridade a partir da perspectiva de Laclau e Mouffe.

In: COLÓQUIO SOBRE QUESTÕES CURRICULARES, 10.; COLÓQUIO LUSOBRASILEIRO DE CURRÍCULO, 6., 2012, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: UFMG, 2012.

OLIVEIRA, A. M. de; MIRANDA, M. H. G. de. A visibilidade de corpos gendrados: interfaces com o campo político e educacional. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL REDES, 7., 2013, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: UERJ, 2013.

OLIVEIRA, B. M. Sexualidade na escola: representações dos docentes do ensino fundamental. 2001. 163 f. Dissertação (Mestrado em Educação) — Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2001.

OLIVEIRA, I. B. O currículo como criação cotidiana. Rio de Janeiro: Faperj, 2012.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas:

Unicamp, 1988.

RICOUER, P. Etapa atual do pensamento sobre a tolerância. In: ACADEMIA UNIVERSAL DAS CULTURAS (Org.). A intolerância. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000.

SEMPRINI, A. Multiculturalismo. São Paulo: Edusc, 1999.

VÁZQUEZ, C. M. A. Globalizatión y multiculturalismo: son posibles las democracias multiculturais en la era del globalismo? Scripta Nova: Revista Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales, v. 7, n. 135, feb. 2003. Disponível em: . Acesso em: 4 fev. 2014.

VELHO, O. Besta fera: recriação do mundo — ensaio crítico de antropologia. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1995.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/revistapistispraxis.06.002.ds11

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.