Religiosidade/espiritualidade na educação e na saúde: ensino e extensão

Luciana Fernandes Marques

Resumo


Como professora e pesquisadora tenho investigado o tema da Religiosidade/ Espiritualidade (R/E) desde 1992, quando iniciei meu mestrado sobre Práticas Alternativas em Psicologia. De lá para cá houve um incremento substancial na produção acadêmica e já há um vasto campo de estudos na Psicologia e em outras disciplinas afins. Embora as várias áreas de atuação possam incorporar intervenções na dimensão religiosa/espiritual, parece que é na Psicologia que esse tema pode melhor ser aprofundado, conhecendo as percepções, relatos, sentidos e significados atribuídos pelas pessoas e a influência disso no comportamento. Este trabalho apresenta atividades de pesquisa, ensino e extensão que pretendem oferecer, aos campos da saúde e da educação, as contribuições da Psicologia da Religião e da Espiritualidade, informando sobre conceitos e teorias, apresentando metodologias de intervenção e sensibilizando estudantes e profissionais para a própria R/E, seja como forma de autocuidado, seja como desenvolvimento do Ser e autoconhecimento.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, J. S.; JUNGES, J. R.; LÓPEZ, L. C. A dimensão religiosa dos usuários na prática do atendimento à saúde: percepção dos profissionais da saúde. O Mundo da Saúde, São Paulo, v. 34, n. 4, p. 430-436, 2010.

ANGERAMI-CAMON, V. A. Religiosidade e psicologia: a contemporaneidade da fé religiosa nas lides acadêmicas. In: ANGERAMI, V. A. (Org.), Psicologia e religião. São Paulo: Cengage Learning, 2008. p. 1-42.

BELZEN, J. A. Para uma Psicologia Cultural da Religião. Princípios, Aproximações, Aplicações. São Paulo: Editora Ideias e Letras, 2010.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. GABINETE DO MINISTRO 2006. Portaria MS/GM n° 971, 3 de maio de 2006. Aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema único de Saúde. Diário Oficial da União, Brasília, ed. 84, p. 20-24, 4 de maio de 2006.

BROWN, C. A.; RYAN, R. M. The benefits of being present: Mindfulness and its role in psychological well-being. Journal of Personality and Social Psychology, v. 84, p. 822-848, 2003.

CARDOSO, T. B. et al. Perspectivas da Medicina Tradicional e das práticas contemplativas na faculdade de medicina de Botucatu, UNESP. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, v. 7, n. 1, p. 68, 2012.

CAVALHEIRO, C. M. F.; FALCKE, D. Espiritualidade na formação acadêmica em psicologia no Rio Grande do Sul. Estud. psicol. (Campinas), v. 31, n. 1, p. 35-44, 2014.

EDUARDA, B. M. et al. Espiritualidade e Medicina: Interfaces e Diálogos. Blucher Medical Proceedings, v. 1, n. 2, p. 25-25, 2014.

FREITAS, M. H. Religiosidade e saúde: experiências dos pacientes e percepções dos profissionais. Revista Pistis Praxis, v. 6, n. 1, p. 89-105, 2014.

GOMES, A. M. T. A espiritualidade como um elemento do cuidado de enfermagem: aproximação e desafios. Revista Enfermagem UERJ, v. 20, n. 6, p. 699-700, 2013.

KUPFER, M. C. M. Freud e a educação: o mestre do impossível. São Paulo: Scipione, 1989.

LUCCHETTI, G.; LUCCHETTI, A. L. G.; AVEZUM JR, Á. Religiosidade, espiritualidade e doenças cardiovasculares. Rev Bras Cardiol, v. 24, n. 1, p. 55-57, 2011.

MACEDO, L. Para uma aplicação pedagógica da obra de Piaget: algumas considerações. Cadernos de Pesquisa, n. 61, p. 68-71, 2013.

MARTINS, A. R. Novo Mapa das Religiões no Brasil. Horizonte, v. 9, n. 23, p. 942- 945, 2012.

OLIVEIRA, J. B.; GONDIM, M. F. de. "Psicologia da religião no mundo ocidental contemporâneo: desafios da interdisciplinaridade" (Vol. I & II). Rev. abordagem gestalt., Goiânia, v. 19, n. 2, dez. 2013.

PUCHALSKI, C. M. The hole of spirituality in health care. BUMC Proceedings, v. 14, p. 352-357, 2001.

ROGERS, C. R.; DA MATA MACHADO, E. G. de; DE ANDRADE, M. P. Liberdade para aprender: uma visão de como a educação deve vir a ser. Belo Horizonte: Interlivros de Minas Gerais, 1972.

SHAPIRO, D. L.; SCHWARTZ, G. E.; SANTERRE, C. Meditation and positive psychology. In: SNYDER, C. R.; LOPEZ, S. J. Handbook of Positive Psychology. New York: Oxford USA Trade, p. 632-645, 2005.

SMITH, J. C. Meditation as psychotherapy: A review of the literature. Psychological Bulletin. v. 82, n. 4, p. 558-564, 1975.

UJIIE, N. T. Ação lúdica na Educação Infantil. Colloquium Humanarum, v. 4, n. 1, Jun. , p. 01-07, 2007.

UTSCH, M. Tarefas e limites da psicologia da religião: uma perspectiva dialogal/ Tasks and limits of psychology of religion: a dialogical perspective. Numen, v. 16, n. 2, 2014.

UTSCH, M. Millenniumsängste aus psychologischer Sicht. Materialdienst der EZW 61 n. 12, p. 319-330, 1999.

VALLE, E. Uma leitura brasileira de “Para uma Psicologia Cultural da Religião”, de Jacob A. Belzen. Revista de Estudos da Religião (REVER). ISSN 1677-1222, v. 12, n.1, p. 219-238, 2012.

YUS, R. Educação Integral uma educação holística para o século XXI. Trad. Daisy Vaz de Moraes. Porto Alegre: Artmed, 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/2175-1838.09.001.DS09

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.