Um necessário passo para trás: notas para fundamentação de uma hermenêutica do feminino a partir de sua relação com a psicologia

Laiz Chohfi

Resumo


Este artigo busca contribuir para a fundamentação de uma hermenêutica do feminino desde a perspectiva da psicologia à luz da fenomenologia hermenêutica. Para tanto apresenta-se, partindo de levantamento bibliográfico de artigos publicados ao longo da última década, o modo próprio de conduzir investigações desta abordagem, que é das grandes escolas de psicologia brasileira. Configuram características desse pesquisar a precisão no enfoque que se dá às obras filosóficas lidas, o debruçar-se sobre fenômenos concretos, mesmo para estudos teóricos, a não-pretensão de construção de verdades absolutas e, por último, a importância para o perguntar. Na sequência, apresenta-se a situação hermenêutica heideggeriana enquanto possível articulação metodológica de análise como fundamento possível para uma hermenêutica do feminino. A partir das coordenadas do ponto de vista, perspectiva e horizonte, componentes da noção de situação hermenêutica, é possível cuidar para não se sobrepor à visão daquela com quem se conversa em campo. Além disso, a partir da aplicação das coordenadas da situação hermenêutica é possível acompanhar processos de transformação naquelas com quem se troca em campo. Nesse sentido, conclui-se que a prática psicológica à luz da fenomenologia hermenêutica é fértil para o desenvolvimento de uma hermenêutica do feminino, oferecendo abertura e coordenadas que acompanham o mostrar-se da mulher e que não primam pela neutralização do que lhe é próprio.


Palavras-chave


psicologia; fenomenologia hermenêutica; situação hermenêutica; prática psicológica; feminino

Texto completo:

PDF

Referências


CABRAL, B. E. B.; MORATO, H. T. P. Considerações metodológicas a partir da formulação de uma questão para pesquisa. Interlocuções - Revista de Psicologia da UNICAP, v. 3, n. 1-2, p. 155-176, 2003.

DUTRA, E. Pensando o suicídio sob a ótica fenomenológica hermenêutica: algumas considerações. Rev. abordagem gestalt., Goiânia, v. 17, n. 2, p. 152-157, 2011. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-68672011000 200006&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 04 nov. 2020.

ESCUDERO, J. A. Prólogo. In: HEIDEGGER, M. Interpretaciones fenomenológicas sobre Aristóteles. Indicación de la situación hermenêutica. Madrid: Editorial Trotta, 2014a. p. 9-23

ESCUDERO, J. A. Notas de tradução. In: HEIDEGGER, M. Interpretaciones fenomenológicas sobre Aristóteles. Indicación de la situación hermenêutica. Madrid: Editorial Trotta, 2014b. p. 86-109.

FEIJOO, A. M. L. C.; DHEIN, C. F. Uma compreensão Fenomenológico-Hermenêutica das compulsões na atualidade. Fractal, Rev. Psicol., Rio de Janeiro, v. 26, n. 1, p. 165-178, abr. 2014. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1984-02922014000100013.

FROTA, A. M. M. C. Infância, filosofia da educação e fenomenologia: aproximações necessárias. Rev. abordagem gestalt., Goiânia, v. 24, n. 1, p. 84-90, abr. 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.18065/RAG.2018v24n1.9

GIORGI, A. Phenomenology and psychological research. Pittsburg: Duquesne University Press, 1985.

GUIMARÃES ROSA, J. Tutaméia (Terceiras Histórias). Rio de Janeiro: Editora Nova Aguilar, 1994.

HEIDEGGER, M. Ser e tempo (F. Castilho Trad.). Petrópolis: Vozes, 2012.

HEIDEGGER, M. Interpretaciones fenomenológicas sobre Aristóteles. Indicación de la situación hermenêutica. Madrid: Editorial Trotta, 2014.

MARTÍNEZ ARAUJO, Z. Consideraciones teóricas para la comprensión del sentido de lo político en la vida cotidiana. Argos, Caracas, v. 28, n. 54, p. 217-243, enero 2011. Available from: http://ve.scielo.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0254-16372011000100009&lng=es&nrm=iso. Acceso en: 04 nov. 2020.

MARTÍNEZ ARAUJO, Z. Formas y sentidos de Caracas desde relatos cotidianos. Psicol. caribe, Barranquilla, v. 29, n. 1, p. 153-175, jun. 2012. Available from: http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0123-417X20120001000 09&lng=en&nrm=iso. Accesso em: 04 nov. 2020.

MATTAR, C. M. et al. Da tradição em Psicossomática às Considerações da Daseinsanálise. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 36, n. 2, p. 317-328, jun. 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1982-3703001032014.

SZYMANSKI, L.; SZYMANSKI, H.; FACHIM, F. L. Interpretação como des-ocultamento: contribuições do pensamento hermenêutico e fenomenológico-existencial para análise de dados em pesquisa qualitativa. Pro-Posições, Campinas, v. 30, e20180014, 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1980-6248-2018-0014.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/2175-1838.13.espec.DS04

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.