Religião débil da caridade: O cristianismo não religioso em debate

Paulo Sérgio Lopes Gonçalves

Resumo


O nosso objetivo neste artigo é analisar o cristianismo não religioso como uma religião débil, centrada na caridade, comprometida com a solidariedade e com o sonho de que os povos vivam a fraternidade, a justiça e a paz. Justifica este objetivo, a formulação desse cristianismo feita pelo italiano Gianni Vattimo, em que predomina a concentração na caridade articulada com a kenosis do Verbo, para apresentar um cristianismo encarnado na história humana. Além disso, esse filósofo levou a sua tese para o debate, em momentos diversos, com Richard Rorty, René Girard e John Caputo, favorecendo que a sua proposta se torne ainda mais densa por possibilitar pensar o cristianismo como religião débil da caridade. Para atingir esse objetivo, apresentar-se-á o cristianismo não religioso vattiminiano, seguindo algumas obras do autor; expor-se-á o debate junto aos pensadores supracitados de modo a suscitar três questões inferidas do próprio debate, evitando construir uma discussão meramente historiográfica. No entanto, buscar-se-á a construção de uma análise histórica, filosófica e teológica para mostrar a debilidade do cristianismo ao se concentrar na caridade, no seu caráter emancipador e na força de promover a fraternidade, a solidariedade e a paz.


Palavras-chave


cristianismo não religioso; religião; pensamento débil; sacrifício; esperança

Texto completo:

PDF

Referências


CAPUTO, J. El poder de los débiles. In: ROBBINS, J. W. Después de la muerte de Dios. Conversaciones sobre religión, política y cultura. Barcelona; Buenos Aires; México: Paidós, 2010. p. 75-134; p. 169-232.

FORTES DE SALES, O. L. P. A vocação niilista da hermenêutica filosófica de Gianni Vattimo radicada no processo da secularização cristã. Horizonte, Belo Horizonte, v. 13, n. 39, p. 1580-1608, jul./set. 2015.

FRANCISCO, P. P. Exortação apostólica Evangelii Gaudium. São Paulo: Paulinas, 2013.

GADAMER, H. G. Verdade e Método (I). Traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. Petrópolis; Bragança Paulista: Vozes; São Francisco, 2003.

GEFFRÉ. C. De Babel a Pentecostes. Ensaios de teologia inter-religiosa. São Paulo: Paulus, 2013.

GIRARD, R. A violência e o sagrado. São Paulo: Paz e Terra/UNESP, 1990.

GIRARD, R. Não só interpretações, há também os fatos. In: ANTONELLO, P. (org.). Cristianismo e relativismo. Verdade ou fé frágil? Aparecida: Santuário, 2010. p. 95-119.

GIRARD, R. O Bode Expiatório. São Paulo: Paulus, 2004.

GONÇALVES, P. S. L. Qual é locus de Deus: no túmulo ou no homem? A religião à luz da ontologia ou fenomenologia hermenêutica heideggeriana. Revista Numen, Juiz de Fora, v. 17, n. 2, p. 223-250, 2014.

GONÇALVES, P. S. L. Religião e espaço público: da luta à convivência. In: ROSSI, L. A.; JUNQUEIRA, S. (orgs.). Religião, Direitos Humanos & Laicidade. São Paulo: Fonte Editorial, 2015. p. 111-122.

GONÇALVES, P. S. L. Religião e ética no cristianismo não religioso: uma abordagem a partir de Gianni Vattimo. Revista Pistis Prax. Teol. Past., Curitiba, v. 10, n. 2, p. 244-268, maio/ago. 2018.

GONÇALVES, P. S. L.; SOUZA, N. Catolicismo e sociedade contemporânea. Do Concílio Vaticano I ao contexto histórico-teológico do Concílio Vaticano II. São Paulo: Paulus, 2013.

HABERMAS, J. Era das transições. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003.

HEIDEGGER, M. Phömenologie des religiösen Lebens. Frankfurt am Main: Vittorio Klostermann, 1995.

HEIDEGGER, M. Wegmarken. Gesamtausgabe 9. Frankfurt am Main: Vittorio Klostermann, 1976.

JOÃO PAULO II, P. P. Carta encíclica Evangelium Vitae. São Paulo: Paulinas, 1995.

LYOTARD, F. La condition postmoderne. Paris: Les Éditions de Minuit, 1979.

METZ, J. B. Memoria Passionis. Una evocación provocadora en una sociedad pluralista. Santander: Sal terrae, 2007.

MORRA, G. Il quarto uomo. Postmodernità o crisi della modernità? Roma: Armando Editore, 1992.

PAIVA, M. Da veritas a caritas: a religião depois da religião. Horizonte, Belo Horizonte, v. 13, n. 37, p. 406-427, jan./mar. 2015.

RORTY, R. Anticlericalismo e ateísmo. In: ZABALA, S. (org.). Il futuro dela religione. Solidarietà, carità, ironia. Milano: Garzanti, 2005. p. 33-46.

ROTTERDAN, S.; SENRA, F. O cristianismo não religioso de Gianni Vattimo: considerações para o senso religioso contemporâneo. Religare, João Pessoa, p. 96-127, v. 12, n. 1, jun. 2015.

ROVATTI, P.; VATTIMO, G. ll pensiero debole. Milano: Feltrinelli, 1983.

TERRIN, A. N. Antropologia e horizontes do sagrado. Cultura e religiões. São Paulo: Paulus, 2004.

VATTIMO, G. A sociedade transparente. Lisboa: Relógio D’Água, 1992.

VATTIMO, G. Girard e Heidegger: Kénosis e fim da metafísica. In: ANTONELLO, P. (org.). Cristianismo e relativismo. Verdade ou fé frágil? Aparecida: Santuário, 2010. p. 83-93.

VATTIMO, G. O vestígio do vestígio. In: DERRIDA, J.; VATTIMO, G. A Religião. São Paulo: Estação da Liberdade, 1994. p. 91-108.

VATTIMO, G.; GIRARD, R. Cristianismo e modernidade. In: ANTONELLO, P. (org.). Cristianismo e relativismo. Verdade ou fé frágil? Aparecida: Santuário, 2010. p. 23-48.

VATTIMO, G.; PATERLINI, P. Non essere Dio. Un’autobiografia a quattro mani. Reggio Emilia: Aliberti Editore, 2006.

VATTIMO, G. Adeus à verdade. Petrópolis: Vozes, 2016.

VATTIMO, G. Credere di credere. È possibile essere cristiani nonostante la Chiesa? Milano: Garzanti Elefanti, 1998.

VATTIMO, G. Essere e dintorni. Milano: La nave di Teseo editore, 2017.

VATTIMO, G. O fim da modernidade. Niilismo e hermenêutica na cultura pós-moderna. São Paulo: Martins fontes, 2002.

ZABALA, S. (org.). Il futuro dela religione. Milano: Garzanti, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/2175-1838.12.003.DS08

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.