Crer e interpretar: uma nova ‘virada’ hermenêutica da teologia?

Geraldo Luiz de Mori

Resumo


Enquanto ciência, a hermenêutica surgiu no século XIX, determinando desde então os
procedimentos da maioria das então chamadas “ciências do espírito” (ciências humanas). No
campo da exegese e da teologia cristãs, as contribuições de Schleiermacher, Dilthey, Heidegger,
Gadamer e Ricoeur são fundamentais para captar e compreender os processos vividos pela
relação entre teologia e hermenêutica nos dois últimos séculos. Este estudo propõe, num
primeiro momento, um breve sobrevoo sobre a história da hermenêutica filosófica,
apresentando, em seguida, seus impactos na exegese e na teologia dos últimos dois séculos,
para, num último momento, interrogar-se sobre o conflito que opõe hoje essas hermenêuticas
às fundamentalistas.


Palavras-chave


Hermenêutica, Teologia, Exegese

Texto completo:

PDF

Referências


BULTMANN, R. Credere e comprendere (4 vols. 1933-1965). Brescia: Queriniana, 1977.

BULTMANN, R. Nuovo Testamento e mitologia. Il manifesto dela demitizzazione. Breschia:

Queriniana, 1970.

DE MORI, G. Paradigmas do estudo da religião: as contribuições de Jean Greisch. Horizonte.

Revista de estudos de teologia e ciências da religião, v. 17, n. 53, p. 615-650, 2019.

DIAS, C. M. Leituras e hermenêutica. In: AGOSTINI, L.; DE MORI. G. (Org.). Theologica

latinoamericana. Enciclopédia Digital. Eixo Teologia Bíblica. Belo Horizonte: FAJE, 2015.

http://theologicalatinoamericana.com/?p=439#_Toc390878399. Acesso em: 20 maio 2020.

DILTHEY, W. Ermeneutica e religione. Bologna: Patron, 1970.

EBELING, G. Parola e fede. Milano: Bompiani, 1974.

EBELING, G. Teologia e annuncio. Roma: Citta Nuova, 1972.

FARIA, P. A. C. Teologia e ciências da religião no panorama acadêmico brasileiro em diálogo

com Paul Ricoeur. Belo Horizonte: FAJE, 2016.

FUCHS, E. Ermeneutica. Milão: Celuc, 1974.

GADAMER, H. G. Verità e método. Milão: Fratelli Fabri, 1972.

GEFFRÉ, C. Le christianisme au risque de l’interprétation. Paris: Cerf, 1983.

GEFFRÉ, C. Credere e interpretare. La svolta ermeneutica della teologia (2001). Brescia:

Queriniana, 2002.

GIBELLINI, R. A teologia do século XX. Edição atualizada com apêndice. São Paulo: Loyola, 2012.

GUSDORF, G. Les origines de l’herméneutique. Paris: Payot, 1988

GREISCH, J. Le buisson ardent et les lumières de la raison. L’invention de la philosophie de la

religion. Tome III. Vers um paradigme herméneutique. Paris: Cerf, 2004.

HEIDEGGER, M. L’être et le temps. Paris: Gallimard, 1964.

PASSOS, J. D.; USARSKI, F. (Orgs.). Compêndio de Ciência da Religião. São Paulo: Paulinas;

Paulus, 2013.

PIO IX. Sílabo. En DENZINGER, H. Compêndio dos símbolos, definições e declarações de fé e

moral. 2. Ed. São Paulo: Loyola, 2013, p. 632-641.

RAHNER, K. La grazia come centro dell’esistenza umana. Roma: Paoline, 1974.

RAHNER, K. Teologia e antropologia. Roma: Paoline, 1967.

RAHNER, K; KRAUSS, M. La fatica di credere. M. Krauss a colloquio con K. Rahner. Milano:

San Paolo, 1986.

RICOEUR, P. Interpretação e ideologias. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1990.

RICOEUR, P. Le conflit des interprétations. Essais d’herméneutique. Paris: Seuil, 1969.

RICOEUR, P. Do texto à acção. Ensaios de hermenêutica II. Porto: Rés, 1989.

SCHILLEBEECKX, E. Intelligenza della fede: interpretazione e critica (1972). Roma: Paoline, 1975.

SCHLEIERMACHER, E. Hermeneutik. Nach der Handschriften neu hrsg. Von H. Kimmerle;

Heidelberg: Carl Winter, 1959.

THEISSEN, G.; MERZ, A. O Jesus histórico: um manual. São Paulo: Loyola, 2002.

TRACY, D. Plurality and Ambiguity. Hermeneutics, Religion and Church. San Francisco: Harper

and Row, 1987.

TRACY, D. The Analogical Imagination. Christian Theology and the Culture of Pluralism. New

York: Crossrad, 1981.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/2175-1838.12.003.AO03

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.