A Irmandade do Santíssimo Sacramento de Campinas na confluência do religioso e do secular (1847-1908)

Ana Rosa Cloclet da Silva, Gabriel de Barros Amstalden

Resumo


O artigo analisa aspectos da reforma e atuação da Irmandade do Santíssimo Sacramento na cidade de Campinas, no período de 1847 a 1908. Pautada em documentação de natureza diversificada, objetiva compreender o papel desempenhado por esta instituição leiga, na confluência da Igreja institucional, da política e da religiosidade local. Para tanto, valoriza a atuação pessoal de alguns de seus membros na construção e manutenção das condições simbólicas e materiais da devoção ao Santíssimo Sacramento, bem como aspectos circunstanciais do contexto recortado: a cidade de Campinas. Como argumento central, sustenta que o perfil desta associação pode ser melhor compreendido antes pela sua tendência colaborativa, que de resistência às diretrizes da Igreja institucional, no contexto das reformas ultramontanas. O que significa reconhecer a complexidade dos processos históricos, no decorrer dos quais o religioso e o secular modelaram-se de maneira recíproca.

Palavras-chave


Irmandade do Santíssimo Sacramento; reformas ultramontanas; religiosidade; Campinas

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, M. O Império do Divino: festas religiosas e cultura popular no Rio de Janeiro, 1830 – 1900. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; São Paulo: FAPESP, 1999. 406p.

ARQUIVO da Cúria Metropolitana de São Paulo (ACMSP): Livro 2.3.10, p. 91v; Livro nº 7-3-43, p.129; livro 2-2-17, p. 104.

ARQUIVO da Câmara Municipal de Campinas (ACMC): Livro 142, pg. 62; Livro 143, pg. 90v ; Livro 143, pg. 123,v. 41.

ARQUIVO da Irmandade do Santíssimo Sacramento de Campinas (AISSC): Livro Ata de Assembleia nº 1.

BENEDETTI, L. R. Os Santos Nômades e o Deus Estabelecido. São Paulo: Edições Paulinas, 1993.

BOSCHI, C. C. Os leigos e o poder (Irmandades Leigas e política colonizadora em Minas Gerais). São Paulo: Editora Ática, 1986.

DI STEFANO, R. ¿De qué hablamos cuando decimos “Iglesia”? Reflexiones sobre el uso historiográfico de un término polisémico. Ariadna histórica. Languajes, conceptos, metáforas, Buenos Aires, n. 1, 2012.

DUTRA NETO, L. Das terras baixas da Holanda às montanhas de Minas. Uma contribuição à história das missões redentoristas, durante os primeiros trinta anos de 164 trabalho em Minas Gerais. 2006, Tese de doutorado, Universidade Federal de Juiz de Fora - Programa de Pós-Graduação em Ciência da Religião, 315p.

FONSECA, C. D. Funções, hierarquias e privilégios urbanos – A concessão dos títulos de vila e cidade na Capitania de Minas Gerais. Varia História, Belo Horizonte, n. 29, jan., 2003.

GAZETA DE CAMPINAS, 1860 – 1889. ed. 237, 1872; ed. 82, 1870; ed. 286, 1872; ed. 282, 1872; ed. 219, 1871; ed. 143, 1871. Disponível em: Acervo BND . Acesso em: 11 out. 2019.

OLIVEIRA, A. J. M. Os bispos e os leigos: reforma católica e irmandades no Rio de Janeiro Imperial. Revista de História Regional, v. 6, n. 1, p. 147-160, 2001. OLIVEIRA, A. J. M. A administração do sacramento da ordem aos negros na América Portuguesa: entre práticas, normas e políticas episcopais (1702-1745) , Locus - Revista de História, v. 21 n. 2, 2015, p. 416-442. OLIVEIRA, A. J. M. Devoção e Caridade: irmandades religiosas no Rio de Janeiro Imperial (1840-1889). Dissertação (Mestrado em História) — Universidade Federal Fluminense, UFF, Niterói, 1995.

O ESTADO de S. PAULO, 1929, ed. 18.324, p. 11. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2019.

PAULA, C. F. Santa Casa de Misericórdia de Campinas – Primeiro Centenário. São Paulo: Empresa Gráfica da Revista dos Tribunais, 1972.

PAVONNE, M. O. Associações religiosas leigas nas Minas Gerais nos séculos XVIII e XIX. Belo Horizonte: Cilo Editora, 2015.

REVEL, J. Jogos de escalas a experiência da microanálise. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas, 1998.

RODRIGUES, J. L. A vida religiosa de Campinas através do histórico da Irmandade do SS. Campinas: Sacramento da Catedral, 1947.

SALLES, F. T. Associações Religiosas no Ciclo do Ouro. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 2007.

SANTIROCCHI, I. D. Questão de Consciência: os Ultramontanos no Brasil e o Regalismo do Segundo Reinado (1840-1889). Belo Horizonte: Fino Traço, 2015.

SANTOS, B. Irmandades, oficiais mecânicos e cidadania no Rio de Janeiro. Tese (Doutorado) — UFF, Rio de Janeiro, 2009.

SILVA, A. L. Devoções Populares no Brasil: Contextualizando Algumas Obras das Ciências Sociais. São Paulo: Rever, 2003.

VALENTE, A. “As irmandades de negros: resistência e repressão”. HORIZONTE, Belo Horizonte, p. 202-219, mar. 2011.

WERNET, A. A igreja paulista no século XIX. São Paulo: Ática, 1987.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/2175-1838.12.001.AO04

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.