Da indiferença e da aporofobia à hospitalidade: uma reflexão antropológica diante da crise migratória

Lúcia Pedrosa-Pádua

Resumo


A crise migratória adquire contornos dramáticos e universais nos dias de hoje, em que o sofrimento de milhões de pessoas contrasta com a indiferença, o fechamento e o ódio diante dos migrantes e refugiados. O tema adquire relevância para a Igreja e a sociedade com a tomada de posição firme e solidária do Papa Francisco em defesa dos refugiados e seus direitos. Dentre as causas da indiferença e do ódio aos migrantes e refugiados ressaltamos a aporofobia, ou rejeição aos pobres, segundo a filósofa Adela Cortina, e a insegurança existencial, segundo o sociólogo Zygmunt Bauman. Na tradição judaico-cristã, a relação com o migrante e o refugiado passa pela hospitalidade. Fiel a esta tradição, Francisco realiza o apelo a novas lógicas de desenvolvimento e a nova atitude diante daqueles que buscam oportunidades de vida. Em resposta a estes apelos, uma espiritualidade hospitaleira deverá ser de abertura, superação do sentimento aporófobo e de rejeição, escuta e aproximação de horizontes.


Palavras-chave


Aporofobia; hospitalidade; migrantes; refugiados

Texto completo:

PDF

Referências


ACNUR-Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados. Dados sobre refúgio, 19 de junho de 2019. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 19.

AMEIGEIRAS, A. R. Las creencias religiosas de los migrantes o la religiosidad en movimiento. Stromata, San Miguel, Argentina, v. XLLII, n. 2, p. 231-241, jul./dic. 2016.

BAUMAN, Z. Estranhos à nossa porta. Rio de Janeiro: Zahar, 2017.

BRÍGIDO, M. A. da S.; DAUBER, L. Migrantes. Considerações sobre os sentimentos frente ao estrangeiro. Humanística e Teologia, Porto, v. 37, n. 2, p. 87-99, dez. 2016.

CALDEIRA, C. Da Europa à América Latina: a vulnerabilidade como locus theologicus. Perspectiva Teológica, Belo Horizonte, v. 50, n.2, p. 307-323, mai./ago. 2018.

COMABELLA CALLIZO, J.; SCHWAB, B. J.; ZECHMEISTER, M. Escuchar el grito de las víctimas. Impulsos desde la teología de la liberación. Revista Latinoamericana de Teología, San Salvador, v. XXXIV, n. 102, p. 251-279, sep./dic. 2017.

CORTINA, A. Aporofobia, el rechazo al pobre. Un desafio para la democracia. Barcelona/Buenos Aires / México: Paidós, 2018[2017].

CUNHA, J. T. Refugiados e migrantes na fronteira da vida. Humanística e Teologia, Porto, v 37, n. 2, p. 19-35, dez. 2016. GADAMER, H.-G. Verdade e método. Traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. Petrópolis: Vozes, 1997.

GOMES, C. F. Antologia dos Santos Padres. 2. Ed. São Paulo: Paulinas, 1980.

GONÇALVES PATRICIO, J. P. Migração forçada na África subsaariana: alguns subsídios sobre os refugiados em Moçambique. REMHU-Revista Interdisciplinar da Mobilidade Humana. Migrações na África: sujeitos, impactos e desafios, Brasília, v. 26, n. 54, p. 11-30, dez. 2018.

GONÇALVES, A. J. Migrantes: feridas e cicatrizes. Panorama nacional e internacional das migrações. In: POSSANI, L. de F. P.; FRANCO, C. B. (Orgs). Por uma cidade acolhedora. Somos todos migrantes. 32º Curso de Verão. São Paulo: Paulus, 2018. p. 21-56.

GRENZER, M. A proposta ímpar do amor ao imigrante (Lv 19,33-34). In: MOREIRA, Alberto da Silva (Org.). Religião, migração e mobilidade humana. Goiânia: PUC-Goiás, 2017. p. 13-30.

LUSSI, C. Encontro transformante. Desafios e oportunidades da relação Igreja local e as migrações internacionais. Espaços. Revista de Teologia e cultura. Teologia e Mobilidade humana, São Paulo, ITESP, v. 26, n. 2, p. 185-207, 2018.

MENDOZA ÁLVAREZ, C. Deus ineffabilis: una teología posmoderna de la revelación del fin de los tiempos. Barcelona: Herder/Universidad Iberoamericana, 2015.

MENDOZA, P. El desplazamiento forzado en Colombia. Concilium, n. 375, p. 241-250, abr. 2018.

MITRA, A. Chronique louvaniste: XIVe coloque Gesché: “Migrant ou la vérité devant soi: un enjeu d’humanité” (30 et 31 octobre 2017). Revue théologique de Louvain, Lovaina, v. 49, n. 2, p. 290-293, abr./jun. 2018.

MORELLI, M. C. Acolhimento e apoio aos migrantes e refugiados. Centro de Referência para Refugiados, Caritas Arquidiocesana de São Paulo. In: POSSANI, L. de F. P.; FRANCO, C. B. (Orgs). Por uma cidade acolhedora. Somos todos migrantes. 32º Curso de Verão. São Paulo: Paulus, 2018. p. 163-169.

ONU. Convenção relativa ao Estatuto dos Refugiados, 1951. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 19.

PAGOLA, J. A. Jesus: aproximação histórica. Petrópolis: Vozes, 2010. PAPA FRANCISCO. Homilia. Lampedusa, 8 de julho de 2013. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2018.

PAPA FRANCISCO. Carta Encíclica Laudato si’. Sobre o cuidado da casa comum. Brasília: CNBB, 2015.

PILARIO, D.; RECK, N. Refugiados. Una conversación entre Danny Pilario (Filipinas) y Norbert Reck (Alemania). Concilium, n. 362, p. 151-159, sep. 2015.

SANCHEZ, W. L. Francisco e as migrações: um olhar a partir das mensagens para o dia mundial do migrante e do refugiado (2014 a 2018). Perspectiva Teológica, Belo Horizonte, v. 50, n. 2, p. 325-342, mai./ago. 2018.

SPRANDEL, M. A. Leis migratórias e conservadorismo parlamentar no Brasil: o caso da Lei 13.445, de 2017. ACNUR-Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados; IMDH-Instituto Migrações e Direitos Humanos. Cadernos de Debates Refúgio, Migrações e Direitos Humanos, v. 13, n. 13, p. 37-59, dez. 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/2175-1838.12.001.DS01

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.