Mulheres na construção da cultura da paz e no enfrentamento de violências de gênero

Lurdes Caron, Mareli Eliane Graupe, Juliane Cristina Lessmann Reckziegel

Resumo


Este artigo objetiva refletir sobre a cultura da paz difundida pela Organização das Nações Unidas e o papel das mulheres no enfrentamento de violências de gênero. Trabalhamos com pesquisa bibliográfica a partir de autores que refletem sobre o tema da cultura da paz e o enfrentamento de violências de gênero. A reflexão indica que as mulheres podem contribuir na construção da cultura da paz na medida em que começam a questionar as violências de gênero, os sistemas excludentes, machistas, sexistas e, se dispõem a tecer novas relações sociais pautadas no diálogo, na comunicação não violenta, na construção de relações justas e equitativas.


Palavras-chave


Cultura da Paz. Mulheres. Violências de Gênero.

Texto completo:

PDF

Referências


BEDONE, A. J.; FAUNDES, A. Atendimento integral às mulheres vítimas de violência sexual: Centro de Assistência Integral à Saúde da Mulher, Universidade Estadual de Campinas. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 23, n. 2, p. 465-469, fev. 2007. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2019.

BÍBLIA de Jerusalém. São Paulo: Paulinas, 1985.

BORIN, L. C. Educação para a paz: uma proposta pedagógica para a não violência. Santa Maria, RS, 2003 Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2019.

BOFF, L. A oração de São Francisco. Uma mensagem de paz para o mundo atual. Sextante: Rio de Janeiro, 1999.

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL. CNBB. Campanha da Fraternidade 2000 – Ecumênica. São Paulo: Salesianos, 2000.

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL. CNBB. Campanha da Fraternidade 2019 – Ecumênica. São Paulo: Salesianos, 2019. CORA CORALINA. Poesia: Cora Coralina, Quem é Você? Meu Livro de Cordel. 8. ed. São Paulo : Global, 1998. p.73-76.

CONSELHO NACIONAL DE IGREJAS CRISTÃS DO BRASIL. CONIC. Disponível em: . Acesso em: 23 abr. 2020.

EID, A. F. A violência e a paz: os ensinamentos de Buda. Diálogo, Revista de Ensino Religioso, v. 2, n. 6, p. 18-27, mai. 1997.

FREIRE, A. M. Educação para a paz segundo Paulo Freire. Revista Educação. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul,, n. 2, p. 387-393, mai./ago. 2006.

FREIRE, P. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. Apresentação de Ana Maria Araújo Freire. São Paulo: Unesp, 2000.

GUIMARÃES, M. R. Um novo mundo é possível. São Leopoldo: Sinodal, 2004.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. INEP. Censo Escolar. 2018. Disponível em: . Acesso em: 23 abr. 2020.

MORAIS, M. de. Uma freira feminista. In: Revista Trip. 11 de maio de 2017. Disponível em: . Acesso em: 23 abr. 2020.

GUIMARÃES, M. R. Um novo mundo é possível: dez boas razões para educar para a paz, praticar a tolerância, promover o diálogo inter-religioso, ser solidário, promover os direitos humanos. São Leopoldo: Sinodal, 2004.

LISBOA, T. K. Violência de gênero, políticas públicas para o seu enfrentamento e o papel do serviço social. Temporalis, [S.l.], v. 1, n. 27, p. 33-56, ago. 2014. Disponível em: . Acesso em: 17 abr. 2019.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇOES UNIDAS. ONU. Resolución 1325 de 2000. Aprobada por el Consejo de Seguridad en su sesión 4213ª, celebrada el 31 de octubre de 2000 [Internet]. Disponível em: . Acesso em: 23 abr. 2020.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇOES UNIDAS. ONU. Declaração e programa de ação sobre uma cultura de paz. Nova York: ONU, 1999.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇOES UNIDAS. ONU. Declaração Universal dos Direitos Humanos. Assembleia Geral das Nações Unidas em Paris. 10 dez. 1948. Disponível em: . Acesso em: 23 abr. 2020.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇOES UNIDAS. ONU. Carta das Nações Unidas. São Francisco: ONU, 1945. Disponível em: . Acesso em: 23 abr. 2020.

ONU MULHERES. Paz e segurança. Disponível em: . Acesso em: 17 abr. 2019.

PAPA FRANCISCO. Mensagem do Papa Francisco para o 49º dia mundial da paz – 1º de janeiro de 2016. Boletim da Santa Sé. Terça-feira, 15 de dezembro de 2015. Disponível em: . Acesso em: 23 abr. 2020.

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS DO ENSINO RELIGIOSO. São Paulo: Ave Maria, 1997.

RECKZIEGEL, J. C. L. et al. Influência de fatores de proteção e de risco na resiliência e na adesão ao tratamento do diabetes mellitus em mulheres. Ries, Caçador, v.7, n. 1, p. 25-39, 2018. Disponível em: http://dx.doi.org/10.33362/ries.v7i1.1602. Acesso em: 23 abr. 2020.

ROSADO-NUNES, Maria José. Teologia feminista e a crítica da razão religiosa patriarcal: entrevista com Ivone Gebara. Rev. Estud. Fem., Florianópolis , v. 14, n. 1, p. 294-304, Abr. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2006000100016&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 23 abr. 2020.

SANTOS, B. S. A construção intercultural da igualdade e da diferença. In: SANTOS, B. S. A gramática do tempo. São Paulo: Cortez, 2006. p. 279-316.

SCHRAIBER, L. et al. Violência vivida: a dor que não tem nome. Interface. Botucatu, v. 7, n. 12, p. 41-54, fev. 2003. Disponível em: . Acesso em: 22 abr. 2020.

SOBEL, H. A tora promove a justiça e a paz. Diálogo, Revista de Ensino Religioso, n. 6, ano II, p. 5-9, maio 1997. TELES, M. A. de A.; MELO, M. de. O que é violência contra a mulher. São Paulo: Brasiliense, 2003. (Coleção Primeiros Passos).

VELÁZQUEZ, S. Violências cotidianas, violência de gênero: escutar, compreender, ajudar. Buenos Aires: Paidós, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/2175-1838.12.001.DS03

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.