Pentecostalismo e empoderamento de identidades marginalizadas

David Mesquiati de Oliveira, Alessandro Rocha

Resumo


O artigo aborda o tema do pentecostalismo privilegiando a margem (social e eclesial) como lugar de tomada de consciência, a partir das contribuições de Gilbert Durand. Busca descobrir a possibilidade de encontro dos centros da vida mesmo quando se está ainda à margem da sociedade, para, a partir desse lugar, dirigir-se ao centro dos processos sócio-eclesiais. Ao final, pondera-se sobre as potencialidades do sacerdócio de todos os cristãos como elemento de pro-vocação que vem desde os lugares (teológicos) marginais, tomando como ponto de partida histórias de vida de dois personagens — um negro e pobre, e a outra uma imigrante —, do pentecostalismo clássico.


Palavras-chave


Pentecostalismo; Marginalização; Teoria do imaginário; Gênero

Texto completo:

PDF

Referências


ALENCAR, G. F. Frida Vingren (1891-1940): quando uma missão vale mais do que a vida. In: OROZCO, Y. P. (Org.). Religiões em diálogo: violência entre as mulheres. São Paulo: Católicas pelo direito de decidir, 2009.

ARAGÃO, L. S. Chamadas por Deus, ignoradas pelos homens. Reducionismo cultural em relação ao trabalho missionário feminino. Dissertação (Mestrado em Teologia) — Centro Evangélico de Missões (CEM), Viçosa, 2004.

ARAUJO, I. Dicionário do Movimento Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 1980.

BURGARD, P. J. Retórica magistral — a lógica da autoridade e da sujeição em Lutero. In: HELMER, C. (Ed.). Lutero, um teólogo para o tempo presente. São Leopoldo: Sinodal, 2013. p. 295-313.

DANIEL, S. (Org.). História da Convenção geral das Assembléias de Deus no Brasil. Rio de Janeiro: CPAD, 2004.

DURAND, G. Champs de l’imaginaire. Grenoble: Ellug, 1996.

DURAND, G. O imaginário. Ensaios acerca das ciências e da filosofia da imagem. Rio de Janeiro: DIFEL, 1998.

DURAND, G. As estruturas antropológicas do imaginário. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

HOLLENWEGER, W. El Pentecostalismo – historia e doctrinas. Buenos Aires: La aurora, 1976.

LUTERO, M. Obras Selecionadas. v. 2. Sobre a liberdade cristã. São Leopoldo: Sinodal. Porto Alegre: Concórdia, 2000.

MAFFESOLI, M. Elogio da razão sensível. Petrópolis: Vozes, 2003.

MÁRQUEZ-FERNÁNDEZ, A. B. Pensar com os sentimentos: razão, escuta, diálogo, corpo e liberdade. Nova Petrópolis: Nova Harmonia; Venezuela: ÚNICA, 2014.

MENDONÇA, A. G.; VELASQUES, P. Introdução ao protestantismo no Brasil. São Paulo: Loyola, 1990.

OLIVEIRA, D. M. El sacerdocio, el obispado y el papado de todas las personas creyentes. In: BULLÓN, F.; PANOTTO, N. (Orgs.). Hacia dónde vá el protestantismo en América Latina? Una visión multidisciplinaria y prospectiva a los 500 años de la Reforma. Buenos Aires-Argentina: Ediciones Kairós, 2017. p. 131-140.

OLIVEIRA, D. M.; TERRA, K. R. C. Êxtase como locus hermenêutico na Experiência Religiosa dos Pentecostalismos. Revista Brasileira de História das Religiões, a. XI, p. 41-62, 2018.

REGO, J. T. Breve histórico da “Assembléia de Deus” no Ceará. Fortaleza: Indústrias Gráficas, 1942.

ROCHA, A. Surgimento e conseqüências do pentecostalismo. Revista Compromisso, Rio de Janeiro, a. XII, n. 44, p. 76-80, jan./mar. 2003.

ROCHA, A. Espírito Santo. Aspectos de uma pneumatologia solidária à condição humana. São Paulo: Vida, 2008.

SAFFIOTI, H. I. B. Gênero, Patriarcado, Violência. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2004. p. 79-80.

SEYMOUR, W. O avivamento da Rua Azuza. Rio de Janeiro: CPAD, 2001.

SHAULL, R.; CESAR, W. Pentecostalismo e o futuro das Igrejas cristãs. Petrópolis: Vozes, 2000.

VINGREN, G. O diário de um pioneiro. Rio de Janeiro: CPAD, 1982.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/2175-1838.10.003.AO04

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.