Idiossincrasias religiosas contemporâneas: Qual o lugar das mulheres nas Igrejas Neopentecostais?

Celso Gabatz

Resumo


A busca pelo protagonismo das mulheres nas denominações neopentecostais é um fenômeno social que tem sublinhado um envolvimento e participação cada vez maior nas esferas públicas. Isto, que contribui para a consolidação de uma nova identidade. Os processos de transformação do papel da mulher no âmbito neopentecostal encontram a sua resistência vinculada às ideias patriarcais, enraizadas na cultura, e também de gênero, dificultando uma inserção social efetiva para a construção de um imaginário religioso feminino. As novas formas de subjetividade feminina e a construção de identidades de gênero estão ligadas à participação das mulheres e o seu carisma pessoal, agregando valor no combate a relações assimétricas entre os gêneros.


Palavras-chave


Gênero; identidade; neopentecostalismo; subjetividades; poder.

Texto completo:

PDF

Referências


BADINTER, E. Um é o outro. Relações entre homens e mulheres. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

BANDINI, C. Costurando Certo por Linhas Tortas: Práticas Femininas em Igrejas Pentecostais. Salvador: Pontocom, 2014.

BERGER, P. L.; LUCKMANN, T. Modernidade, Pluralismo e Crise de Sentido. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2012.

BIRMANN, P. Mediação feminina e identidades pentecostais. Cadernos Pagu, Unicamp, Campinas, v. 6, p. 201-226, 1996.

BLAY, E. A. (Org.). Igualdade de oportunidades para as mulheres. Um caminho em construção. São Paulo: Ed. Humanitas, 2002.

BOURDIEU, P. A Dominação Masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

BOURDIEU, P. A Economia das Trocas Simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1998.

BOVKALOVSKI, E. C. Homens e mulheres de Deus: modelos de conduta ética da Igreja Universal do Reino de Deus (1986-2001). Tese (Doutorado em História) — Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2005.

BURKE, P. História e Teoria Social. São Paulo: UNESP, 2002.

DE JESUS, F. W. “As Mulheres sem Tranças”: Uma Etnografia do Ministério Pastoral Feminino na IECLB. Dissertação (Mestrado em Antropologia) — Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2003.

DUSILEK, N. G. Mulher Sem Nome: Dilemas e alternativas da esposa do pastor. São Paulo: Ed. Vida, 1995.

EAGLETON, T. A Ideia de Cultura. 2. ed. São Paulo: UNESP, 2011.

EISLER, R. O Cálice e a Espada: nosso passado, nosso futuro. São Paulo: Palas Athena, 2007.

FILHO, P. G. O. A Construção das Relações de Gênero na Mídia da Igreja Universal do Reino de Deus. Dissertação (Mestrado em Psicologia) — Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2012.

GEBARA, I. Rompendo o silêncio: uma fenomenologia feminista do mal. Petrópolis: Vozes, 2000.

GIDDENS, A. As Consequências da Modernidade. São Paulo: Editora UNESP, 1991.

HALL, S. Identidade e Diferença: a perspectiva dos estudos culturais. (Org.) SILVA, T. T. da.; HALL, S.; WOODWARD, K. 2. ed. Vozes: Petrópolis, 2000.

HOJAIJ, E. O silêncio que deve ser ouvido: Mulheres pentecostais em São Paulo. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) — Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, 1986.

JABLONSKI, B. Até que a Vida nos Separe: a Crise do Casamento Contemporâneo. Rio de Janeiro: Agir, 1998.

LERNER, G. A Criação do Patriarcado. New York: Oxford University Press, 1986.

MACHADO, M. D. C; MARIZ, C. “Mulheres e práticas religiosas nas classes populares: uma comparação entre as igrejas pentecostais, as Comunidades Eclesiais de Base e os grupos carismáticos”. RBCS, v. 12, n. 3, 1997.

MACHADO, M. D. C.; FIGUEIREDO, F. Religião, gênero e política: as evangélicas nas disputas eleitorais da cidade do Rio de Janeiro. Ciências Sociais e Religião, Porto Alegre, UFRGS, v. 4, p. 125-148, 2002.

MACHADO, M. D. C. Representações e relações de gênero nos grupos pentecostais. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 13, n. 2, p. 387-396, ago. 2005.

MAFRA, C. Gênero e estilo eclesial entre os evangélicos. In: Novo Nascimento – Os Evangélicos em Casa, na Igreja e na Política. Rio de Janeiro: ISER, 1998.

MARIANO, R. Neopentecostais: sociologia do novo pentecostalismo no Brasil. São Paulo: Loyola, 1999.

MENDONÇA, J. O Evangelho Segundo o Gospel: mídia, música pop e neopentecostalismo. Revista do Conservatório de Música UFPEL, v. 1, p. 220-249, n. 09, 2008.

MIRANDA, F. H. Religião e Mulher: Liderança Feminina no Pentecostalismo

Evangélico. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) — Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2009.

MOREIRA, A. S. As muitas faces do pentecostalismo. Fragmentos de Cultura. Goiânia: Editora UCG, v. 16, n. 3/4, p. 233-242, 2006.

PERROT, M. Minha História das Mulheres. São Paulo: Contexto, 2006.

ROHDEN, F. Catolicismo e Protestantismo: O Feminismo como uma questão emergente. Cadernos Pagu, UNICAMP, Campinas, v. (8/9), p. 51-97,1997.

ROSADO NUNES, M. J. F. O impacto do feminismo sobre o estudo das religiões. Cadernos Pagu, UNICAMP, Campinas. v. 16, p. 79-96, 2001.

SANTOS, M. G. A mulher na hierarquia evangélica: o pastorado feminino. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) — Universidade Estadual do Rio de Janeiro, 2002.

SAUZANA, E. S. Era uma vez... umas mulheres chamadas “canutas”. A mulher no pentecostalismo chileno. In: Mulheres: Autonomia e Controle Religioso na América Latina. (Org.) BIDEGAIN, A. M. Vozes: Petrópolis, 1996. p. 71-100.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil para a análise histórica. Recife: SOS CORPO, 1991.

SILVA, J. T. Lideranças Pentecostais Femininas na Baixada Fluminense: Análise de Questões Teórico-Metodológicas. 32º Encontro Anual da ANPOCS: Caxambu, 2008.

SOUZA, S. D. Masculinidade e Religião: trajetórias de gênero no Brasil. Revista Mandrágora, ano XII, n. 12, São Bernardo do Campo, p. 15-20, 2006.

TAVARES, S. B. Relações de Gênero na Igreja Universal do Reino de Deus: o discurso de Edir Macedo. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) — UNESP, Araraquara, 2002.

TEIXEIRA, F.; MENEZES, R. (Org.). Religiões em Movimento. O Censo de 2010. Vozes: Petrópolis, 2013.

TOLEDO-FRANCISCO, C. Passagens híbridas: relações de gênero e pentecostalismo. Dissertação (Mestrado em Sociologia) — Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 2002.

TOMITA, L. E. O Desejo Sequestrado das Mulheres: desafio para a teologia feminista no século 21. In: SOUZA, S. D. de. (Org.) Ensaios feministas. Universidade Metodista de São Paulo. São Bernardo do Campo, 2006. p. 147-166.

TOURAINE, A. O mundo das mulheres. Petrópolis: Vozes, 2007.

WEBER, M. Economia e Sociedade. Brasília: UnB, 1994.

WREGE, R. S. As Igrejas Neopentecostais: educação e doutrinação. Tese

(Doutorado em Sociologia) — UNICAMP, Campinas. 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/2175-1838.10.001.AO01

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.