Quem precisa de Direitos? O fenômeno violência em contraposição aos direitos e à moralidade cristã

Gleyds Silva Domingues, Ana Carolina Silva Domingues

Resumo


A proposta deste artigo é analisar o fenômeno violência em contraposição aos direitos fundamentais e à moralidade cristã. Para tal finalidade busca-se compreender a forma como este fenômeno se evidencia na realidade social, na tentativa de sinalizar sobre o grau de impacto que exerce nas relações humanas, na medida em que os direitos e a moralidade são violados. Em relação aos direitos, observa seu impacto no ato de transgressão do que é mais valioso ao ser humano, a dignidade e a vida. Na moralidade cristã, o que se busca é ressaltar que a prática da violência causa estranhamento por se distanciar de normas sociais que regem o comportamento e que são aceitas e legitimadas no âmbito da cultura. Compreende-se que a violência é um fato social complexo e polissêmico e, por isso, exige certo grau de interpretação quanto ao seu alcance e presença. O artigo elege como problemática a seguinte questão: em que medida o fenômeno violência ao infringir os direitos fundamentais e a moralidade cristã continuam sendo acomodados e maximizados na realidade social, sem que ocorra uma reeducação do ser humano biopsicossocial e espiritual? Neste sentido, o entendimento a ser construído sustenta-se nos estudos de teóricos sobre o fenômeno da violência, dos direitos e da moralidade. O método de pesquisa adotado é o da análise do discurso por contemplar os processos de significação que são impressos nos discursos defendidos. Não se quer apresentar um estudo finalístico sobre o fenômeno, mas contribuir com as investigações nesta área, reconhecendo que pela natureza interdisciplinar impressa neste artigo, o esforço e o desafio são ainda maiores.


Palavras-chave


Violência(s). Direitos Fundamentais. Moralidade Cristã.

Texto completo:

PDF

Referências


ALEXY, R. Conceito e validade do direito. Trad. Gercélia Batista de Oliveira Mendes. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2009.

ALIGHIERI, D. Monarquía. Madrid: Editorial Tecnos, 1992.

ARENDT, A. Da Violência (e-book). 1969/1970. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2017.

BÍBLIA Sagrada: Nova Versão Internacional. São Paulo: Vida, 2000.

BÍBLIA Sagrada: Nova Versão na Linguagem de Hoje. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1988.

BOBBIO, N. A Era dos Direitos. Rio de Janeiro: Campus, 1992.

BOBBIO, N. Teoria da Norma Jurídica. Bauru, SP: Edipro, 2016

CANDIOTTO, C. (org.). Ética: abordagens e perspectivas. Curitiba: Champagnat, 2011.

COELHO; E. B. S; SILVA, A. C. G; LINDNER, S. R. Violências, definições e tipologias (e-book). Florianópolis: UFSC, 2014.

CONCÍLIO ECUMÊNICO VATICANO II, 1962-1965, Cidade do Vaticano. Declaração Dignitatis Humanae. Disponível em: . Acesso em: 18 de mai. 2017.

DOMINGUES, G. S. O espaço da ética significada no âmbito da cosmovisão cristã: uma questão de escolha. In: SOUZA, J. N. de; SOUZA, E. S. de. (orgs.). Teologia e Ética no Cuidado Pastoral. Curitiba: FABAPAR, 2017.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. São Paulo: Saraiva, 2012.

GEISLER, N. Ética Cristã: opções e questões contemporâneas. São Paulo: Vida Nova, 2010.

HABERMAS, J. O Futuro da Natureza Humana. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

KELSEN, H. Teoria Pura do Direito. 6. Ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

LEÃO XIII. Carta Enciclica Immortale Dei. Sobre a Constituição dos Estados Cristãos. Roma, 1 de novembro de 1885. Disponível em:

content/leo-xiii/pt/encyclicals/documents/hf_l-xiii_enc_01111885_immortale-

-dei.html>. Acesso em: 18 mai. 2017.

MARCILIO, M. L. Fundamentos Éticos dos Direitos Humanos. In: SANTOS,

I.; POZZOLI, L. Direitos Humanos e Fundamentais e Doutrina Social. São Paulo: Boreal Editora, 2012.

MICHAUD, Y. A Violência. São Paulo: Editora Ática, 1989.

MINAYO, M. C. S.; SOUZA, E. R. Violência e saúde como um campo interdisciplinar e de ação coletiva. Revista História, ciência, Saúde. Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 4, n. 3, p. 513-531, nov. 1998.

MISSE, M. Crime e violência no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Editora Lúmen Júris, 2006.

MORANGE, J. Direitos Humanos e Liberdades Públicas. Barueri: Manole, 2004.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE [OMS]. Relatório Mundial Sobre Violência e Saúde. Geneve: World Health Organization, 2002. p. 6

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2017.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Declaração Universal dos Direitos humanos. EUA, 1948. Disponível em: . Acesso em: 10 de mai. 2017.

ORLANDI, E. P. Análise do discurso: princípios e procedimentos. Campinas, SP: Pontes, 2003.

PALOMBELLA, G. La autoridad de los derechos: los derechos entre instituciones y normas. Madrid: Editorial Trotta, 2006.

REALE, M. Lições Preliminares do Direito. São Paulo: Saraiva, 2014.

RICCI, L. A. L. Afirmação Cristã da Dignidade Humana. In: SANTOS, I.; POZZOLI, L. Direitos Humanos e Fundamentais e Doutrina Social. São Paulo: Boreal Editora, 2012. SANTOS, J. V. T. Violências e conflitualidades. Porto Alegre: Tomo Editorial, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/2175-1838.10.001.DS03

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.