Hipótese sobre a introdução em Judá do sacrifício expiatório Gn 2,4b-3,24; 4,1-16 e 6,5- 9,17* como “eixo estrutural” de Gênesis 1-11

Osvaldo Luiz Ribeiro

Resumo


O artigo consiste em um exercício de interpretação histórico-social do mito de Adão e Eva, da história de Caim e Abel e da narrativa sacerdotal do dilúvio, isoladamente e em sua relação estrutural com Gênesis 1-11. O objetivo do artigo é propor que Gn 2,4b-3,24;4,1-16 e 6,5-9,17* constituam o eixo estrutural em torno do qual se organiza Gênesis 1-11. Metodologicamente, aplica-se análise retórica às narrativas avaliadas. Conclui-se que, em algum momento, as narrativas foram utilizadas em contexto de polêmica e conflito entre a comunidade campesina e a golah sacerdotal, funcionando como plataforma teológica para a instalação do sacrifício sacerdotal expiatório substitutivo em Jerusalém.


Palavras-chave


interpretação histórico-social da Bíblia Hebraica; exegese da Bíblia Hebraica; Gênesis 2,4b-3,24; Gênesis 4,1-6; Gênesis 6,5-9,17

Texto completo:

PDF

Referências


ALLISON, C. S. The Significance of Blood Sacrifice in the Old Testament. An International Multidisciplinary Journal, v. 10, n. 40, 2016. p. 40-60.

ALONSO-SCHÖKEL, L. Dicionário bíblico hebraico-português. São Paulo: Paulus, 1997.

BRUEGGEMANN, W. The New Interpreter’s Bible. V. 1. Nashville: Abingdon Press, 1994.

CASSUTO, U. A commentary of the Book of Genesis. Part I. From Adam to Noah. Genesis I – VI 8. Jerusalem: The Magnes Press, The Hebrew University, 1998.

CURCIO, J. A. Genesis 22 and the socio-religious reforms of Ezra and Nehemia. Tese (Doutorado em Filosofia) — Brunel University, London, 2010.

DAVILA, J. R. The Flood Hero as King and Priest. Journal of Near Eastern Studies, v. 54, n. 3, 1995. p. 199-2014.

DETIENNE, M. A invenção da mitologia. Rio de Janeiro: José Olympio, 1998.

FEINBERG, J. S. Salvation in the Old Testament. In: FEINBERG, J. S. e FEINBERG, P. D. (org). Tradition and Testament. Essays in Honor of Charles Lee Feinberg. Chicago: Moody Press, 1981. p. 39-77.

FOHRER, G. (ed). Hebrew and Aramaic dictionary of the Old Testament. Berlin/New York: De Gruyter, 1973.

GERMAN, I. The Textual Unity of Genesis 2–4 against the Backdrop of the History of Exegesis. Tese (Doutorado em Teologia) — University of St. Michael, Canada, 2014.

GILDERS, W. K. Blood ritual in the Hebrew Bible: meaning and power. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 2004.

GINZBURG, C. Relações de força. História, retórica, prova. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

GINZBURG, C. “Sinais — raízes de um paradigma indiciário”. Em: Ginzburg, C. Mitos, emblemas, sinais. Morfologia e histórica. São Paulo: Cia. das Letras, 2007. p. 143-179.

GONDAR, D. P. Estudio exegético de Gn 4,1-16. Tese (Doutorado em Teologia) —Faculdade de Teologia da Universidade de Navarra, Pamplona, 2010.

GUNKEL, H. Genesis. Macon: Mercer Univercity, 1997.

HUIZINGA, J. Homo ludens. O jogo como elemento da cultura São Paulo: Perspectiva, 2014.

JOSIAH, U. G. Genesis 3 and evolution of costume among Asarama people of Rivers State (Niger-Delta), Nigeria. Arts and Design Studies, v. 17, 2004, p. 19-24.

KIM, A. Y. Cain and Abel in the Light of Envy: a Study in the History of the Interpretation of Envy in Genesis 4.1-16. Journal for the Study of the Pseudepigrapha, v. 12, n. 1, p. 65-84, 2001.

KRAELING, E. G. The Interpretation of the Name Noah in Gen. 5:29. Journal of Biblical Literature, v. 48, n. 3/4, p. 138-143, 1929.

LEWIS, J. P. The offering of Abel (Gen 4: 4): a history of interpretation. Journal of the Evangelical Theological Society, v. 37, n. 4, p. 481-496, 1994.

McNUTT, P. M. In the shadow of Cain. Semeia, v. 87, p. 45-64, 1999.

PACHECO, J. F. do C. e. O Conflito Caim-Abel: Uma Leitura Exegético-Bíblica. Forma Breve, n. 12, 2015, p. 57-70.

PEELS, H. G. L. In het teken van Kaïn. Een theologische exegese van Genesis. Verbum et Ecclesia, v. 29, n. 1, p. 172-193, 2008.

PFOH, E. Genesis 4 Revisited. Some Remarks on Divine Patronage. Scandinavian Journal of the Old Testament, v. 23, n. 1, p. 38-45, 2009.

RIBEIRO, O. L. “Dilúvio(s) – as narrativas sacerdotal e pós-sacerdotal da Bíblia Hebraica, em contexto histórico-social”. Revista de Cultura Teológica, n. 47, p. 99-136, 2004.

RIBEIRO, O. L. “Narrativas de funcionalidade mítico-literária”. Revista Brasileira de Teologia, n. 3, p. 36-59, 2005.

RIBEIRO, O. L. “Cântico dos Cânticos (7,10[11]) contra Gênesis 3,16: um caso de

intertextualidade programática subversiva”. Estudos Teológicos, v. 53, n. 2, p. 312-324, 2013.

RIBEIRO, O. L. “‘Ah, se foras meu irmão’. A mulher como compensação pelo jugo masculino em ‘Cântico dos Cânticos’”. In: RODRIGUES, A.; MONZELI, G. A.; FERREIRA, S. R. da S. A política no corpo. Gênero e sexualidades em disputa. Vitória: EDUFES, 2016. p. 105-122.

RIBEIRO, O. L. Interpretação histórico-social das duas narrativas de dilúvio da Bíblia Hebraica. Horizonte, v. 15, n. 48, p. 1446-1479, 2017.

RICKS, S. D. The Garment of Adam in Jewish, Muslim, and Christian Tradition. In: HARY, B. H.; HAYES, H. L. e ASTEN, F. (org). Judaism and Islam: Boundaries, Communications, and Interaction: Essays in honor of William M. Brinner. Leiden; Boston; Köhl: Brill, 2000. p. 203-235.

STEINMETZ, D. Vineyard, farm and garden: the drunkenness of Noah in the context of Primeval History. Journal of Biblical Literature, v. 113, n. 2, 1994, p. 193-207.

TOMPKINS, A. Dynamics of Shame in Genesis 3 and 4: Missiological Implications for Today. Journal of Adventist Mission Studies, v. 9, n. 1, p. 14-19, 2013.

VAN DER MERWE, C. H. J.; NAUDÉ, J. A; KROEZE, J. A. A biblical Hebrew reference grammar. 2. ed. Sheffield: Sheffield Academic Press, 1999.

VAN WOLDE, E. The story of Cain and Abel: a narrative study. Journal for the Study of the Old Testament, v. 52, 1991, p. 25-41.

VON RAD, G. El Libro del Génesis. 2 ed. Salamanca: Sígueme, 1982.

WESTERMANN, C. Genesis 1-11. A Continental Commentary. Minneapolis: Fortress Press, 1994.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/2175-1838.12.002.AO04

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.