As prerrogativas do ensino religioso como disciplina na educação básica e no curso de Pedagogia

Claudino Gilz

Resumo


A presente pesquisa tem como principal objetivo investigar as prerrogativas do Ensino Religioso como disciplina nas etapas da educação básica e no curso de Pedagogia,a serviço da formação do cidadão brasileiro e do profissional docente dessa disciplina.Fundamenta-se no tratamento que o Ensino Religioso como ciência do fenômeno religioso necessita considerar para a elaboração de Planos Curriculares em âmbito da educação básica nos diferentes processos de ensino e aprendizagem em sala de aula (educação infantil, ensino fundamental e ensino médio) e no curso de Pedagogia,uma das licenciaturas na atualidade capaz de contemplar a formação do profissional docente dessa disciplina. Apresenta análise de dados de uma pesquisa de campo desenvolvida entre os anos de 2007 e 2011 com 46 alunos aprovados no vestibular do curso de Pedagogia da FAE Centro Universitário do Paraná, anterior ao processo de elaboração do Plano de Ensino da disciplina “Fundamentos e Metodologia do Ensino Religioso” e de frequência desses mesmos alunos à referida disciplina. Identifica, por meio da análise empreendida, uma pressuposição dos entrevistados da religião e do fenômeno religioso como caminho, crença, propulsora de boas ações humanas, devotamento pessoal, assunto inexplicável e incomensurável. Sinaliza, enquanto expectativa de estudo, uma proposta curricular capaz de atribuir tanto a mesma importância para a formação humana e profissional dos envolvidos como o discernimento da especificidade e a incumbência do Ensino Religioso em relação às demais disciplinas.

Palavras-chave


Ensino Religioso. Metodologia. Formação docente.

Referências


BRASIL. Lei n. 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. In: MENEZES, J. G. de C. M. et al. Estrutura e funcionamento da educação básica. São Paulo: Pioneira, 2001. Anexo 2, p. 306-328.

BRASIL. Lei n. 9.475, de 22 de julho de 1997. Dá nova redação ao art. 33 da Lein. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases daeducação nacional. Diário O!cial [da] República Federativa do Brasil, PoderLegislativo, Brasília, DF, 22 jul. 1997. Disponível em:

br/ccivil_03/leis/L9475.htm>. Acesso em: 20 maio 2007.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CEB n. 2, de 7

de abril de 1998. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o EnsinoFundamental. Disponível em: . Acesso em: 9 nov. 2011.

CHALMERS, A. O que é ciência, a!nal? Tradução de Raul Fiker. São Paulo:

Brasiliense, 1999.

DUTRA, L. H. A. Introdução à teoria da ciência. Florianópolis: Ed. da UFSC,1998.

FERREIRA, A. B. de H. Aurélio século XXI: o dicionário da língua portuguesa.3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel

Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 2001.

KUHN, T. S. A estrutura das revoluções cientí!cas. Tradução de Beatriz

Vianna Boeira e Nelson Boeira. São Paulo: Perspectiva, 1998.

LEÃO, E. C. O pensamento originário. In: PENSADORES ORIGINÁRIOS:

Anaximandro, Parmênides, Heráclito. Tradução de Emanuel Carneiro Leão

e Sérgio Wrublewski. Petrópolis: Vozes, 1991.

MORAIS, J. F. R. Filoso!a da ciência e da tecnologia: introdução metodológica e crítica. 6. ed. Campinas: Papirus, 1997.

PASSOS, J. D. Ensino Religioso: mediações epistemológicas e )nalidades pedagógicas. In: SENA, L. (Org.). Ensino religioso e formação docente. São Paulo: Paulinas, 2006. p. 21-45.

PIAGET, J. A construção do real na criança. Tradução de Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1975.

POPPER, K. P. Conjecturas e refutações: o progresso do conhecimento cientí-)co. 2. ed. Tradução de Sérgio Bath. Brasília: Ed. UnB, 1982.

SANTOS, B. de S. Introdução a uma ciência pós-moderna. Rio de Janeiro:

Graal, 1989.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/revistapistispraxis.6115

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.