Os Pentecostais, o Espírito Santo e a Reforma

David Mesquiati de Oliveira

Resumo


Os pentecostais estão separados historicamente da Reforma do século XVI, porém, também se sentem herdeiros desta tradição. Contudo, sua visão sobre o Espírito Santo é peculiar. Na esteira dos pilares da Reforma Protestante o pentecostalismo apresentaria um quinto elemento, que chamamos aqui de Solus Spiritus Sanctus. O texto está dividido em três seções. Na primeira reflete sobre a mística e sobre o humanismo pentecostal, que são diferentes da mística e do humanismo da época da Reforma. Na segunda busca-se mapear brevemente a pneumatologia pentecostal para, na terceira seção, analisar a contribuição pentecostal para a Ecclesia reformata et semper reformanda est.


Palavras-chave


Pentecostalismo. Reforma. Espírito Santo

Texto completo:

PDF

Referências


ALENCAR, G. F. Matriz pentecostal brasileira: Assembleias de Deus, 1911-2011. Rio de Janeiro: Novos Diálogos, 2013.

ALTMANN, W. Lutero e libertação. São Leopoldo: Sinodal; São Paulo: Ática, 1994.

CAMPOS, B. El principio pentecostalidad: la unidad en el Espíritu, fundamento de la paz. Oregon: Kerigma, 2016.

CAMPOS, B. Da reforma protestante à pentecostalidade da igreja: debate sobre o pentecostalismo na América Latina. São Leopoldo: Sinodal; Quito: CLAI, 2002 [1997].

CAMPOS, B. La madurez del hermano menor: los rostros del pentecostalismo latino-americano. Lima: Ieper, 2012.

DAYTON, D. Raíces teológicas del pentecostalismo. Buenos Aires: Grand Rapids, 1991.

DELUMEAU, J. La reforma. 3. ed. Barcelona: Labor, 1977.

FEE, G. D. Paulo, o Espírito e o povo de Deus. Campinas: United Press, 1997 [1994].

FRESTON, P. Protestantes e política no Brasil: da Constituinte ao impeachment. Tese de doutorado. Unicamp: Campinas, 1993.

FRESTON, P. Breve história do pentecostalismo brasileiro. In: ANTONIAZZI, A. et al. Nem anjos nem demônios. Interpretações sociológicas do Pentecostalismo. Petrópolis: Vozes, 1994.

GEE, D. Después de Pentecostés. Texas: Casa de Publicaciones [s.d.].

GEE, D. Como receber o batismo no Espírito Santo. Rio de Janeiro: CPAD, 2011.

GEORGE, T. Teologia dos reformadores. São Paulo: Vida Nova, 1994.

GILBERTO, A. Pneumatologia: a doutrina do Espírito Santo. In: GILBERTO, Antonio (Ed.). Teologia sistemática pentecostal. Rio e Janeiro: CPAD, 2008. p. 171-244.

JUNGHANS, H. Temas da teologia de Lutero. São Leopoldo: Sinodal, 2001.

MARIANO, R. Neopentecostais, sociologia do novo pentecostalismo no Brasil. São Paulo: Loyola, 1999.

MENZIES, R. Pentecostes, essa história é a nossa história. Rio de Janeiro: CPAD, 2016.

MENZIES, W.; MENZIES, R. No poder do Espírito: fundamentos da experiência pentecostal. São Paulo: Vida, 2002.

MERTON, T. Novas sementes de contemplação. Montariol: Editorial Franciscana, 2007.

OLIVEIRA, D. M. de. Diálogo e missão nos Andes. Um estudo de teologia da missão latino-americana. São Paulo: Garimpo; Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio, 2016.

PALMA, A. D. O batismo no Espírito e com fogo: os fundamentos bíblicos e a atualidade da doutrina pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 2014.

SANTIDRÍAN, P. R. Breve dicionário de pensadores cristãos. 2. ed. Aparecida: Santuário, 1997.

TILLICH, P. Teologia da cultura. São Paulo: Fonte Ediorial, 2009.

YONG, A. Discerning the Spirit(s): A Pentecostal-Charismatic Contribution to Christian Theology of Religions. Sheffield-England: Sheffield Academic Press, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/2175-1838.09.002.DS08

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.