PADRE DIOGO ANTÔNIO FEIJÓ: as contro- vérsias de um sacerdote regalista e anticelibatário

Dilermando Ramos Vieira

Resumo


Padre  Diogo Antônio Feijó foi um destacado político, cujas propostas cívicas e religiosas ainda hoje suscitam curiosidade. Feijó, pelo que representou e pelas posturas que assumiu ante a religião da qual era ministro, só  pode ser compreendido dentro das circunstâncias em que viveu, as quais ele viria a transcender, tanto pelo radicalismo com que defendeu seus pontos de vista, quanto pela pertinácia com que foi combatido. Deve-se ter presente que, na política então dominante no Brasil, o “regalismo” era uma das notas características. Feijó foi um apologista convicto dessa posição, e o fato de ser padre jamais impediu que colocasse os interesses da Igreja em segundo plano na sua vida. Por outro lado, ser filho bastardo de um clérigo sempre o deprimiu, e isso, segundo alguns estudiosos, teria provocado nele verdadeira aversão pelo celibato clerical, por percebê-lo como causa de sua dor.


Palavras-chave


História da Igreja; Século XIX; Feijó; Regalismo.

Texto completo:

PDF

Referências


AAEESS: Affari Ecclesiastici Straordinari – Vaticano

- América I (Brasil) fasc. 155, pos. 37.

ASV: Archivio Segreto del Vaticano – Nunziatura Apostolica in Brasile

- Fasc. 10, caixa 3: Governo imperial

- Fasc. 13: Secretaria de Estado e outros dicastérios (nomeação de Moura)

- Fasc. 18, caixa 4: sobre a nomeação episcopal do cônego Antônio Maria de Moura.

ANAIS DO PARLAMENTO BRASILEIRO. CÂMARA DOS DEPUTADOS, 5.,

, Rio de Janeiro. Sessão... Rio de Janeiro: Tipografia de Hipólito José Pinto e Cia, 1876.

BRASIL. Constituição política do Império do Brasil (1824). Seguida do Ato Adicional (1834). Rio de Janeiro: Eduardo Henrique e Laemmert Editores, 1863.

BURTON, R. Viagem do Rio de Janeiro a Morro Velho. Itatiaia: Belo Horizonte, 1976.

CAMARGO, P. G. Oração fúnebre por ocasião das exéquias feitas de corpo presente ao Ex.mo e Rev.mo Sr. Diogo Antônio Feijó, grã cruz da imperial ordem do cruzeiro e senador do Império, na igreja do convento de Nossa Senhora do Monte do Carmo da imperial cidade de São Paulo, aos 15 de novembro de 1843. São Paulo: Tipografia do Governo arrendada por Silva Cabral, 1843.

CASTELLANI, J. Os maçons que fizeram a história no Brasil. São Paulo: A Gazeta Maçônica, [19--?].

CORRÊA, V. Gaveta de sapateiro. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1932.

GURGEL, M. J. A. Análise da resposta do Ex.mo Arcebispo da Bahia sobre a questão da dispensa do celibato, pedida pelo Conselho Geral de São Paulo. Rio de Janeiro: Tipografia Ambrosiana, 1834.

KIDDER, D. P. Reminiscências de viagens e permanências no Brasil. São Paulo: Livraria Martins, 1972.

ELLIS JÚNIOR, A. Feijó e sua época. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1940.

NOGUEIRA, O.; FIRMO, J. S. Parlamentares do Império. Brasília: Centro Gráfico do Senado Federal, 1973.

ORICO, O. O demônio da regência. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1930.

PIRES, H. Temas de história eclesiástica do Brasil. São Paulo: São Paulo Editora, 1946.

RUBERT, A. A Igreja no Brasil. Santa Maria: Livraria Editora Palloti, 1993. v. 4.

SARAIVA, J. H. História concisa de Portugal. Mira-Sintra: Publicações EuropaAmérica, 1993.

SEIXAS, R. A. Memórias do Marquês de Santa Cruz. Rio de Janeiro: Tipografia Nacional, 1861.

SILVA, J. B. A. A Arca de Noé (13/4/1833).

SOUZA, O. T. Diogo Antônio Feijó. Belo Horizonte: Itatiaia, 1988.

TALASSI, L. A doutrina do Padre Feijó e suas relações com a Sé Apostólica. Roma: Pontifícia Universidade Gregoriana, 1949




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/pp.v2i1.13763

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.