O CONCEITO DE PESSOA HUMANA DA BIOÉTICA PERSONALISTA (PERSONALISMO ONTOLOGICA- MENTE FUNDADO)

Dalton Luiz de Paula Ramos, Maria Carolina Lucato

Resumo


A bioética é uma ciência que surgiu no início da década de 1970, nos Estados Unidos, com objetivo de criar uma “ponte” entre a ciência biológica e a área dos valores. No Brasil, a bioética chega, efetivamente, em 1995, a partir da fundação da Sociedade Brasileira de Bioética e da promulgação da Resolução 196/96 do Conselho Nacional de Saúde, que regulamenta a pesquisa com seres humanos no país. A bioética possui vários modelos e dentre eles está o Personalismo Ontologicamente Fundado, criado por Elio Sgreccia. Essa linha de pensamento se funda na pessoa humana, ou seja, a pessoa deve ser o critério de avaliação frente a um dilema bioético. Toda pessoa humana é unitotalidade, dotada de uma dignidade. Ela é formada pelas dimensões física, psíquica, social, moral e espiritual. Esse modelo considera que toda vida humana tem início com a fecundação e fim com a morte natural. No presente trabalho, procurou-se demonstrar o conceito de pessoa em relação ao início da vida humana na perspectiva da bioética personalista. É preciso fazer com que a comunidade bioética brasileira conheça esse conceito de pessoa humana, tendo como critério de juízo a própria realidade, e utilize sua experiência de “pessoa” nos momentos em que seja necessário decidir sobre as intervenções que se faz sobre a vida.


Palavras-chave


Bioética; Bioética personalista; Personalismo ontologicamente fundado; Pessoa humana; Início da vida.

Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO, E. S. Aborto: biologia e ética. Rev Med PUCRS, v. 8, n. 3, p. 114-122, 1998.

BERTI, E. et al. Persona e personalismo. Padova: Gregorina Libraria Editrice, 1992.

BRASIL. Lei n. 11.105, de 24 de março de 2005. Regulamenta os Incisos II, IV e V do parágrafo 1 do artigo 225 da constituição federal, estabelece normas de segurança e mecanismos de fiscalização de atividades que envolvam organismos geneticamente modificados – OGM e seus derivados, cria o Conselho Nacional de Biossegurança – CNBS, reestrutura a comissão tecnica nacional de biossegurança – CTNBIO, dispõe sobre a politica nacional de biossegurança – PNB, revoga a Lei 8.974, de 5 de janeiro de 1995, e a medida provisória 2.191-9, de 23 de agosto de 2001, e os artigos 5, 6, 7, 8, 9, 10 e 16 da lei 10.814, de 15 de dezembro de 2003, e dá outras providencias. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 28 mar. 2005. p. 1, 2005. Disponível em: http://www6.senado.gov.br/sicon/Lista Referencias.action?codigoBase=2&codigoDocumento=250537>. Acesso em: 15 set. 2009.

FRATTALLONE, R. Persona. In: LEONE S.; PRINITERA, S. Nuovo dizionario di bioetica. Roma: Città Nuova Editrice, 2004. p. 856-863.

PALAZANNI, L. Il concetto di persona umana tra bioética e diritto. Torino: Giapichelli, 1996.

______. La fundamentación personalista en bioetica. Cuadernos de Bioética, v. 14, n. 2, p. 48-54, 1993.

PAULA, I. C. Il concetto di persona e la sua rilevanza assiologica: i principi della bioetica personalista. Medicina e Morale, n. 2, p. 265-278, 2004.

POSSENTI, V. Il principio-persona. Roma: Armando, 2006.

RAMOS, D. L. P. Fundamentos e princípios da bioética. Notandum, v. 9, 2002. Disponível em: . Acesso em: 10 mar. 2008.

RAMOS, D. L. P.; SILVA, M. M. P.; CALDATO, M. C. F. A pessoa e a vida humana: um fundamento para a bioética. In: RAMOS, D. L. P. Bioética, pessoa e vida. São Caetano do Sul: Difusão, 2009. p. 39-56.

SERRA, A. Quando comincia um essere umano. In margine di un recente documento. In: SGRECCIA, E. Il dono della vita. Milano: Vita e Pensiero, 1987. p. 91-106.

SGRECCIA, E. Manual de bioética I: fundamentos e ética biomédica. 2. ed. São Paulo: Loyola, 2002.

______. Manuale di bioetica I: fondamenti ed etica biomedica. Milano: Vita e Pensiero, 2007.

SUTTON, A. Ten years after Warnock Report: is the human neo-conceptus a person? Medicina e Morale, n. 3, p. 475-490, 1994.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/pp.v2i1.13505

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.