As mulheres do efa: epílogo da interdição da deusa e do feminino na Judá pós-exílica

Osvaldo Luiz Ribeiro

Resumo


Este artigo é um exercício de interpretação histórico-social de Zc 5,5-11 no contexto das “Visões de Zacarias”. A visão de Zc 5,5-11 é interpretada como a descrição dramática do culto da deusa Asherah em Judá, constituído pela imagem da deusa (a mulher no efa) e seu respectivo aparelho litúrgico (sacerdotisas?): as mulheres com asas. A despeito das eventualmente históricas reformas anicônicas dos séculos VIII e VII a.C., teria permanecido em Judá o culto icônico da deusa Asherah, que se desenvolvera ainda mais desimpedidamente durante o período do cativeiro babilônico da elite religiosa de Jerusalém. Redigida pelo contingente sacerdotal dos deportados que retornam a Jerusalém em algum momento entre o fim do século VI e início do V a.C, a visão constituiria parte do projeto sacerdotal de hegemonia político-religiosa na Judá pós-exílica, cujos traços principais são o aniconismo cúltico, a monolatria e a exclusividade de acesso a Yahweh em Jerusalém, sob um aparelho sacerdotal exclusivamente masculino.


Palavras-chave


Deusa; Asherah; Interdição feminina; Judá pós-exílica.

Texto completo:

PDF

Referências


ALONSO-SCHÖKEL, L. Profetas II: Ezequiel, Profetas Menores, Daniel, Baruc, Carta de Jeremias. Trad. A. Alvarez. São Paulo: Paulinas, 1991.

BALDWIN, J. G. Ageu, Zacarias e Malaquias: introdução e comentário. Trad. Hans Udo Fuchs. São Paulo: Vida Nova, 1991.

CROATTO, J. S. A deusa Aserá no Antigo Israel: a contribuição epigráfica da arqueologia. RIBLA: Revista de Interpretação Bíblica Latino-Americana, n. 38, p. 3344, 2001a.

CROATTO, J. S. As linguagens da experiência religiosa: uma introdução à fenomenologia da religião. Trad. de Carlos Maria V. Gutiérrez. São Paulo: Paulinas, 2001b.

CRÜSEMANN, F. A Torá: teologia e história social da lei do Antigo Testamento. Petrópolis: Vozes, 2002.

DE MUL, J. The ragedy of finitude: Dilthey’s hermeneutics of life. Yale: Yale University Press, 2004.

DONNER, H. História de Israel e dos povos vizinhos: da época da divisão do reino até Alexandre Magno (com um olhar sobre a história do judaísmo até Bar Kochba). Trad. Claudio Molz e Hans A. Trein. 2. ed. São Leopoldo: Sinodal; Petrópolis: Vozes, 2000. v. 2. p. 273-535.

FINKELSTEIN, I.; SILBERMAN, N. A. A bíblia não tinha razão. Trad. Tuca Magalhães. São Paulo: A Girafa, 2003.

GALLAZZI, S. A Teocracia sadocita: sua história e ideologia. Macapá: Sandro Gallazzi, 2002.

GINZBURG, C. Relações de força. Trad. Jônatas Batista Neto. São Paulo: Compania das Letras, 2002.

HALPERIM, D. J. Faces of the Chariot: development of rabbinic exegesis of Ezekiel’s vision of the divine Chariot. Tübingen: Mohr, 1988.

HAMMAN, A. Os padres da igreja. 3. ed. Trad. Isabel Fontes Leal Ferreira. São Paulo: Paulinas, 1980.

HASTINGS, J. Dictionary of the Bible. New York: Charles Scribner’s Sons, 1943.

IRENEU DE LIÃO. Contra as heresias. 2. ed. Trad. Lourenço Costa. São Paulo: Paulus, 1995.

JUSTINO MÁRTIR. I e II Apologias: diálogo com Trifão. Trad. Ivo Storniolo e Euclides M. Balancin. São Paulo: Paulus, 1995.

KEEL, O.; UEHLINGER, C. Goettinnen, Goetter und Gottessymbole: neue Erkenntnisse zur Religionsgeschichte Kanaans und Israels aufgrund bislang unerschlossener ikonographischer Quellen. Trad. Haroldo Reimer. Freiburg im Breisgau; Basel; Wien: Herder, 1993. p. 453-475.

KEEL, O. “Do meio das nações”: a bíblia como porta de entrada de culturas do Oriente Próximo. Concilium, n. 257, p. 10-21, 1995.

Lipschits, O.; Oeming, M. (Ed.). Judah and the Judeans in the Persian period. Winona Lake: Eisenbrauns, 2006.

LISBETH, S. F. The priest and the great king: temple-palace relations in the Persian Empire. Wiona Lake: Eisenbrauns, 2004.

LUTZKY, H. C. On “The Image of Jealousy” (Ezekiel VIII 3,5). Vetus Testamentum, v. 46, n. 1, p. 121-125, 1996.

MAZAR, A. Arqueologia na terra da Bíblia: 10.000–586 a.C. São Paulo: Paulinas, 2003.

MEYERS, E. M. Exile and restoration in light of recent archaeology and demographic studies. In: GRABBE, L. L.; KNOPPERS, G. N. (Ed.). Exile and restoration revisited: essays on the Babylonian and Persian periods in memory of Peter R. Ackroyd. London: T&T Clark, 2009. p. 166-173.

MORIN, E. O método 2: a vida da vida. Trad. Marina Lobo. Porto Alegre: Sulina, 2001.

MORIN, E. O método 3: o conhecimento do conhecimento. 2. ed. Trad. Juremir Machado da Silva. Porto Alegre: Sulina, 2002a.

MORIN, E. O método 4: as idéias – habitat, vida, costumes, organização. 3. ed. Trad. Juremir Machado da Silva, 2002b.

MORIN, E. O método 1: natureza da natureza. 2. ed. Trad. Ilana Heineberg. Porto Alegre: Sulina, 2003.

RIBEIRO, O. L. Nehushtan: pesquisa exegética, fenomenológica e histórico-social sobre a origem, a supressão e o suporte social do culto à serpente de bronze em Israel, com base em Nm 21,4-9; Is 6,1-7 e 2 Re 18,4. 2002. 404 f. Dissertação (Mestrado em Teologia) — Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil, Rio de Janeiro, 2002.

RIBEIRO, O. L. Ela não é minha mulher: o programa religioso da golah em Os 2,415. Fragmentos de Cultura, v. 13, n. 5, p. 1017-1046, 2003.

RIBEIRO, O. L. A República de Judá nas ‘visões’ de Zacarias: porque o poder não é apocalíptico. Oracula, v. 2, n. 4, p. 1-50, 2006.

RIBEIRO, O. L. A deusa do efa: hipótese de interdição ao culto de Asherah em Zc 5,5-11. Revista Pistis Praxis, v. 6, n. 1, p. 191-208, 2014.

VEYNE, P. Como se escreve a história e Foucault revoluciona a história. 4. ed. Trad. Alda Balta e Maria Auxiliadora Kneipp. Brasília: UnB, 1998.

WIGGINS, S. A. Of Asherahs and trees: some methodological questions. Journal of Ancient Near Eastern Religions, v. 1, n. 1, p. 158-187, 2002.

ZENGER, E. et al. Introdução ao Antigo Testamento. Trad. Werner Fuchs. São Paulo: Loyola, 2003.

ZIMMERLI, W. Ezequiel 1: a commentary on the Book of Prophet Ezekiel, chapters 1-24. Trad. R. E. Clements. Philadelphia: Fortress Press, 1979.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/revistapistispraxis.07.001.ao03

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.