Religio cordis brasiliensis e espaço público: entre a rejeição, a dinamização e a indiferença diante de um projeto de cristianismo cidadão

Helmut Renders

Resumo


A religião cordis é uma expressão transconfessional da fé cristã que marcou o Brasil desde a época colonial até a fase ultramontanista e que ganhou adeptos protestantes, especialmente evangélicos (reprodução do livro emblemático do autor católico Johannes Evangelista Gossner por presbiterianos, metodistas, batistas, luteranos e pentecostais; uso do coração em logotipos da Igreja Metodista Wesleyana e da Igreja Universal do Reino de Deus).Todos esses movimentos eram, em território brasileiro, ou defensores da escravidão, ou inimigos da República, ou ficaram longe das lutas sociais, senão até colaboraram com a ditadura. Essa constatação me levou à afirmação de que a religio cordis brasiliensis poderia ser chamada de religião cordial, a religião do “homem cordial”, segundo o uso de S. Buarque de Holanda; em outras palavras: uma religiosidade antirrepublicana. Por outro lado, há uma linha da religio cordis pouco explorada no Brasil. Nos séculos XII e XIII, surgiu uma forma feminina da religio cordis na base das cantigas dos trovadores, cujas proponentes se tornaram pessoas públicas; na Reforma, criou-se uma vertente não misticista da religio cordis. Isso começa com os brasões de Lutero e de Calvino e evidencia-se especialmente pelos livros emblemáticos da calvinista Georgette de Montenay e do luterano Daniel Cramer, bem como, no século XVIII, pela forma como John Wesley reconecta afetividade e presença profética, por exemplo, em sua luta contra a escravidão. Finalmente, houve, no século XX, tentativas protestantes e católicas sérias de reler a religio cordis como modelo para um engajamento cristão não tecnocrata nem burocrata, mas solidário.

Religio cordis. Espiritualidade. Esfera pública. Cidadania.


Palavras-chave


Religio cordis; Espiritualidade; Esfera pública; Cidadania.

Texto completo:

PDF

Referências


ADAMS, A. Webs of Allusion: French protestant emblem books of the Sixteenth Century. Geneva: Droz, 2003.

BUYERS, P. E. História do metodismo. São Paulo: Imprensa Metodista, 1945.

CAREY, B. John Wesley’s Thoughts upon Slavery and the language of the heart. The Bulletin of the John Rylands University Library, v. 85, n. 2-3, p. 269-284, 2003.

CRAMER, D. Emblemata Sacra. Franckfurt am Mayn: Jennis, 1624. Disponível em: . Acesso em: 28 fev. 2014.

DIEU le Roi [Deus rei]. [Paris], [17--]. Emblema. Disponível em:

Dieu-leroi_Vendee.jpg>. Acesso em: 20 fev. 2014.

DREHER, L. H. A mística protestante em sua expressão alemã. In: TEIXEIRA, F. (Org.). No limiar do mistério: mística e religião. São Paulo: Paulinas, 2004. p. 205-228.

EDMUNDS, M. M. Gabriel’s altar for the palace chapel at Versailles: sacred heart and royal court in eighteenth-century France. Journal of the Society of Architectural Historians, v. 65, n. 4, p. 550-577, Sept./Dec. 2006.

EDWARDS, L. M. The spectrum of Religion. New York: The Methodist Book Concern, 1919.

FEIL, E. Religio: Die Geschichte eines neuzeitlichen Grundbegriffs im 18. und frühen 19. Jahrhundert. Göttingen: Vandenhoeck & Ruprecht, 2007.

GERTRUDE de Helfta. [Lima], [17--]. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2014

GIUMBELLI, E. A Modernidade do Cristo Redentor. Revista de Ciências Sociais, v. 51, n. 1, p. 75-105. 2008.

GOSSNER, J. E. Das Herz des Menschen: ein Tempel Gottes oder eine Werkstätte des Satans. Augsbrug: [s.n.], 1812.

HAMPSON, J. Memories of the late Rev. John Wesley, A. M.: with a review of his life and writings, and a history of Methodism from it’s commencement in 1729, to the present time. Sunderland: printed for the Author, by James Graham, 1791. 3 v.

HEITZENRATER, R. P. Great expectations: Aldersgate and the evidences of genuine Christianity. In: MADDOX, R. L. (Ed.). Aldersgate reconsidered. Nashville: Kingswood Books, 1990.

HOLANDA, S. B. de. Raízes do Brasil. 26. ed. São Paulo: Companhia das Letras.

HUBY, V. The state of a man in perseverance. [18--?]. Óleo sobre tela. Daniel Liebsohn Collection, Mexico City. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2013.

IGREJA METHODISTA DO BRASIL. A atitude da Igreja Metodista do Brasil diante o mundo e a nação. In: CONCÍLIO GERAL, 2., 1934, Porto Alegre. Atas... São Paulo: Imprensa Metodista, 1934. p. 96-97.

JOSGRILBERG, R. S. Espiritualidade comprometida. Revista Caminhando, v. 4, n. 1[6], p. 33-37, 2010 [2. ed. on-line; 1. ed. 1993].

KEUL, H. Das Hohelied der Minne: Eine Entfesselung des weiblichen Begehrens. In: BANGERT, M.; KEUL, H. Vor dir steht die leere Schale meiner Sehnsucht: die Mystik der Frauen von Helfta. Leipzig: Benno Verlag, 1998. s. 97-111.

MAÇANEIRO, M. O desvelamento do coração: dez fragmentos sobre santa Gertrudes de Helfta (Alemanha, 1256-1302). Dehoniana, v. 2, n. 3, 2002. Disponível em: < http:// win.dehon.it/scj_dehon/cuore/dehoniana/2002/3-2002-04-typ.htm>. Acesso em: 12 jan. 2014.

MECHTHILD VON MAGDEBURG. Das fließende Licht der Gottheit. Tradução, introdução e comentário de Margot Schmidt. Stuttgart-Bad Cannstatt: FrommannHolzboog Verlag, 1995.

MECHTHILD VON MAGDEBURG. “Ich tanze, wenn du mich führst”: ein Höhepunkt deutscher Mystik. Ausgew, übers und eingeleitet von Margot Schmidt. Freiburg im Breisgau; Basel; Wien: Herder, 2001.

MADDOX, R. L. A change of affections: the development, dynamics, and dethronement of John Wesley’s “Heart Religion”. In: STEELE, R. (Ed.). “Heart Religion” in the Methodist tradition and related movements. Lanham: Scarecrow Press, 2001. p. 3-31.

MAIA, F.; RENDERS, H. Os “Pensamentos s

obre a Escravidão” (1774) de John Wesley: introdução e tradução para o português brasileiro. Caminhando, v. 18, n. 1, p. 153-181, jan./jun. 2013. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2013.

MATHEWS-GRIECO, S. F. Georgette de Montenay: A Different Voice in Sixteenth Century Emblematics. Renaissance Quarterly, v. 47, n. 4, p. 793-871, 1994.

MIGUEZ BONINO, J. Ama e faze o que quiseres: uma ética para o novo homem. São Bernardo do Campo: Imprensa Metodista, 1982.

MIGUEZ BONINO, J. Ama e faze o que quiseres: uma ética para o novo homem. São Bernardo do Campo: Imprensa Metodista, 1982.

MONTENAY, G. Non tuis vireus. 1570. Emblema. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2014.

RENAUD, F. Michel Le Nobletz et les missions bretonnes. Paris: Ed. du Cèdre, 1954.

RENDERS, H. 75 anos do Credo Social brasileiro: uma investigação da interação entre igreja e esfera pública. Simpósio, v. 11[1], ano 40, n. 49, p. 43-65, nov. 2009. Disponível em: . Acesso em: 8 maio 2013.

SCHNEIDER, W. Die Herzenswunde Gottes: die Theologie des durchbohrten Herzens Jesu als Zugang zu einer spirituellen Theodizeefrage. 2007. InauguralDissertation (Doktorwürde) — Universität Passau, Passau, 2007.

SELL, C. E.; BRÜSEKE, F. J. Mística e sociedade. Itajaí: Universidade do Vale do Itajaí; São Paulo: Paulinas, 2006.

SILVEIRA, G. Lutero, Loiola e o totalitarismo. São Paulo: Imprensa Metodista, 1943.

VOLLMANN-PROFE, G. Mechthild von Magdeburg. In: HISTORISCHEN KOMMISSION BEI DER BAYERISCHEN AKADEMIE DER WISSENSCHAFTEN. Neue Deutsche Biographie (NDB). Berlin: Duncker & Humblot, 1990. v. 16. p. 581-582.

WARÄTHI, I. A. A transverberação de Mechthild e Gertrude de Hefta. 1722. Afresco do teto da biblioteca do monastério Metten. Disponível em: . Acesso em: 20 ago. 2010.

WARNKE, C.-P. Symbol, Emblem, Allegorie: die zweite Sprache der Bilder. Köln: Deubner Verlag für Kunst, Theorie und Praxis, 2005.

WEISS, B. Die deutschen Mystikerinnen und ihr Gottesbild: das Gottesbild derdeutschen Mystikerinnen auf dem Hintergrund der Mönchstheologie. Paderborn: Schöningh, 2004. t. 3.

WESLEY, J. A word to a drunkard. [Bristol]: [s.n.], 1748. Disponível em: Acesso em: 12 jan. 2014.

WESLEY, J. An Extract of the Rev. Mr. John Wesley’s journal: feb. 1st 1738, to his ret urn from Germany. London: [s.n.], 1740.

WESLEY, J. A short history of the people called Methodists. London: [s.n.], 1777a.

WESLEY, J. Thoughts upon God’s sovereignty. London: [s.n.], 1777b.

WESLEY, J. The journal of John Wesley. Edited by J. Curnock. London: Epworth Press, 1952. v. 8. Publicado originalmente em 1938.

WESLEY, J. Sermões. Notas introdutórias, esboços e perguntas rev. William P. Harrison. 3. ed. São Bernardo do Campo: Imprensa Metodista, 1985. 2 v.

WIERIX, A. Cor Iesv amanti sacrvm. [Antverpia]: [s.n.], 1585/86.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/revistapistispraxis.07.001.ao02

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.