Teologia e espiritualidade: por uma teologia que ilumine a mente e inflame o coração

Clodovis Boff

Resumo


Pretende-se mostrar que a espiritualidade é uma dimensão intrínseca de toda teologia, sem prejuízo, porém, à sua cientificidade — antes, é exigência, ainda que paradoxal, desta última. Provaremos que é a natureza mesma de seu objeto próprio — o Deus revelado em Jesus Cristo como amor salvador — que obriga a teologia cristã a ser afetiva para poder ser adequadamente intelectiva. Veremos que, de fato, o lado afetivo ou experiencial da teologia não se agrega simplesmente ao racional, mas se integra a ele, conferindo-lhe intensidade e vivacidade. Poder-se-á ver, através da história, que a dimensão espiritual nunca faltou à grande teologia, ainda que a tentação do racionalismo nunca tenha deixado de acossá-la, sobretudo a partir da época moderna. Essa época efetivamente deu prevalência à razão discursiva sobre a inteligência intuitiva e a fé experiencial, prevalência que felizmente, hoje, está em vias de superação.


Palavras-chave


Teologia; Espiritualidade; Método teológico; Conhecimento afetivo.

Texto completo:

PDF

Referências


ARISTOTELE. Etica eudemia. Introduzione e note P. Donini. Roma; Bari: Laterza, 1999.

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. São Paulo: Abril Cultural, 1973. (Os pensadores, n. 4.).

ARISTÓTELES. Metafísica. Tradução e comentário de G. Reale. São Paulo: Loyola, 2002. v. 2. Texto grego com tradução ao lado.

BAIL, P. La Théologie affective: ou Saint Thomas en méditation. Paris: Jacques Lecoffre, 1857.

BALTHASAR, H. U. von. Theologie und Heiligkeit. In: BALTHASAR, H. U. von. Verbum caro. Einsiedeln: Johannes Verlag, 1960. p. 195-225.

BARTH, K. Fé em busca de compreensão. 3. ed. São Paulo: Fonte Editorial, 2006. Original publicado em 1931.

BARTH, K. Introdução à teologia evangélica. Sinodal: São Leopoldo, 1977.

BENTO XVI. Homilia da missa com os membros da Comissão Teológica Internacional. Roma, 2009. Disponível em: . Acesso em: 13 abr. 2015.

BERNANOS, G. Pensieri, parole, profezie. Milão: Paoline, 1996.

BOFF, C. Teoria do método teológico. Petrópolis: Vozes, 1998.

BOFF, C. União de Teologia e Piedade no pensamento e na vida de São Tomás de Aquino. Revista Eclesiástica Brasileira, v. 72, n. 286, p. 437-448, abr. 2012.

CASSIANO, J. Conferências. Juiz de Fora: Mosteiro de Santa Cruz, 2003-2008. 3 v. CIORAN. E. M. Silogismos da amargura. Rio de Janeiro: Rocco, 1991.

COMISSÃO TEOLÓGICA INTERNACIONAL. Teologia hoje: perspectivas, princípios e critérios. Il Regno-documenti, n. 9, p. 92-95, 2012.

CONCÍLIO VATICANO II. Constituição dogmática Dei Verbum: sobre a Revelação Divina. In: COMPÊNDIO do Vaticano II: constituições, decretos, declarações. Petrópolis: Vozes, 1967.

CONCÍLIO VATICANO II. Constituição dogmática Lumen Gentium: sobre a Igreja. In: COMPÊNDIO do Vaticano II: constituições, decretos, declarações. Petrópolis: Vozes, 1967.

CONCÍLIO VATICANO II. Decreto Optatam Totius. In: COMPÊNDIO do Vaticano II: constituições, decretos, declarações. Petrópolis: Vozes, 1967.

CONGREGAÇÃO PARA A DOUTRINA DA FÉ. Instrução Donum Veritatis: sobre a vocação eclesial do teólogo. Roma, 1990. Disponível em: . Acesso em: 13 abr. 2015.

CONGREGAÇÃO PARA A DOUTRINA DA FÉ. Instrução Libertatis Conscientia: sobre a liberdade cristã e a libertação. Roma, 1986. Disponível em: . Acesso em: 13 abr. 2015.

DAMÁSIO A. R. O erro de Descartes: emoção, razão e o cérebro humano. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

DENZINGER, H. Compêndio dos símbolos, definições e declarações de fé e moral. São Paulo: Paulinas; Loyola, 2007.

FRANCISCO [Papa]. Carta Encíclica Lumen Fidei. Roma, 2013. Disponível em: . Acesso em: 13 abr. 2015.

FRANCISCO DE ASSIS. Escritos e biografias de São Francisco de Assis. Petrópolis: Vozes; CEFEPAL, 1977.

GOLEMAN, D. Inteligência emocional. Rio de Janeiro: Objetiva, 1995.

GRÉGOIRE DE NISSE. Discours théologiques. Paris: Cerf, 1978. (Sources Chrétiennes, n. 250).

GUARDINI, R. Sacra scrittura e scienza della fede: una conoscenza spirituale che avvienne come dono. Casale Monferrato: Piemme, 1991. Original publicado em 1928.

JOÃO PAULO II. Carta encíclica Fides et Ratio: sobre as relações entre fé e razão. Roma, 1998. Disponível em: . Acesso em: 13 abr. 2015.

JOÃO PAULO II. Exortação apostólica pós-sinodal Pastores Dabo Vobis. Roma, 1992. Disponível em: . Acesso em: 13 abr. 2015.

LECLERCQ, J. O amor às letras e o desejo de Deus: introdução aos autores monásticos da Idade Média. São Paulo: Paulus, 2012. Original publicado em 1957.

Maritain, J. Le docteur angélique. Paris: Desclée de Brouwer, 1930.

MENESES. P. G. de. O conhecimento afetivo em Santo Tomás. São Paulo: Loyola, 2000. Pesquisa publicada originariamente na Revista Portuguesa de Filosofia, nos idos de 1960.

MOTTE, A. La prière du philosophe chez Platon. In: LIMET, H.; RIES J. (Éd.). L’expérience de la prière dans les grandes religions. Louvain-la-Neuve: Centre d’histoire des religions, 1980. p. 137-224.

MOUROUX, J. L’expérience chrétienne: introduction à une théologie. Paris: Aubier, 1952. (Théologie, n. 26).

PATROLOGIA cursus completus: Series Graeca. Organizada por Jacques-Paul Migne. [s.l.]: 1857-1866. Disponível em: . Acesso em: 13 abr. 2015.

PATROLOGIA Latina. Organizada por Jacques-Paul Migne. [s.l.]: 1844-1856. 221 v. Disponível em: . Acesso em: 13 abr. 2015.

PAULO VI. Scientia et virtute praeclarissimus: carta aos ministros gerais dos franciscanos pelo VII centenário da morte de S. Boaventura. Roma: [s.n.], 1974.

PLATONE. I dialoghi. Traduzione e interpretazione di E. Turolla. Milão: Rizzoli, 1953. 3 v.

RAMIREZ, S. Introducción general. In: TOMÁS DE AQUINO. Suma teológica de Santo Tomás de Aquino. 2. ed. Madri: Editorial Católica, 1947. t. 1. (Colección BAC, sección II).

ROUSSEAU, J-J. Resposta ao rei da Polônia. In: ROUSSEAU, J-J. Discurso sobre as ciências e as artes. São Paulo: Abril Cultural, 1973. p. 389-393. (Os pensadores, n. 24). Publicado originalmente em 1750.

S. BONAVENTURAE. Opera Omnia. Roma: Ad claras Aquas (Quaracchi), 1882. Disponível em: . Acesso em: 13 abr. 2015.

SAINT-EXUPÉRY, A. O pequeno príncipe. 15. ed. Rio de Janeiro: Agir, 1972.

SAN AGUSTÍN. Obras completas. Madrid: Católica, 1956-1959. (Colección BAC, sección VI). 18 v.

SANTO ANSELMO. Monológio. 2. ed. São Paulo: Abril, 1979. (Os Pensadores).

TERESA DE JESUS. Obras completas. Aveiro: Edições Carmelo, 1978.

TOMÁS DE AQUINO. Opera omnia. Navarra: Fundación Tomás de Aquino, 2012. Disponível em: . Acesso em: 13 abr. 2015.

TOMÁS DE AQUINO. Compêndio de teologia. Porto Alegre: Concreta, 2015.

WEIL, S. A gravidade e a graça. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

ZÁK, L. Epistemologia generale. In: LORIZIO, G. (Dir.). Teologia fondamentale. Roma: Città Nuova, 2004. t. 1.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/revistapistispraxis.07.001.ds05

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.