Para não figurarmos como produtos de fábrica: Schopenhauer, Nietzsche e as noções de “caráter adquirido” e de “tornar-se o que se é”

Vilmar Debona

Resumo


No presente artigo procuro analisar a hipótese segundo a qual, nãoobstante as significativas diferenças de horizontes entre Schopenhauer eNietzsche quando estes tratam da questão da busca por um “si mesmo”,as suas noções de caráter adquirido e de tornar-se o que se é podem serconsideradas duas expressões similares para uma abordagem da autenticidade.A partir da definição schopenhaueriana de caráter adquirido e de passagens da Terceira Extemporânea e de Ecce Homo, argumento quetal similaridade pode ser mais produtiva caso a consideremos a partirdo que indico como possíveis definições negativas do caráter adquiridoe do tornar-se o que se é. Ou seja, não a partir do que teríamos comoconteúdo positivo de um caráter “adquirido” e do “que se é” comoresultado de um “tornar-se”, mas a partir daquilo em relação a queambos os pensadores indicam que precisamos nos desgarrar em vistade tornarmo-nos “nós mesmos”.

Palavras-chave


Schopenhauer; Nietzsche; Caráter adquirido; Tornar-se o que se é; Autenticidade

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.7213/estudosnietzsche.04.002.AO.02

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.