Sobre a dissensão com a metafísica da música schopenhaueriana: contextualizando a anotação 12[1] na filosofia do jovem Nietzsche

André Luis Muniz Garcia

Resumo


O presente artigo tem por objetivo interpretar o contexto no qual se insere a famosa anotação 12[1], na qual Nietzsche teria esboçado não só uma dissenção com a metafísica da música de Schpenhauer, mas, sobretudo,uma nova concepção de linguagem, agora não mais enquanto elemento mediador da expressão, pela arte, do “em si” do mundo. Para tanto, pretendemos mobilizar alguns argumentos presentes não apenas no material póstumo do jovem Nietzsche (o assim chamado Nachlass), mas também na sua primeira obra, O Nascimento da Tragédia, perseguindo assim três tópicos temáticos: (i) a relação entre música e representação em torno do conceito de “ideia poética”; (ii) a vontade como “objeto” da música,a fim de caracterizar a dissensão “não publicada” com Schopenhauer e (iii)interpretação d’O Nascimento da Tragédia a partir de uma metafísica da música enquanto investigação sobre o estatuto da linguagem musical como produto prefigurado artisticamente pela natureza.

Palavras-chave


Jovem Nietzsche; Schopenhauer; Música; Linguagem

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.7213/ren.v2i1.22590

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.