Culto dos monumentos históricos e projeto imperial na década de 1940: Negociando um passado colonial em Maputo e além

Lisandra Franco de Mendonça, Ricardo Mendonça

Resumo


A história nacional, do período colonial, celebrada nos memoriais da cidade de Lourenço Marques (renomeada Maputo em 1976), recaía nos triunfos da Ocupação e dos seus heróis, no esforço de Guerra, nos feitos extraordinários, elementos comuns à maioria das histórias nacionais e aos vários projetos imperiais das potências europeias ao longo do século XX. O que foi nessa altura símbolo das conquistas do país colonizador tornou-se uma herança problemática na véspera da Independência. A ressemantização do espaço público e a omissão de muito desse espólio, que abrange edifícios, pedaços de cidade e vivências urbanas, tornaram evidente a transferência de poder e um novo projeto político-cultural que procurava contrastar heranças do colonialismo. O texto descreve sucintamente a construção de memoriais e a eleição dos monumentos (da colonização) em Moçambique durante a primeira década do Estado Novo português (1933-1974), de forma a refletir sobre a interpretação e validação contemporâneas desse patrimônio em Moçambique. A pesquisa desenrolada em 2014 e 2019 sobre estudos urbanísticos, projetos de restauro de monumentos e legislação do patrimônio de Moçambique das primeiras décadas do século XX, permite estabelecer paralelismos com outras experiências coloniais e, de forma mais significativa, com a discussão atual sobre a conservação de patrimônios “dissonantes”.


Palavras-chave


Moçambique. Estado Novo. Eleição do património. Restauro dos monumentos.

Texto completo:

PDF

Referências


Abbonizio, I. (2009). Musica e colonialismo nell’Italia fascista (1922-1943) (Dissertação de doutorado). Dipartimento di Studi Umanistici, Università degli Studi di Roma “Tor Vergata”, Roma. Recuperado em 16 de janeiro de 2021, de https://art.torvergata.it/handle/2108/1196?mode=full#.XrqH7i1QuRs

Acciaiuoli, M. (1998). Exposições do Estado Novo 1934-1940. Lisboa: Livros Horizonte.

Alberto, C. (1907). Viagem de S. A. o Príncipe D. Luiz Filipe às colónias. O Occidente, XXX(1031), 178-181.

Bellisari, A. (2017). The Art of Decolonization: The battle for Algeria’s French Art, 1962–70. Journal of Contemporary History, 52(3), 625–45. 10.1177/0022009416652715

Benjamin, R. (2003). Orientalist aesthetics: Art, colonialism, and French North Africa, 1880-1930. Berkeley/ Los Angeles/ London: University of California Press.

Cabral, J. (1989). [Demolição do Padrão da Visita Presidencial]. (CAB.1 8-D, Cx. Cidade de Maputo 3), CDFF, Maputo, Moçambique.

Carbonara, G. (1997). Avvicinamento al restauro: Teoria, storia, monumenti. Napoli: Liguori Editore.

Costa, A. (2013). Arte em Moçambique: Entre a construção da Nação e o Mundo sem fronteiras (1932-2004). Lisboa: BABEL.

Costa, M. A. da (1940). Do Zambeze ao Paralelo 22º: Monografia do território de Manica e Sofala sob a administração da Companhia de Moçambique. Beira: Imprensa da Companhia de Moçambique.

Direcção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais (DGEMN). (1999). Boletins da DGEMN: Números 1 ao 131. Lisboa: Ministério das Obras Públicas, DGEMN. CD-ROM.

Dolff-Bonekämper, G. (2002). La Cultura Del Patrimonio Entre La Diversidad y La Globalización. Monumentos, 1-5. Recuperado em 16 de janeiro de 2021, de http://www.dolff-bonekaemper.de/monumentos-p.-4.html

Exposição-Feira de Angola. (1938). Guia da Exposição Feira de Angola, Luanda, Agosto 1938. Luanda: [s.n.] (Tip. Agência Técnica de Publicidade).

Factos & Fotos (9 de junho de 1974). Tempo [Lourenço Marques], (194), 59.

[Ficha de inventário da Fortaleza de Nossa Senhora da Conceição]. (1982). Serviço Nacional de Museus e Antiguidades (SNMA) (Cx. Maputo-Cidade-Cadastro), ARPAC, Maputo, Moçambique.

Franco de Mendonça, L. (2016). Conservação da arquitetura e do ambiente urbano modernos: A Baixa de Maputo (Dissertação de doutorado). Instituto de Investigação Interdisciplinar, Universidade de Coimbra, Coimbra/ Dipartimento di Storia, Disegno e Restauro dell’Architettura, Sapienza Università di Roma, Roma. Recuperado em 16 de janeiro de 2021, de http://hdl.handle.net/10316/29573

Franco de Mendonça, L., & Mendonça, R. (2019). A Comissão dos Monumentos e Relíquias Históricas de Moçambique (1943-1975) e o restauro dos monumentos de Lourenço Marques. In Anais do 3.º CICLB — 3.º Congresso Internacional de História da Construção Luso-Brasileira (p. 153-167). Salvador: Universidade Federal da Bahia, Núcleo de Tecnologia da Preservação e da Restauração.

Fuller, M. (2007). Moderns abroad: Architecture, cities and Italian imperialism. London and New York: Routledge.

Gabinete de Urbanização da Câmara Municipal de Lourenço Marques. (1969). M. de Azevedo (Coord.), Plano director de urbanização de Lourenço Marques (Vol. XVIII, Vol. XXI). Lourenço Marques.

Galvão, H. (1934). Albúm comemorativo da Primeira Exposição Colonial Portuguesa. Porto: Litografia Nacional.

Galvão, H. (1934a). Albúm fotográfico da Primeira Exposição Colonial Portuguesa. Porto: Litografia Nacional.

Giblin, J. (2018). Heritage and the use of the past in East Africa. In Oxford Research Encyclopedia of African History. Oxford, USA: Oxford University Press. https://doi.org/10.1093/acrefore/9780190277734.013.135

Grilo, M. I. T. (1999). Os boletins da Direcção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais (1935-1990). In Boletins da DGEMN: Números 1 ao 131 (p. 3-7). Lisboa: Ministério das Obras Públicas, DGEMN. CD-ROM.

Halbwachs, M. (com Coser, L. A.). (1992). On collective memory (Heritage of Sociology Series). Chicago/ London: The University of Chicago Press.

Harvey, D. C. (2001). Heritage pasts and heritage presents: Temporality, meaning and the scope of heritage studies. International Journal of Heritage Studies, 7(4), 319- 338. https://doi.org/10.1080/13581650120105534

Hedges, D. (Coord.). 1999. História de Moçambique: Moçambique no auge do colonialismo, 1930-1961 (2a ed., Vol. 2). Maputo: Livraria Universitária, Universidade Eduardo Mondlane.

Inquérito [a Alexandre Lobato]. (7 de maio de 1975). Notícias [Lourenço Marques], 3.

Jokilehto, J. (2006). Alois Riegl e Cesare Brandi nel loro contesto culturale. In M. Andaloro (Ed.), La teoria del restauro del novecento da Riegl a Brandi: Atti del Convegno Internazionale di Studi (Viterbo, 12-15 novembre 2003) (p. 51-57). Firenze: Nardini Editore.

Lemos, M. J. C. (1987). Maputo, deste lado da baía. Considerações sobre a toponímia da cidade. ARQUIVO, Boletim Semestral do Arquivo Histórico de Moçambique, (2), 5-18.

Lima, A. P. de (1966). Edifícios históricos de Lourenço Marques. Lourenço Marques: Livraria e Tipografia Académica.

Lobato, A. (1970). Lourenço Marques, Xilunguíne: Biografia da cidade. Lisboa: Agência-Geral do Ultramar.

Lourenço Marques, Av. D. Luís, atual Av. Samora Machel. [1974]. Coleção do Arquivo da Câmara Municipal de Lourenço Marques (Icon. 4732, Arm. C., Prat. 2, Cx. 56), AHM, Maputo, Moçambique.

L. M. Vista aérea da Praça Mouzinho de Albuquerque, atual Praça da Independência. (n.d.). Coleção do Arquivo da Câmara Municipal de Lourenço Marques (Icon. 4776, Arm. C, Prat. 2, Cx. 6), AHM, Maputo, Moçambique.

Macdonald, S. (2009). Difficult Heritage: Negotiating the Nazi Past in Nuremberg and Beyond. Abingdon, UK: Routledge.

Moçambique (1943a, 20 de fevereiro). Diploma Legislativo n. 825, de 20 de fevereiro de 1943. Cria a Comissão dos Monumentos e Relíquias Históricas de Moçambique. Lourenço Marques: Boletim Oficial da Colónia de Moçambique, I série, n. 8, p. 59-61.

Moçambique (1943b, 3 de abril). Portaria n. 5.093, de 3 de abril de 1943. Proclama monumentos e relíquias históricas da colónia os que são mencionados nesta portaria. Lourenço Marques: Boletim Oficial da Colónia de Moçambique, I série, n. 14, p. 104.

Moçambique (1964, 8 de abril). Portaria n. 17.685, de 8 de abril de 1964. Proclama monumento nacional o edifício da antiga Residência do Governo, propriedade do Estado, situado em Lourenço Marques. Transfere para a Câmara Municipal de Lourenço Marques a propriedade do referido edifício para nele se instalar o Museu da Cidade. Lourenço Marques: Boletim Oficial de Moçambique, I série, n. 14, 478-479.

Moçambique (1979, 3 de maio). Resolução n. 4, de 3 de maio de 1979. Cria ao nível de cada Assembleia Provincial, uma comissão de inventariação de lugares históricos existentes na província. Maputo: Boletim da República, I série, n. 50.

Moçambique (1988, 22 de dezembro). Lei n. 10, de 22 de dezembro. Estabelece a proteção do Patrimônio Cultural Nacional. Maputo: Boletim [da] República Popular de Moçambique, I série, n. 51, III suplemento, 441-(13) – 441-(17). Recuperado em 16 de janeiro de 2021, de http://www.wipo.int/edocs/lexdocs/laws/pt/mz/mz019pt.pdf

Monumentos Removidos. (15 de maio de 1975). Notícias [Lourenço Marques], 3.

Naroromele, A., & Marrengula, A. (7 de agosto de 1988). Património Cultural: Lei de protecção em tempo de crise de valores. Domingo [Maputo], 7-11.

Navarro, B. (2012). A estação central de Maputo no contexto das políticas de preservação do patrimônio edificado de Moçambique: Estudo de caso. Historiœ, 3(1), 171-200. Recuperado em 16 de janeiro de 2021, de https://periodicos.furg.br/hist/article/view/3154/0

Neto, M. J. (2001). Memória, propaganda e poder: O restauro dos monumentos nacionais (1929-1960). Porto: FAUP.

Newitt, M. (2012). História de Moçambique. Mem Martins: Publicações Europa-América. (Tradução L. Rodrigues & M. G. Segurado). (Original publicado 1995).

Pinto, A. te. c. (dezembro de 1943). [Envelope com] Vistas aéreas de Lourenço Marques tiradas pelo t.e. c. Abranches Pinto em dezembro de 1943, Coleção do Arquivo da Câmara Municipal de Lourenço Marques (Icon. 4691, Arm. C, Prat. 2, Cx. 5), AHM, Maputo, Moçambique.

Portal Arquivo RTP. (1975). Derrube da estátua de Mouzinho de Albuquerque [documentário]. Recuperado em 26 de abril de 2020, de https://arquivos.rtp.pt/conteudos/derrube-estatua-de-mouzinho-de-albuquerque/

Portugal. Agência Geral das Colónias. (1939, outubro). Discursos de S. Ex.ª o Sr. Presidente da República: Na Câmara Municipal da Beira em 28 de Julho. Boletim Geral das Colónias, Número especial dedicado à viagem de S. Ex.ª o Presidente da República a Cabo Verde, Moçambique e União Sul-Africana, XV(172), 60-63. Recuperado em 16 de janeiro de 2021, de http://memoria-africa.ua.pt/Library/ShowImage.aspx?q=/BGC/BGC-N172&p=61

Portugal. Colónia de Moçambique (1940, dezembro). Crónica do Trimestre: Glorificação a Mousinho de Albuquerque. Moçambique: Documentário Trimestral, (24), 92-105. Recuperado em 16 de janeiro de 2021, de http://memoria-africa.ua.pt/Library/ShowImage.aspx?q=/MDT/MDT-N024&p=93

Portugal. Agência Geral das Colónias. (1941, fevereiro). Homenagem a Mousinho de Albuquerque no 45.º aniversário de Chaimite. Boletim Geral das Colónias, XVII(188), 104-113. Recuperado em 16 de janeiro de 2021, de http://memoria-africa.ua.pt/Library/ShowImage.aspx?q=/BGC/BGC-N188&p=104

Portugal. Colónia de Moçambique (1942, junho). Crónica do Trimestre: Colonização e fomento, monumentos históricos de Moçambique. Moçambique: Documentário Trimestral, (30), 144-145. Recuperado em 16 de janeiro de 2021, de http://memoria-africa.ua.pt/Library/ShowImage.aspx?q=/MDT/MDT-N030&p=145

Portugal. Colónia de Moçambique (1952, dezembro). Crónica do Trimestre: Liceu Salazar em Lourenço Marques. Moçambique: Documentário Trimestral, (72), 148. Recuperado em 16 de janeiro de 2021, de http://memoria-africa.ua.pt/Library/ShowImage.aspx?q=/MDT/MDT-N072&p=149

Portugal. Colónia de Moçambique (1955a, dezembro). Crónica do Trimestre: Museu da Fortaleza de Lourenço Marques. Moçambique: Documentário Trimestral, (84), 114. Recuperado em 16 de janeiro de 2021, de http://memoria-africa.ua.pt/Library/ShowImage.aspx?q=/MDT/MDT-N084&p=115

Portugal. Ministério do Ultramar (1955b). Plano geral de urbanização de Lourenço Marques: Peças escritas, memória descritiva e justificativa, regulamento (Vol. 2). Lisboa: Gabinete de Urbanização do Ultramar.

Rangel, R. (1975). Lourenço Marques, 1975 – Momento em que se dava outro destino aos heróis da colónia portuguesa, Coleção Ricardo Rangel (RR01_17_G_04), CDFF, Maputo, Moçambique.

Rangel, R. (1981). [Estátuas nos terrenos do Museu Nacional de Arte], Coleção Ricardo Rangel (RR01_37_E_03), CDFF, Maputo, Moçambique.

Removidos painéis da estátua de Mouzinho. (8 de novembro de 1974). Notícias [Lourenço Marques].

Riegl, A. (2011). Il culto moderno dei monumenti: Il suo carattere e i suoi inizi (S. Scarrocchia, Ed.). Milano: Abscondita. (Original publicado 1903).

Roteiro da Exposição Histórica da Ocupação Portuguesa no século XIX. (1937). Lisboa: Editorial Ática.

Ruskin, J. (com Stefano, R. Di). (2007). Le sette lampade dell’architettura (6a ed., p. 11-29). Milano: Jaka Book. (Original publicado 1849).

Scarrocchia, S. (2011). La teoria dei valori confliggenti dei monumenti di Alois Riegl. In: A. Riegl, Il culto moderno dei monumenti. Il suo carattere e i suoi inizi (S. Scarrocchia, Ed.) (p. 75-141). Milano: Abscondita.

Schwartz, B. (1982). The social context of commemoration: A study in collective memory. Social Forces, 61(2), 374-397.

Sette, M. P. (1996). Profilo storico. In G. Carbonara (Ed.), Trattato di restauro architettonico (p. 109-299). Torino: UTET.

Silva, J. A. (1945). A Praça de Nossa Senhora da Conceição em Lourenço Marques e o projecto da sua reconstituição. Moçambique: Documentário Trimestral, (43), 23-44. Recuperado em 16 de janeiro de 2021, de http://memoria-africa.ua.pt/Library/ShowImage.aspx?q=/MDT/MDT-N043&p=24

Três dias de desespero ou uma lição que temos que aprender. (22 de setembro de 1974). Tempo [Lourenço Marques], (208), 49-54.

Tunbridge, J. E., & Ashworth, G. J. (1996). Dissonant Heritage: The management of the past as a resource in conflict. Chichester, UK: John Wiley.

Verheij, G. (2011). Monumentalidade e espaço público em Lourenço Marques nas décadas de 1930 e 1940: Dois casos de estudo (Dissertação de mestrado). Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH), Universidade Nova de Lisboa, Lisboa. Recuperado em 16 de janeiro de 2021, de http://hdl.handle.net/10362/7223

[Vista parcial da área da Baixa]. (1946, 30 de maio). Coleção do Arquivo da Câmara Municipal de Lourenço Marques (Icon. 4715, Arm. C, Prat. 2, Cx. 56), AHM, Maputo, Moçambique.

Wright, G. (1991). The politics of design in French colonial urbanism. Chicago: University of Chicago Press.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.