O uso de diferentes valores de tarifa como estratégia de transferência de demanda em sistemas de transporte público urbano

Ligia Rabay, Nilton Pereira de Andrade

Resumo


Um dos maiores problemas das cidades de médio e grande porte nos dias de hoje é a mobilidade urbana, cujas soluções passam necessariamente pelos sistemas de transporte público coletivo, os quais exigem elevados investimentos em infraestrutura. A frota desse serviço é determinada com base na quantidade de passageiros a serem transportados nos períodos de pico e tem importante papel na definição do valor da tarifa. A diferenciação do valor da tarifa por faixa horária ao longo do dia, embora ainda muito incipiente no Brasil, é uma estratégia bastante utilizada no exterior para diminuir a demanda nos períodos de pico. A oferta de descontos no valor da tarifa para os horários de menor demanda pode atrair parte dos usuários que se desloca nos picos. Dessa forma, o artigo apresenta um minucioso estudo sobre o tema, com uma análise de viabilidade do uso da tarifa diferenciada por horário no sistema de transporte público de uma cidade brasileira. Os resultados mostraram que 69% dos usuários do sistema no período de pico estariam dispostos a mudar o horário da viagem para obter alguma economia, que o percentual de adesão varia em função da dimensão do desconto oferecido e que existe um desconto mínimo a partir do qual a mudança ocorreria. A estratégia se mostrou viável com boas chances de modificar o perfil da variação da demanda ao longo do dia e contribuir para a redução da frota e dos custos operacionais do sistema.


Palavras-chave


precificação por horário; gerenciamento da demanda; comportamento dos usuários; transporte público

Texto completo:

PDF

Referências


Albalate, D., & Bel i Queralt, G. (2009). Factors explaining urban transport systems in large European cities: A cross-sectional approach. IREA–Working Papers, 2009, IR09/05.

ALESP – Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (2015). Projeto de Lei nº 1.442/2015. Recuperado em: 10 de maio de 2017, de https://www.al.sp.gov.br/propositura/?id=1284962.

ANTP – Associação Nacional dos Transportes Públicos (2014). Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Geral. São Paulo-SP. 3-6. Recuperado em 14 de abril de 2018, de www.antp.org.br

Antunes, E. M., & Simões, F. A. (2013). Engenharia urbana aplicada: um estudo sobre a qualidade do transporte público em cidades médias. Urbe–Revista Brasileira de Gestão Urbana, 5(2), 51-62. DOI: 10.7213/urbe.05.002.SE04

Bianchi, R., Jara-Díaz, S. R. & Ortúzar, J. de D. (1998). Modelling new pricing strategies for the Santiago Metro. Transport Policy, v. 5, n. 4, p. 223-232. DOI:10.1016/S0967-070X(98)00025-0

Bresson, G.; Dargay, J.; Madre, J. L. & Pirotte, A. (2004). Economic and structural determinants of the demand for public transport: an analysis on a panel of French urban areas using shrinkage estimators. Transportation Research Part A: Policy and Practice, 38(4), 269-285. DOI: 10.1016/j.tra.2003.11.002

Carvalho, C. H. R., & Pereira, R. H. M. (2011). Efeitos da variação da tarifa e da renda da população sobre a demanda de transporte público coletivo urbano no Brasil (No. 1595). Texto para Discussão, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA).

Carvalho, S. L. (2012). Análise de políticas tarifárias do transporte público do município de Belo Horizonte sob a ótica da elasticidade demanda-tarifa (Dissertação de Mestrado). UFMG – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Dandapat, S., Cheranchery, M. F., & Maitra, B. (2017). Is fare increment desirable for ensuring operational viability of private buses?. Transport Policy, 59, 134-141. DOI: 10.1016/j.tranpol.2017.07.010

ETUFOR (2016). Transporte Regular (Ônibus) e Complementar (Vans). Recuperado em 13 de maio de 2016, de http://www.fortaleza.ce.gov.br/etufor/transporte-regular-onibus-e-complementar-vans.

Feres, L. J. (2015). Diferencial de tarifa entre pico e vale como ferramenta de suavização da demanda no sistema de transporte público da cidade de São Paulo (Dissertação de Mestrado). Insper - Instituto de Ensino e Pesquisa, São Paulo.

Ferraz, A. C. P. & Torres, I. G. E. (2004). Transporte público urbano (2a ed.). São Carlos: RiMa Editora. São Carlos.

Ferronatto, L. G. (2002). Potencial de medidas de gerenciamento da demanda no transporte público urbano por ônibus (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Fowkes, A. S.; Nash, C. A. & Whiteing, A. E. (1985). Understanding Trends in Inter-city Rail Traffic in Great Britain. Transportation Planning and Technology, 10(1), 65-80. DOI: 10.1080/03081068508717301

Frazão, M. (2015). Londrina terá desconto na tarifa de ônibus fora do horário de pico. Jornal de Londrina. Recuperado em: 28 de abril de 2016, de http://www.gazetadopovo.com.br/vida-e-cidadania/londrina-tera-desconto-na-tarifa-de-onibus-fora-do-horario-de-pico-dxy7nlj0ko0pqbifphndublf2.

Goodwin, P. B. (1992). A review of new demand elasticities with special reference to short and long run effects of price changes. Journal of transport economics and policy, 155-169.

Haywood, L., Koning, M., & Monchambert, G. (2017). Crowding in public transport: Who cares and why?. Transportation Research Part A: Policy and Practice, 100, 215-227. DOI: 10.1016/j.tra.2017.04.022

Holmgren, J. (2013). An analysis of the determinants of local public transport demand focusing the effects of income changes. European Transportation Research Review, 5(2), 101-107. DOI: 10.1007/s12544-013-0094-0

Hounsell, N. B. (1991). Peak spreading and congestion: Techniques for distinguishing “passive” from “active” responses by road users. Transport Planning Systems, Vol.1, N. 3, 39-46.

Litman, T. (2004). Transit Price Elasticities and Cross-Elasticities. Journal of Public Transportation, 7 (2): 37-58. DOI: 10.5038/2375-0901.7.2.3

Litman, T. (2007). Developing indicators for comprehensive and sustainable transport planning. Transportation Research Record: Journal of the Transportation Research Board, (2017), 10-15. DOI: 10.3141/2017-02

Liu, Y., & Charles, P. (2013). Spreading peak demand for urban rail transit through differential fare policy: a review of empirical evidence. In Australasian Transport Research Forum 2013 Proceedings.

Li, Z., & Hensher, D. A. (2013). Crowding in public transport: a review of objective and subjective measures. Journal of Public Transportation, 16(2), 6. DOI: 10.5038/2375-0901.16.2.6

McGeehan, H. (1984). Forecasting the demand for inter-urban railway travel in the Republic of Ireland. Journal of Transport Economics and Policy, Vol.18, 275-291.

Metro Santiago (2016). Tarifas. Recuperado em: 16 de abril de 2016, de http://www.metrosantiago.cl/guia-viajero/tarifas.

NTU – Associação Nacional Das Empresas De Transportes Urbanos (2005). Novas Tendências em Política Tarifária. Brasília - NTU.

Oliveira, A. V. M.; Pamplona, D. A. & Paulo Filho, D. P. P. (2015). Estudo e previsão de demanda do transporte urbano coletivo na Região Metropolitana de São Paulo. Revista dos Transportes Públicos - ANTP. Ano 37, 1º Quadrimestre, 61-73.

Owen, A. D. & Phillips, G. D. A. (1987). The Characteristics of Railway Passenger Demand. An econometric investigation. Journal of Transport Economics and Policy, Vol.21, 231-253.

Rantzien, V. H. af & Rude, A. (2014). Peak-load pricing in public transport: a case study of Stockholm. Journal of Transport Literature, v. 8, n. 1, p. 52-94. DOI: 10.1590/S2238-10312014000100004

SEMOB/JP (2016). Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana de João Pessoa. Recuperado em: 16 de abril de 2016, de http://www.joaopessoa.pb.gov.br/secretarias/semob/onibus/

Suman, H. K., Bolia N. B. & Tiwari G. (2017). Comparing public bus transport service attributes in Delhi and Mumbai: Policy implications for improving bus services in Delhi. Transport Policy, 56, 63-74. DOI: 10.1016/j.tranpol.2017.03.002

Transport for London (2016). Fares. Recuperado em: 16 de abril de 2016, de https://tfl.gov.uk/fares-and-payments/fares/single-fare-finder.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.