Mobilidade e rendimento escolar dos estudantes de ensino médio em Natal (RN, Brasil)

William Mendonça Lima, Flavio Henrique Miranda de Araujo Freire, Ricardo Ojima

Resumo


Pouco explorado pela literatura, os deslocamentos diários casa-escola refletem uma incoerência espacial entre a distribuição da população em idade escolar e os estabelecimentos de ensino de educação básica (nível médio) em Natal, RN. Neste trabalho exploraremos o perfil dos comutadores (estudantes) a partir de um recorte político-administrativo intramunicipal. Dessa forma foi possível captar os fluxos diários de estudantes entre os bairros do município de Natal. Para isso, utilizamos o conceito de espaço de vida como embasamento teórico e o banco de dados do Censo Escolar 2012. Assim, relacionando as informações referentes à localidade de residência e de estudos dos alunos, verificou-se a relação entre o deslocamento para estudo e o desempenho escolar medido através do indicador de distorção idade-série em um modelo de regressão logística. Entre os resultados encontrados identificou-se que a chance de um aluno ter um bom rendimento escolar não está relacionada com a proximidade de sua residência da escola. Nesse sentido, a dinâmica da população em termos de distribuição escolar e de alunos pode representar aspectos importantes para a gestão urbana e a oferta de serviços educacionais, sobretudo em um contexto no qual as tendências demográficas apontam para uma redução expressiva da população em idade escolar nos próximos anos.


Palavras-chave


mobilidade espacial da população, comutação, rendimento escolar.

Texto completo:

PDF

Referências


Adarosa, P., & Szmrecsányi, T. (1980). Demografia e

educação. In J. L. F. Santos, M. S. F. Levy, & T. Szmrecsányi,

(Org.), Dinâmica da população: teoria, métodos e técnicas

de análise. São Paulo: T.A Queiroz.

Branco, M. L. G. C.; Firkowski, O. L. C. F., & Moura, R.

(2005). Movimento pendular e perspectivas de pesquisas

em aglomerados urbanos. São Paulo em Perspectiva, 19(4),

-133.

Cunha, J. M. P. (2011). Mobilidade espacial, vulnerabilidade

e segregação socioespacial: reflexões a partir do estudo da

RM de Campinas, 2007. In Cunha, J. M. P. (Org.), A mobilidade

espacial da população: desafios teóricos e metodológicos para

o seu estudo. Campinas: Núcleo de Estudos de População

— NEPO/Unicamp. p. 117-140.

Dias, J. M., Fo., & Corrar, L. J. Regressão logística. (2009).

In L. J. Corrar, E. Paulo, & J. M. Dias Fo., (Coords.), Análise

multivariada: para cursos de administração, ciências contábeis

e economia (pp. 280-323). São Paulo: Atlas/Fundação Instituto

de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras – FIPECAFI.

Hosmer, D. W., & Lemeshow, S. (1989). Applied logistic

regression. Massachusetts: John Wiley & Sons.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2011).

Censo Demográfico de 2010. Rio de Janeiro: IBGE.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Anísio Teixeira – INEP. (2013). Censo Escolar da Educação

de 2012. Rio de Janeiro: INEP.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Anísio Teixeira – INEP. (2015). Portal INEP. Recuperado em

de janeiro de 2015, de http://portal.inep.gov.br/

Jardim, A. P. (2011). Movimentos pendulares: reflexões sobre

mobilidade pendular. In L. A. P. Oliveira, & A. T. R. Oliveira

(Orgs.), Reflexões sobre os deslocamentos populacionais no

Brasil (pp. 58-70). Rio de Janeiro: IBGE.

Keserú, I. (2013). Commuting patterns of secondary school

students in the funcional urban region of Budapest. Hungarian

Geographical Bulletin., 62(2), 197-219.

Marandola, E., Jr. (2006). Mobilidade e Vulnerabilidade nos

Espaços de Vida de Campinas. In XV Encontro Nacional de

Estudos Populacionais (18-22 de setembro). Caxambú: ABEP.

Marandola, E., Jr. (2008). Habitar em risco: mobilidade

e vulnerabilidade na experiência metropolitana (Tese de

Doutorado). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas,

Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Marique, A. F., Dujardin, S., Teller, J., & Reiter, S. (2013). School

commuting: the relationship between energy consumption

and urban form. Journal of Transport Geography, 26, 1-11.

http://dx.doi.org/10.1016/j.jtrangeo.2012.07.009.

Müller, S., Tscharaktschiew, S., & Haase, K. (2008). Travelto-

school mode choice modelling and patterns of school

choice in urban areas. Journal of Transport Geography, 16(5),

-357. http://dx.doi.org/10.1016/j.jtrangeo.2007.12.004.

Muralidharan, M., & Prakash, N. (2013). Cycling to School:

Increasing Secondary School Enrollment for Girls in India

(Discussion Papers Series, No. 7585). Bonn: IZA. 45 p.

Ojima, R. (2007). Análise comparativa da dispersão urbana

nas aglomerações urbanas brasileiras: elementos teóricos e

metodológicos para o planejamento urbano e ambiental (Tese

de Doutorado). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas,

Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Ojima, R., & Marandola, E., Jr. (2012). Mobilidade populacional e

um novo significado para as cidades: dispersão urbana e reflexiva

na dinâmica regional não metropolitana. Revista Brasileira

de Estudos Urbanos e Regionais, 14(2), 103-116. [ANPUR]

http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2012v14n2p103.

Ojima, R.; Aguirre, M. A. C.; Silva, B. L. & Lima, W. M. (2014).

Migrações internacionais motivadas por estudo: uma análise

sociodemográfica dos estudantes estrangeiros radicados no

Brasil. Revista PerCursos, 15(28), 166-189.

Ojima, R.; Silva, R. B. & Pereira, R. H. M. (2007) A mobilidade

pendular na definição das cidades-dormitório: caracterização

sociodemográfica e novas territorialidades no contexto da

urbanização brasileira. Cadernos PUR/UFRJ, 21,111-132.

Pereira, R. H. M. (2006). Polarização urbana e mobilidade

da população: O caso dos deslocamentos pendulares na

rede pública de ensino médio do Distrito Federal. In XV

Encontro Nacional de Estudos Populacionais (18-22 de

setembro). Caxambú: ABEP.

Pereira, R. H. M., & Herrero, V. (2011). Mobilidade pendular:

uma proposta teórico-metodológica. In: T. Aidar, & E. Pelaez.

(Orgs.), Estudos demográficos na Argentina e Brasil: resultados

de cooperação entre estudantes e docentes da Unicamp e UNC

(pp. 106-127). Campinas: SPU/AR, CAPES/BR.

Ribas, J. R., & Vieira, P. R da C. (2011). Análise Multivariada

com o uso do SPSS. Rio de Janeiro: Editora Ciência Moderna

Ltda.

Schlossberg, M., Phillips, P. P., Johnson, B., & Parker, B. (2005).

How do they get there? A spatial analysis of a ‘sprawl school’

in Oregon. Planning Practice and Research, 20(2), 147-162.

http://dx.doi.org/10.1080/02697450500414678.

Secretaria de Estado da Educação e da Cultura — SEEC.

(2013). Natal - RN: Governo do Estado do Rio Grande do

Norte.

Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Urbanismo —

SEMURB. (2012). Anuário Natal: 2011-2012. Natal - RN:

Setor de Pesquisa e Estatística — SPE.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.